24 de março de 2014

As gengivas e os dentes




*Lembro-me que tinha aí uns 7 anos e uma vez a minha mãe apanhou-me a meter a mão por debaixo da saia de uma menina da minha rua e gritou-me:* 

*- TIRA DAÍ AS MÃOS,NÃO SABES QUE AS MULHERES TÊM DENTES AÍ EM BAIXO?*

*Em pânico tirei a mão rapidamente e chorei com susto que levei, mas também fiquei feliz por não ter sido mordido.* 

*Alguns anos se passaram e eu sempre convencido de que de facto as mulheres tinham dentes naquela zona tal como a minha mãe me tinha dito, até que aos 15 anos vejo-me prestes a ter a minha 1ª experiência sexual com uma miúda de 20 anos,

* Andava na minha turma, estávamos em casa dela aos beijos e ela com uma bela mini saia diz-me:* 

*-NÃO QUERES IR UM POUCO MAIS LONGE?... PODIAS METER A MÃO AQUI EM BAIXO???* 

*Fiquei apavorado e respondi:* 

*- F*D*S*... NÃO!!! TENS DENTES AÍ EM BAIXO!!* 

*- O QUÊ?? TÁS MALUCO? É CLARO QUE NÃO TENHO!!* 

*- TENS, TENS QUE A MINHA MÃE DISSE-ME...* 

*- NÃO TENHO NADA... ORA ENTÃO VÊ LÁ... diz-me ela depois de levantar a saia e tirar as cuecas e abrir um pouco as pernas.* 

*- DESCULPA LÁ MAS NÃO ME CONVENCES, A MINHA MÃE DISSE QUE TINHAM DENTES É  PORQUE TÊM...* 

*- Ela desesperada, tira a saia abre completamente as pernas e com as mãos  afasta um pouco os lábios e diz:* 

*- E AGORA JÁ ACREDITAS QUE NÃO TENHO DENTES AQUI??* 

*- BEM... AGORA ACREDITO... MAS VENDO AS GENGIVAS NESSE ESTADO, DEVE TER-TE CUSTADO MUITO A TIRAR OS DENTES...* 


BOA SEMANA!!!

34 comentários:

  1. lololol. Eu nunca teria tido namorada se a minha mãe me tivesse dito tal coisa em miúdo. A propósito. Tinha eu uns 4 anos quando a minha mãe me disse que o polícia me prenderia se eu não parasse de chorar. Resultado. Ainda hoje tremo de medo da polícia sempre que sou mandado parar numa operação stop. As mães deviam ter mais cuidado com aquilo que dizem às crianças. Pode ter sérias repercussões no futuro.
    Abraço e boa semana!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é o que se chama verdadeiramente um trauma de infância, Luciano :))

      Eliminar
  2. rrrsss rrsss

    Não se deveria dizer o que às vezes se diz às crianças: ainda hoje detesto quando me dizem que têm que falar comigo, mas não naquele momento.

    Isto porque quando eu fazia alguma coisa (principalmente fora de casa) que não agradava a minha mãe - e como eu não era o rapaz que ele tinha sonhado, a mais pequena coisa lhe desagradava - ameaçava:!Quando chegarmos a casa , a gente logo fala"...e era uma valente tarei sempre.

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sei o que é levar uma tareia, São.
      A minha mãe deu-me umas palmadas para sacudir o pó e passa o tempo a dizer que se arrepende disso.
      O meu pai deu-me, uma vez, umas palmadas no rabo, quando eu até merecia uma tareia, e adoeceu.

      Mas quando a minha mãe me chamava João Pedro isso significava que vinha algo de desagradável, tipo, hoje à noite não podes ver televisão.

      Boa semana!

      Eliminar
    2. ~ E eu que gosto de chamar-te assim!!:))
      ~ xx

      Eliminar
    3. Era certinho, Majo - quando a minha mãe me chamava João Pedro era sinal de tempestade :)))

      Eliminar
  3. Irra, traumático, Pedro !!! :DDDDD

    Aquele abraço e votos de boa semana para si e suas princesas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pobre criança que se tornou num adolescente complexado, Ricardo :)))
      Aquele abraço e votos de boa semana para si e família!!

      Eliminar
  4. Julgo que toda a gente teve episódios do tipo, baseados na máxima "de pequenino se torce o pepino", justificações "porque sim" e mentiras que foram desmontadas no devido tempo.
    Há uns anos ouvi a narrativa de uma médica de Coimbra sobre os tais dentinhos, repressores de ardores amorosos. Contava ela que uma senhora lhe aparecera na consulta referindo que o marido, sempre que queria consumar o ato, batia em retirada justificando-se com as tais “dentadas” na glande, tão reais que o homem já desconfiava dela. Submetida a torturadora a observação clínica, com a gruta perfeitamente escancarada de modo a que o bicho não tivesse a possibilidade de se esconder nalgum recanto, verificou-se que as queixas do pobre homem tinham razão de ser: os pontos de uma cirurgia recente não tinham sido absorvidos pelo organismo.
    Afinal, a mãe do Pedro queria transmitir-lhe, apenas, a ideia de que é preciso cautela na abordagem de certas "bocas". Podem ter dentes, naturais ou próteses.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha mãe nunca me disse coisas destas, Agostinho.
      Livra!!!

