20 de março de 2014

Como eu li a mensagem de Cavaco Silva


Aníbal Cavaco Silva anunciou ontem a data das eleições para o Parlamento Europeu (europeias).
Muito mais importante que a data escolhida (25 Maio) foram as mensagens, os recados em bom rigor, que o Presidente da República quis fazer passar.
Ao apelar mais uma vez a consensos que sabe impossíveis, a campanhas eleitorais onde impere a elevação e o civismo, à necessidade de fazer passar para o exterior a imagem de um país que na realidade neste momento não existe, Cavaco Silva pretende, deixar aos partidos e ao País uma mensagem subliminar - não pretendam extrapolar resultados de eleições para o Parlamento Europeu para o plano interno que eu não jogo esse jogo.
Mais uma vez, ainda que de forma indirecta, sub-reptícia, Cavaco Silva afirma-se como o garante da estabilidade política a todo o custo.
Austero, esfíngico, Cavaco Silva terá deixado ontem muito mais tranquilo Pedro Passos Coelho.
Ainda que confrontado com um resultado eleitoral desastroso  para os partidos da coligação governativa, Cavaco Silva não vai tomar a iniciativa de alterar minimamente o equilíbrio de forças político a nível interno.
E nem sequer deseja que outros tomem essa iniciativa.
Esta segunda parte do recado presidencial tem destinatários muito concretos - António José Seguro, obviamente; mas também, e mais importante, o sempre imprevisível Paulo Portas.

22 comentários:

  1. ~ OLá, João Pedro.
    ~ Parece que o que mais importa, neste momento, é dar sinais positivos para os mercados. Os índios comunicavam com sinais de fumo, os europeus da atualidade dão sinais positivos, com beijinhos e apertos de mão.
    ~ A direita, anda muito desconfiada com a passividade dos portugueses e temem mais do que tudo, assustar os agiotas.

    ~ Fantochadas que poderiam ser hilariantes, se não fossem tão trágicas.

    ~ ~ ~ Um dia aprazível. ~ ~ ~ Bejinhos. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achei piada à forma como o PR ralhou com o Seguro e o Portas, Majo - tenham juizinho e não me arranjem chatices.
      Não contem comigo para dissolver o parlamento, marcar eleições, assustar os mercados e os credores.
      Nada de novo, ao fim e ao cabo.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Não consigo ouvir já o Presidente, assim como não consigo paciência para ouvir Passos, Portas, Seguros ou Troicas de Bardamerka.
    Como é possível num país tão pequeno existirem tantos ministros, ministérios, parlamentares e secretários de tudo e mais alguma coisa...?
    Quando falam em cortes esquecem-se que são esses e sempre esses que levam a grande fatia e nunca se sujeitam a cortes.
    Se temos um Presidente ele que defina uma linha e uma orientação política com regras claras. Os partidos que se sucedem no poder têm de cumprir as regras e sujeitar-se aos limites de ordenados em todos os ministérios, TV's Bancos, Hospitais.

    Obrigado Pedro pelo teu abraço. Retribuo com muita amizade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente o meu sentimento, luis.
      Ouvir esta cambada toda já me dá tonturas e vómitos.
      E o PR, então, parece que vive numa realidade alternativa, num país que não existe.
      O circo está a arder e ele pede calma e tranquilidade?
      Calma e tranquilidade para ele!
      Até irrita.
      Grande abraço!!

      Eliminar
  3. Se era isso que Cavaco queria transmitir,, então não valia a pena estar a maçar-nos: toda a gente em Portugal e no estrangeiro sabe que não mexerá um dedo para fazer seja o que for contra a coligação.

    Penso que se limitou a dizer uma série de banalidades(vá lá, desta vez sem a boca cheia) e que o que lhe importa é terminar o mandato sem tomar uma única decisão ( o Tribunal Constitucional que se encarregue disso e sofra as consequências, sem que sequer o reformado de Boliqueime o defenda), convencido de ser uma inteligência rara e de que os portugueses são parvos ( mas aí até concordo em parte: escolhê-lo repetidamente para todos os cargos, sabendo-se já muita coisa não se entende)

    Desejo que já esteja recuperado de todo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os recados que ele manda à rapaziada que governa e à oposição dão vontade de rir.
      Havia um bêbado na minha terra que dizia mais ou menos o mesmo - "não me incomodem!" :))

      Já estou em ordem, obrigado :)

