13 de novembro de 2015

Sozinha no avião (história verídica)


Esta é a história real de uma mulher voando em um avião de dois lugares.
Só ela e o piloto.
O piloto tem um ataque cardíaco e morre.
Ela, desesperada, começa a gritar por socorro:
Meu Deus! Help! Socorro! Meu piloto teve um ataque cardíaco e morreu.
Eu não sei como pilotar. Ajude-me!
Por favor, alguém me ajude!
Ela ouve uma voz no rádio dizendo pausadamente:
- Este é o Controle de Tráfego Aéreo, e eu lhe escuto bem, alto e claro.
Tenha calma, eu vou falar com você através deste rádio e lhe trazer de volta ao chão.
Eu tenho muita experiência com este tipo de problema.
Basta ter muita calma, já enfrentei vários.
Respire fundo, tudo vai ficar bem!
Agora, olha no reloginho aí na sua frente e me dê a sua altura e sua posição.
Ela diz:- Eu tenho um metro e setenta e dois, e estou sentada no banco da frente.
- OK, loirinha - diz a voz no rádio. Agora, repita bem devagar comigo:
“Pai nosso, que estás no céu..."

15 comentários:

  1. Que sorte a do capelao salvar mais uma loira...
    Desconhecia haver padres no Controlo aéreo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um padre era o que ela precisava, Agostinho.
      Para lhe dar a extrema unção :))))

      Eliminar
  2. Pois só mesmo rezando. hehe.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É caso para dizer, Francisco - fia-te na Virgem..... :)))))

      Eliminar
  3. Pois é bem melhor ir rezando....
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece que isso faça funcionar o piloto automático, Elvira Carvalho :)))

      Eliminar
  4. ~~~ Saiu gargalhada...

    ~ O que eu gosto destas!

    ~ Tudo do melhor, Pedro.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  5. hahahaha... Loiras ou alentejanos ! ... Têm mesmo que ir aguentando com estas coisas ! ... rsrsrs

    ResponderEliminar
  6. Verídica? Pobrezinha! Mas é/era loura, mas alentejana, não, até pke nós somos morenas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Publico como recebo, CÉU.
      Eu não sou culpado :)))

      Eliminar
    2. Evidente, Pedro! Nem isso está em causa e nem passou pela minha cabeça.
      Eu é que "enfeitei o bolo", com realismo, digo!

      Eliminar
  7. Coitada!! Não merecia tal sorte...Afinal ela estava em pânico...

    Ó Rui, se fosse um alentejano tinha-se atirado de pára-quedas..que é lá isso?

    Beijinhos com brevet...:))

    ResponderEliminar