      Essa história que conta fez-me simultaneamente rir e ficar algo deprimido.
      Rir porque é realmente muito engraçada.
      Ficar deprimido porque me fez lembrar a minha tia Amélia, que partiu demasiado cedo, e que era um manancial de histórias destas.
      Ela que era enfermeira no Instituto Maternal e que foi das pessoas mais porreiras que conheci na vida.

      Eliminar
    2. Evidentemente. Queria eu dizer com "episódios do tipo" as artimanhas e histórias que nos eram contadas com o propósito de nos manterem nos carris.

      Eliminar
    3. E ficavam os putos perfeitamente estúpidos, Agostinho.
      Depois admiravam-se quando havia "acidentes"

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Esta anedota fez-me lembrar de um trauma de infância, quando minha saudosa mãe, feito ladainha, dizia: - "Se você não estudar vai puxar carroça quando crescer."
    Até hoje sinto calafrios quando vejo um carroceiro e imagino estar no lugar dele...
    De todo modo não sei de fato se sempre estudei por gozo ou foi por conta da inculcação...
    Caloroso abraço! Saudações aprendizes!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora fez-me rir, Amigo João Paulo de Oliveira :))
      Grande abraço!!

      Eliminar
  6. Que mãe danada!

    E viva a tia porreira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha tia era mesmo uma gaja do caraças, ematejoca!!
      Ainda hoje tenho saudades dela.
      Doente, em fase terminal, e ela sabia, fazia-nos rir à gargalhada com as piadas dela.

      Eliminar
  7. as mães deviam pensar duas vezes, antes de dizer coisas que provocam traumas às crianças.
    Boa semana, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As três perguntas que devemos fazer a nós próprios antes de dizer qualquer coisa, Carlos:
      - é mesmo necessário dizer isto?
      - é mesmo necessário dizer isto, agora?
      - é mesmo necessário dizer isto e tenho que ser eu a dizê-lo? :))
      Aquele abraço e votos de boa semana!

      Eliminar
  8. Não sei se hei-de rir da anedota se chorar com pena de tanta dor :):):)

    Aquele abraço e boa semana, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rir é mesmo o melhor remédio, António :))
      Aquele abraço e votos de boa semana!

      Eliminar
  9. Já pus a leitura em dia e soltei sonoras gargalhadas e outros fiquei mais ou menos porque falar de Cavaco é de pensar no pior e outras coisas tais.

    Nesta sorri porque de facto antigamente diziam-se às crianças coisas bem idiotas que nos metiam medo, embora os meus pais nunca o tenham feito mas ouvia os pais dos outros:):):) tal como o papão, o homem do saco e fomos do 8 ao 80...hoje eles sabem muito mais do que nós e já não vão em cantadas.

    Um abraço

    Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje já nascem mais espertas que nós, fatyly :)))
      Um abraço!

      Eliminar
  10. Os DEVANEIOS, não só a Ocidente, são, ó, se são, também a oriente.

    Boa semana, com beijinhos, mas cuidado com os "dentes"!

    ResponderEliminar
  11. NÃO PUBLIQUE, P FAVOR!

    Eu não sei se cheguei a concluir o comentário, pke o telemóvel tocou, e devo ter clicado, automaticamente, mas não nem me lembro do gesto.

    Bj.

    ResponderEliminar
  12. OMG! Assim se traumatiza um muxaxo forever and ever... :)))

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe se não se curou depois deste momento de dúvida, Teté :)))
      Beijocas

      Eliminar
  13. Pedro as minhas filhas têm 40 e 36 anos, o pai faleceu sem nunca lhes levantar a voz nem a mão, tal como eu até hoje, sempre tiveram muito amor e carinho, mas quando as chamávamos pelo dois nomes que têm, elas olhavam-se com aquele olhar como quem diz: vai sair sermão.

    Boa semana amigo

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pancada não resolve nada, Adélia.
      Só causa revolta.
      E o respeito não se conquista ao murro.
      Ainda hoje, e vou fazer 50 anos, o respeitinho pelos meus pais é muito.
      E, quando vem o João Pedro, eu sei que vem sermão e missa cantada! :))
      Beijinhos e votos de boa semana!

      Eliminar
  14. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Essa está boa, mas que gengivas rsrsrs.
    Sabia uma de uma avó sobre este tema rsrsr
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até arrepia, Amigo Cambeta.
      Livra!! :))
      Aquele abraço e votos de boa semana!

      Eliminar