      Eliminar
  4. Para quem não sabe sempre se pode acrescentar que consenso, consenso é (foi) a UN (União Nacional). Estamos em regime democrático ou está em vigor a constituição de 1933?
    Boa análise Pedro. Bom fim de semana,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Consensos, ainda para mais falsos, Agostinho?
      Estou farto disso por estas bandas.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  5. Desculpem lá eu continuar "do contra" ! ... :))
    Estamos numa Democracia e sujeitos uma Constituição aprovada (quer queiram ou não, quer tenha defeitos, ou não).
    Querem que o PR respeite a Constituição, mas ao mesmo tempo que a viole !
    Ora, esta diz que havendo uma maioria estável na AR a suportar um Governo saído de eleições, esse Governo é legítimo durante o período de 4 anos até novas eleições para o mesmo efeito !
    Ora, não cabem aqui quaisquer outros resultados para outros orgãos !!! ...
    Para que se respeite a Constituição o PR não pode fazer rigorosamente nada quer se goste ou não dele ou do Governo !
    Só a AR, legalmente, poderá manter ou não este Governo, por muito que nos custe ! ... Poderão vir a ser "punidos" os partidos que o suportam ? .... Certamente, ... mas na altura própria ! ... Ou isto não é uma Democracia ?
    Fazer outro 25 de Abril, para acabar com esta Democracia ? ... Para quê ? ... Para voltar a uma Ditadura ? ...
    Não seria mais fácil alterar a Constituição ? ...

    Abraço, Pedro !
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui toda a gente exprime as suas opiniões livremente, Rui.
      No dia em que deixar de ser assim, acaba o blogue.

      É curioso que o PR faça este aviso, que o Rui também percebe, e que eu continuo a pensar que tem aqueles dois como principais destinatários.
      Antes que comecem com ideias.....
      Aquele abraço!!

      Eliminar
    2. O Pedro é uma pessoa tolerante e aceita opiniões diferentes.

      Encontro poucas diferencas entre as opiniões do Pedro e do Rui; considero ambos um bom exemplo de pessoas moderadas e tolerantes.

      Abração para os dois!

      Eliminar
    3. Eu e o Rui temos alguma aproximação ao centro-direita (o Rui mais do que eu pelo que percebo).
      Mas acho que posso afirmar que realmente somos pessoas tolerantes.
      Abração

      Eliminar
  6. Pedro, estava a fazer algo, substancialmente mais importante, a ver o jogo da Champions entre o Man. United - Olimpyakos.

    Pachorra é algo que escasseia na hora de ver o Sr. Bolo-Rei.

    Aquele abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Van Persie 3 Cavaco 0 :)))
      Como eu compreendo a opção!
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  7. O Pedro conseguiu perceber o senhor Silva?
    Aplaudo a sua capacidade e, não menos importante, a coragem para o ouvir.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  8. Há pessoas a que se diz que lhe cai o pé para o chinelo: a este cai-lhe o pé para a bota tipo militar, do ditador que gostaria de ser. A tonteira é tal, que por ele decidia o futuro do país até 2035... sem dar hipóteses a ninguém de votar numa política alternativa!

    Mas não vi o comunicado, porque quando ele aparece na TV, mudo de canal! Mas verdade seja dita a cara de pau não é só dele, PPC e sus muchachos passam a vida a criticar o PS, mas quando lhes convém querem "consensos"... Pois! ;)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teté,
      Eu acho que ele já só está mesmo nas tintas.
      E não quer é chatices.
      Em Maio até vem para aqui (China continental e Macau).
      Vai agora aborrecer-se com coisas menores como sejam discussões acerca de resultados eleitorais??!!

      Consenso entre PS (de Seguro) e PSD (de Passos Coelho) é impossível.
      Não vale a pena insistir, procurar ir por um caminho que não vai dar a lado nenhum.
      Beijocas

      Eliminar
  9. Cavaco pede agora o que nunca fez.esqueceu depressa o discurso de tomada de posse do segundo mandato e a vergonhosa campanha eleitoral que fez? O homem mete nojo.Porque não se cala?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele tem que dizer umas coisas de vez em quanto para a gente saber que ainda está vivo, não é, Carlos?? :)))

      Eliminar
  10. Que venha a sua pequenina reforma que o resto é só mesmo de quem já se está a marimbar para o resto. Também irá curtir ainda umas viagens à custa do povo e o resto é paisagem.

    Há muito que deveria ter arrumado as botas...e oxalá que as botas não arrumem com ele!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele tem que dizer umas coisas de vez em quando, Fatyly.
      Mais ou menos como gritar - tou vivo, tou vivo!! :))

      Eliminar