25 de setembro de 2013

O uso e abuso do iPhone


Esqueçam o modelo, a cor, os adereços - o iPhone começa a ser uma praga irritante.
Não propriamente a criação dessa maçã que vai sendo, cada vez mais, símbolo de pecado.
Neste caso, um pecado que mora em todo o lado, não só, como no filme de Billy Wilder, ao lado.
O problema não está na criação, está na utilização que é feita dessa tecnologia.
Não consigo perceber o que é que explica esse comportamento tão bizarro de andar constantemente a olhar para o iPhone, a necessidade obsessiva de teclar a toda a hora e em todo o lugar, a compulsão irresistível de ir espreitar as mensagens mais recentes.
Ainda que nos momentos e nas circunstâncias mais despropositadas.
Torna-se difícil manter a compostura quando se quer, por exemplo, entrar ou sair de um elevador, em hora de ponta, mas alguém nos faz esperar porque está ocupado a teclar algo que tem que ser transmitido naquele preciso momento.
Estará em linha com o Pentágono??
É visceralmente repugnante ver pessoas interromper refeições para ler as últimas novidades.
No Facebook, por exemplo.
Estará Obama a validar com um "Gosto" uma mensagem que deixaram online?
É deprimente verificar que as conversas à mesa desapareceram.
Para dar lugar a um ritual quase tribal de constante teclado.
Enoja entrar numa qualquer casa de banho e ouvir alguém a teclar, ou a falar, enquanto vai satisfazendo prementes necessidades fisiológicas.
Será uma forma subtil de mandar alguém à merda?
Quando a Apple criou esta tecnologia pretendia com a mesma auxiliar as pessoas no seu dia a dia.
Dando continuidade à lenda de Adão e Eva, o ser humano pecou.
E transformou o que era uma tecnologia extraordinária num objecto crescentemente irritante.
Ninguém culpou a maçã.
Também não estou a culpar o iPhone.
Tão só o seu uso e abuso.

38 comentários:

  1. Totalmente de acordo Pedro seja para iphone, samsung, nokia etc... Chega a ser doentio ver casais a mesa de refeicao que nao trocam uma palavra, sempre agarrados aos seu aparelho.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Impressiona, Hugo.
      E irrita até à medula.
      Grande abraço!

      Eliminar
  2. O certo é que vivemos cada vez mais sós. Neste momento estou agarrado ao meu tablet Samsung a fazer este comentário mas, como vivo sozinho, acho que ninguém levará a mal! :-)
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elemento Musical,
      Há tempo para os prazeres solitários.
      Também uso o iPad para responder a mensagens, a comentários.
      Mas não ando a passear com ele na rua e a responder ao mesmo tempo.
      O ser humano evoluiu - já consegue andar e mascar chiclete ao mesmo tempo! :)
      Grande abraço!!

      Eliminar
  3. Caro amigo,
    100% de acordo. A tecnologia devia servir para nos ajudar, não para nos tornarmos escravos dela. Há pessoas que nem se apercebem do estado letárgico em que entraram... parece que estamos a caminhar para uma variante do mundo "The Matrix" em que as pessoas não vivem de facto; vivem numa realidade virtual.
    Gostei muito da analogia das maças (a do Paraíso e a do iPhone). Tivessem trocado as personagens e Adão não teria cometido o "pecado original"... estaria sossegadamente num cantinho a trocar pirotos com a Eva no Face! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo,
      É isso mesmo - dá ideia de viverem numa realidade virtual.
      E fez-me rir com esse comentário tão real.
      Estou a imaginar o Adão a teclar para a Eva :)))

      Eliminar
  4. Uma das cenas mais caricatas que vi , com novas tecnologias, foi num restaurante de Lamego: uma casal ainda jovem que em vez de estarem a conversar entre si, um tinha o computador em frente e o outro estava ao telemóvel!

    Acho que ainda chegaremos a tornar realidade, de certa maneira, aquela ficção científica que anunciava o domínio das máquinas sobre os seres humanos...

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começa a ser ridículo, São.
      Namorar com as novas tecnologias?
      Até dá vontade de rir.

      Eliminar
  5. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Os Iphones e os IPads, trnformaram a vida social das pessoas, aqui na Tailàndia se passa o mesmo.
    Em Macau, muitas vez vi casinhos sentados num banco de jardim, sem dizer palavra um o outro, ambos estão bricandos com seus telemoveis, talvez IPhones.
    Felizmente que eu nem telefone portátil uso rsrsrs.
    Abraco amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, às tantas, conheceram-se online, Amigo Cambeta.
      Eu tenho um iPhone.
      Mas uso aquilo precisamente como sempre usei um qualquer telemóvel
      Nunca esgotei o plano mensal.
      Que é o mais básico
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  6. É um brinquedo, muitas das vezes é apenas o facto de ter a possibilidade de estar conectado à internet e como tal ter acesso a consultar o facebook, que passou a ser um vício ao nível do tabaco ou de qualquer outra droga.
    Como em tudo na vida, a falta de moderação não é benéfica e tal como diz, em mesas de amigos, namorados, familiares… esse é normalmente o cenário…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sam Seaborn,
      É isso mesmo que diz - um vício
      E, como todos os vícios, perfeitamente estúpido

      Eliminar
  7. Acredito na saudade do mês de Agosto!

    E estou a seu lado no uso e abuso do iPfone,
    mas também sei que a tendência é levar tudo ao exagero!

    Só o passar dos anos nos vão dizer
    Que o mal dos extremos
    É muito grave!...

    O psiquico do ser humano
    não mudou!

