26 de outubro de 2015

Nada de curas



Estavam um inglês, um alemão e um português num café quando o inglês diz aos outros: 
Esse que entrou aí é igualzinho ao Jesus Cristo. 
Pois, pois - dizem os outros. 
Estou-vos a dizer. A barba, a túnica.... 
O inglês levanta-se, dirige-se ao homem e pergunta: 
Tu és Jesus Cristo, não é verdade? 
Eu? Que ideia! 
Eu acho que sim. Tu és Jesus Cristo. 
Já disse que não. Mas fala mais baixo. 
Eu sei que tu és Jesus Cristo 
Tanto insiste que o homem lhe diz baixinho: 
Sou efectivamente Jesus Cristo mas fala baixo e não digas a ninguém senão isto fica aqui um pandemónio. 
Fiz uma lesão no joelho em pequeno. Cura-me. 
Milagres não. Tu vais contar aos teus amigos e eu passo a tarde a fazer milagres. 
O inglês tanto insiste que Jesus Cristo põe-lhe a mão sobre o joelho e cura-o. 
Obrigado. Ficarei eternamente grato - agradece, emocionado, o inglês. 
Sim, sim. Não grites e vai-te embora. Não contes a ninguém. 
O inglês, mal chegou à mesa, contou aos amigos. 
O alemão levantou-se logo e dirigiu-se a ele. 
O meu amigo disse-me que eras Jesus Cristo e que o curaste. Tenho um olho de vidro. Cura-me. 
Não sou nada Jesus Cristo. Fala baixo. 
O alemão tanto insistiu que Jesus Cristo passou-lhe a mão pelos olhos e curou-o. 
Vai-te agora embora e não contes a ninguém. 
Mas Jesus Cristo bem o viu a contar a história aos amigos e ficou à espera de ver o português ir ter com ele.
O tempo foi passando e nada. 
Mordido pela curiosidade dirigiu-se à mesa dos três amigos e, pondo a mão sobre o ombro do português, começou a perguntar: 
E tu, não queres que.... 
O português levanta-se de um salto, afastando-se dele: 
Eh, tira as mãozinhas. Nada de curas que eu estou de baixa!!! 

18 comentários:

  1. Respostas
    1. Estamos em todas, Catarina.
      Nem sempre pelos melhores motivos :)))

      Eliminar
  2. O alemão de olho de vidro e cara de mau.

    ResponderEliminar
  3. Dizem que a fama chegou ao Céu.

    Boa semana, Pedro. Com milagres incomuns.

    ResponderEliminar
  4. Sempre gostava de saber, quem colocou nos portugueses essa "albarda"
    Exceptuando os políticos e seus amiguinhos, o povo sempre trabalhou como burro de carga.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anedota, Elvira Carvalho.
      É saudável rir de nós próprios.

      Eliminar
  5. Os portugueses e o seu gosto pela verdade e pelo trabalho. Todavia, e como "brevemente" o salário mínimo nacional vai passar para 600 euros, creio bem, que ainda vai ser "melhor".

    Beijo, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amanhã vou dar pancada em quem merece, CÉU.
      Dois em especial.
      Já se ultrapassaram os limites do tolerável.
      Beijo

      Eliminar
    2. E vou ficar com "água na boca" até amanhã!? Lá terá de ser, pke Macau tem menos uns "minutitos" que Lisboa.
      Então, ficarei a aguardar o inteligente texto sobre, talvez, a super minoria do PS.
      Beijo.

      Eliminar
    3. Não, não é o PS, CÉU.
      São os dois mais altos magistrados da Nação que se comportaram de forma vergonhosa.
      Beijo

      Eliminar
  6. Respostas
    1. As pérolas do FerreirAmigo, Gábi.
      Que eu aqui vou dando a conhecer.

      Eliminar
  7. Fica-se a assim a saber que a "absentite" do trabalho não tem cura… :-)
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  8. A fama dos tugas já vem de looooonge!!

    Sem generalizar, que eu gosto muito de trabalhar! :))

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É só anedota, Janita.
      Gostamos de ser chico-espertos?
      Gostamos.
      No que isso tem de bom e de mau.
      Beijinhos

      Eliminar