19 de janeiro de 2016

Je suis piropo (Guilherme Duarte)


Por isso, aqui fica o novo acordo de piropos com o antes e o depois:  
«Ó flor, dá para pôr»
Peço perdão mas a senhora é dotada de tamanha beleza que se assemelha à estrutura reprodutora das plantas Angiospérmicas, de tal forma que me é impossível deixá-la passar por mim sem que lhe pergunte se me é possível introduzir... conversa. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
És como um helicóptero: gira e boa...
A senhora tem feições tão delicadas que desperta o Quim Barreiros que há em mim, o que me leva a fazer um trocadilho entre o adjectivo "gira" com as hélices do veículo de motor giroscopico, vulgo helicóptero. Sendo que não sou do norte, como piada, apenas, irei também fazer o trocadilho com "boa", de voar, pelo facto da senhora também ser dona de um belo corpo que aposto que está, também ele, preenchido por uma personalidade sublime e que adoraria conhecer. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Ó febra, junta-te aqui à brasa.
Não querendo de qualquer forma ferir as suas susceptibilidades no caso de ser vegetariana, mas a senhora possui massa corporal de fazer lembrar o corte em fatias da perna de gado porcino. Como tal, gostaria de a convidar a aconchegar-se junto da zona do meu corpo cuja temperatura está mais alta devido ao sangue que lhe aflui de momento. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Ó estrela, queres cometa?
Caríssima donzela, não pude deixar de reparar que emana um brilho resplandecente capaz de ofuscar quem a olhar sem óculos de protecção. Gostaria, portanto, de a indagar se pretende interagir com um corpo do sistema solar cujo nome original grego quer dizer «cabeleira da cabeça». Pode parecer uma metáfora para sexo anal, mas garanto-lhe que é uma oferta desprovida de segundas intenções. Obrigado e um bem haja. 
Ó jóia, anda aqui ao ourives.
Peço desculpa por incomodar, mas a senhora assemelha-se a uma mistura de metal com pedra preciosa. Gostaria, portanto, de saber se poderia locomover-se até a um raio de um metro de mim para que eu lhe mostre as minhas capacidades de manuseamento de materiais preciosos. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Ó filha, com um cuzinho desses deves cagar bombons...
Peço desculpa, mas a senhora possui uns glúteos de tal forma bem torneados que me apraz dizer-lhe que nem acredito que pelo seu excelso esfíncter sejam expelidas fezes. Acredito que pelo seu orifício traseiro saia uma espécie de mousse de chocolate ou Ferrero Rocher, em dias que comeu muito pão. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Ó filha, fazia-te um pijaminha de cuspo.
Estando eu preocupado com o seu bem-estar e com o frio que se avizinha. Se me permitisse, prometo que lhe faria umas vestes de dormir feitas inteiramente em saliva, lambendo-a como fazem os gatos às suas crias. Seria um dois em um, sendo que o ritual de tomar banho e vestir o pijama seria feito de uma assentada. Uma proposta que aumenta a produtividade e a maximização do tempo. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
O teu cu parece uma serra eléctrica: não há pau que lhe resista!
Permita-me proactividade de afirmar que os seus glúteos parecem ter mais potência do que uma serra motorizada a gasolina. Utilizo esta metáfora, aproveitando também para comparar o meu pénis a um tronco de madeira, para dizer é impossível resistir a tal atracção fatal. Com esta metáfora realço também o facto de elogiar a dureza da sua musculatura traseira, dado que seria capaz de me partir o pénis carvalhesco. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Posso pagar-te uma bebida ou preferes em dinheiro?
Não querendo ser indelicado, gostaria de a a convidar para tomar um refresco, quiçá um sumo detox. Não podendo, a senhora, aceitar o meu convite, ofereço-me para lhe dar cinco euros para que possa tomar uma bebida por minha conta e aproveitar este belo dia na excelente companhia de si própria. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 
Com umas bóias dessas o Titanic não tinha ido ao fundo.
Como forma de elogio às suas fantásticas glândulas mamárias, gostaria de as congratular, em tamanho e feitio, dizendo que acaso estivesse no penoso naufrágio do Titanic, na manhã de 15 de Abril de 1912, creio que este não se teria afundado. A ter acontecido tal tragédia, aposto que tanto o Di Caprio como a Kate se conseguiriam sustentar à superfície da água devido ao princípio de Arquimedes, vulgo impulsão, garantido por seus magníficos bagos mamíferos. Sem segundas intenções me despeço, obrigado e um bem haja. 

Quem quiser ler todo o texto só tem que passar por aqui

28 comentários:

  1. ~~~
    Esse tal Duarte não tem mais nada que fazer?!!

    Acabaram os chistes ordinários de má memória e

    vivam - bibam - os galanteios!