    Abraço e obrigada,

    Mª. luísa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria Luisa,
      Não consigo compreender esta mania, quase doentia.
      Chega a ser realmente extremamente irritante.

      Eliminar
  8. Quase um imperativo da tecnologia, Pedro.
    Não tenho, não quero nem vou querer.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,
      Ter uma porcaria destas não obriga a utilizá-la o tempo TODO!
      Ainda agora, em hora de ponta, uma dondoca resolveu ficar à porta do elevador a jogar um jogo qualquer.
      Não dá vontade de lhe dar um tabefe?
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  9. Clap! Clap! Clap!
    Aplaudo de pé e com direito a um encore este post, Pedro. Partilho em absoluto da sua opinião e, pior ainda, estou pessimista quanto ao futuro, porque as pessoas estão a ficar infantilizadas por causa do uso excessivo das novas tecnologias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O exemplo dessa crescente infantilização é o que comento com o António, Carlos.
      Aconteceu mesmo agora.
      E um tipo começa o dia irritado.

      Eliminar
  10. http://www.youtube.com/watch?v=ynt5ePyK7EQ

    ResponderEliminar
  11. http://www.youtube.com/watch?v=ynt5ePyK7EQ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo Santos,
      Já está no meu Facebook.
      Cinco estrelas!! :))

      Eliminar
  12. Uma enorme falta de educação, amigo Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Graça.
      Remeto para o que comentei com o António.
      E volto a perguntar - não merecia um tabefe?

      Eliminar
  13. acho que culpa não é da maça mas, sim da Eva e do Adão - seres dotados de livre arbítrio mas, que nem sempre tomam as melhores decisões...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eva e Adão que, como bem comenta o carlos, estão cada vez mais infantis, Tétisq

      Eliminar
  14. Comportamentos exagerados que não conto ter apesar de reconhecer que nos dias de hoje já quase não sabemos viver sem esses "brinquedos". Bem eu ainda tenho um velhinho e ultrapassado telemóvel... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho o iPhone (foi-me oferecido) mas, em boa verdade, utilizo-o praticamente como um telemóvel, luisa
      Apenas isso.

      Eliminar
  15. Olhe Pedro, sou tão ignorante, mas tão ignorante, nessas denominações tecnológicas, que nem sei a diferença entre um IPhone e um telemóvel do género que o meu filho me ofereceu no Natal- e está quase sempre desligado- e tem acesso à Internet se estiver ligado o hotspot, ou lá o que é!!!
    Quem me tira o meu telélé Nokia, de há meia-dúzia de anos, tira-me tudo!:))

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O iPhone é um pequeno computador, mais que um telemóvel, Janita.
      Mas não obriga ninguém a utilizá-lo a toda a hora e a todo o instante.
      Beijinhos

      Eliminar
  16. oh! Ia jurar que publiquei ontem o meu comentário, mas se calhar não!
    Ora cá vai novamente!
    Escrevia eu ontem que contra mim falo. Ando quase sempre de tlm na mão, a ler blogs e notícias...é que nem é por causa do Facebook.

    A verdade é que acho (a maioria d´) as pessoas tão fútil, tão oca, tão pobre nas suas conversas e intervenções que prefiro vidrar-me no aparelhozinho onde leio coisas, opiniões, comentários com os quais me identifico.

    É estranho. Bem sei. Mas depois de tentarmos mais do que uma dúzia de vezes conduzir diálogos a coisas interessantes e verificarmos que os mesmos não passam do limiar das novelas (da vida alheia), decidimos "falar" (conectar) com quem fala a nossa língua. Et voilá, aqui estou! :P

    Abraço Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tinha recebido o comentário, Feliz.
      Mas gostei muito de o receber agora.
      Não me diga que também barra pessoas no elevador ("esperem um bocadinho") porque está a jogar um jogo?
      Quem faz isso não merece um pontapé?
      Abraço

      Eliminar
    2. Va! Nao, nada disso! Isso ja toca a falta de educacao, civismo...eu sei la!
      Outro exemplo, made in agora mesmo, uma vinda ao cabeleireiro! ... E aqui estou eu agarrada ao tlm...porque sera?!

      Abraco!

      Eliminar
  17. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Seu irretocável texto desvela, sem titubear, o constrangimento que passamos na contemporaneidade com esta fantástica tecnologia que, com o seu uso indiscriminado, tornou grande parte dos nossos semelhantes propensos a deixarem as pessoas do seu convívio social em segundo plano.
    Caloroso abraço! Saudações tecnológicas!

    PS - A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse-me que outro dia, quando estava a oferecer os disputadíssimos agrados da Agrado, conhecidíssimos até nos confins do Deserto de Gobbi, o cliente estava a ler mensagens no seu telefone portátil.
    Sabe o que ela fez quer saber mesmo?!...
    Ela deu uma ,leve mordida no...

    ResponderEliminar
  18. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Seu irretocável texto desvela, sem titubear, o constrangimento que passamos na contemporaneidade com esta fantástica tecnologia que, com o seu uso indiscriminado, tornou grande parte dos nossos semelhantes propensos a deixarem as pessoas do seu convívio social em segundo plano.
    Caloroso abraço! Saudações tecnológicas!

    PS - A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse-me que outro dia, quando estava a oferecer os disputadíssimos agrados da Agrado, conhecidíssimos até nos confins do Deserto de Gobbi, o cliente estava a ler mensagens no seu telefone portátil.
    Sabe o que ela fez quer saber mesmo?!...
    Ela deu uma ,leve mordida no...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma grande chapelada para a Agrado, Amigo João Paulo de Oliveira!

      Eliminar