    ~~~ Beijinhos, Pedro. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas lá que a coisa tem piada, lá isso tem, Majo.
      Ordinarice não é, nem nunca foi, o meu género.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Lá vão as mulheres ter de andar com um dicionário e um código penal atrás para ver o significado de tão eruditos galanteios, e saber se se enquadram ou não na tal lei.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este texto está muito bem esgalhado, Elvira Carvalho.
      A parte mais picante, mais a puxar ao vernáculo, não a publiquei.
      Ficou o link para quem quiser ler.
      Um abraço

      Eliminar
  3. Olá, Bom dia

    E lá andamos nós a preocupados com o que não é importante. Achei giro o texto lololo

    Beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sentido de humor apurado, Cristina Sousa.
      Um piropo não é problemático.
      Boçalidade é inadmissível e as mulheres sabem como lidar com ela.
      Nem que seja com uma lambada nas trombas do engraçadinho.
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  4. Como tenho de ir fazer a minha caminhada, enquanto o tempo ajuda, agora não tenho vagar para ler tudo, só os piropos do "antes". Os de "agora" parecem-me tão longos que enquanto os homens desfiam esse rosário todo, já a brasa vai longe e não ouve nada!
    Mal por mal, mais valem os piropos curtos, logo que não sejam ofensivos, claro!
    Ainda hei-de voltar a esta matéria, aqui e lá, porque...je sui piropo aussi!! ;))

    Beijinhos!

    PS- "Ó jóia, anda aqui ao ourives", gostei!! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O piropo, o galanteio, até massaja o ego da mulher.
      Quando se passa daí para o boçal não só é inadmissível como da todo o direito à mulher de atingir o finório in su sitio.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Vamos lá a ver se eu consigo escrever, porque me dói a barriga de tanto rir, MAIS JE SUIS TOTALEMENT (estará bem escrita?) PIROPO.

    Não sei quem é Guilherme Duarte, mas sei, que é um homem inteligente, muito inteligente e que sabe "meter" e encadear bem a "coisa". PARABÉNS, CARO AMIGO!

    Creio não ser preciso dicionário, porque caso não percebamos algumas palavras, tiram-se umas por outras e o importante é o produto final, que é BOM, MUITO BOM E DE REFINADA QUALIDADE.

    Não consigo escolher, eleger um como o melhor, pke TODOS e ainda não fui ler o resto, são bombons, e dos melhores.

    Tantas vezes eu ouvi este: "ainda o meu pai queria que eu fosse para padre". Então, isto não tem graça? Eu só não me ria, para não dar confiança e "abertura". Ordinários, daqueles mesmo ordinários, ouvi alguns, sim, mas parava e respondia sempre: é o que o meu irmão e pai dizem à tua(s) irmã(s) e mãe. Caso não tivessem irmãs, mãe haviam de ter ou de ter tido. Remédio santo e creio mesmo que eles ficavam mto sentidos e ofendidos. Havia um que se me encontrasse num passeio, passava para o outro.

    VIVA O PIROPO BREJEIRO E SAUDÁVEL! FAZ BEM À ALMA, À AUTOESTIMA DE QUALQUER MULHER, MESMO DAQUELAS QUE DIZEM QUE NÃO.

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um piropo sabe sempre bem CÉU.
      Mas há alguns que são absolutamente javardos.
      Fazer o quê?
      O que a CÉU fez - responder à letra.
      Beijo

      Eliminar
    2. É isso, Pedro! É saber bem, mto bem e tem a ver com "coisas doces, fofinhas". Saber de sabor e com sabor. Tanta repetição, mas preciso delas, preciso senti-las.
      Exatamente. Então, para k queremos nós as palavras, no momento certo?
      Beijo.

      Eliminar
    3. Desde que não se ultrapassem os limites, qual é o problema, CÉU???
      Beijo

      Eliminar
  6. Respostas
    1. A Porto Editora e o piropo, Maria do Mundo :)))

      Eliminar
  7. Ai, Pedro, o que eu me ri! Já o título "Je suis piropo" está o máximo!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O texto está muito engraçado, Miss Smile :)))
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Lamento, mas nunca achei graça nenhuma a piropos. Que na maior parte das vezes são mais ordinarices do que outra coisa...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ordinarices são inadmissíveis, intoleráveis, Teté.
      Um piropo, um galanteio, porque não??
      Beijocas

      Eliminar
  9. O piropo já não é o que era.
    Por vezes, é preferível um olhar fortuito carregado de intenção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhos que dizem muito mais que mil palavras, não é, António?? :)))

      Eliminar
  10. :-)) Pode ser que floresça uma nova arte. A antiga era dispensável!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está o que eu chamo espírito positivo, M Campos!! :)))

      Eliminar
  11. :)
    Não vai ser nada fácil conseguir dizer isso tudo enquanto o objecto do piropo passa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É preciso ter uma dicção perfeita, uma grande velocidade de raciocínio e fala, Gábi :))

      Eliminar
  12. Uma verdadeira enciclopédia do piropo pós legislação proibitiva.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chapelada para quem escreveu isto, Carlos!! :))

      Eliminar