27 de fevereiro de 2019

Decidimos não decidir


O processo do Brexit continua a arrastar-se sem fim à vista.
Os adiamentos sucedem-se e depois de uma hipótese de adiamento admitida pelos dois lados (2021?), Corbyn insiste na possibilidade de novo referendo.
Na arena política estes sinais exteriores nunca são obra do acaso.
Pelo contrário, costumam funcionar como um processo de auscultação informal das opiniões públicas.
Lança-se a notícia para o espaço público e espera-se pelo impacto.
Para depois se tomarem decisões em consonância.
Estamos longe do fim de um processo que se adivinha ser longo e moroso.
E que poderá conhecer uma viragem completa neste longo caminho que há para percorrer.
Por enquanto as duas partes do processo (Grã-Bretanha e União Europeia) decidiram não decidir.

30 comentários:

  1. Parece que ninguem se quer responsabilizar por uma decisao?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terão que a tomar, Sami, tarde ou cedo terão que a tomar.

      Eliminar
  2. Arrogância... prepotência... vergonha...
    DECIDAM-SE, CARAGO!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Em Politica haverá alguma decisão, por muito simples que seja, que não seja longa e morosa?
    .
    Deixando cumprimentos
    .
    ** Sonho em puras lágrimas de amor **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esta é das tais que demora uma eternidade, Gil António

      Eliminar
  4. Andam, andam e lá têm que fazer mais um referendo e entretanto já deram cabo de uma parte da economia, aproveito para desejar a continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  5. O problema do Brexit vai ser decidido quando o governo português decidir o problema dos professores e dos enfermeiros, vão marcar para a mesma data!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. O Brexit foi o resultado de, no Reino Unido, também haver os esquecidos da democracia e os saudosos do mito das ilhas seguras!
    Esquecidos da democracia há em toda a Europa e depois a cada um o seu mito!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas há mitos que são muito complicados e ficam muito caros, Rosa dos Ventos.
      Abraço

      Eliminar
  7. Uma novela sem fim à vista!

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  8. Estamos na presença do chamado 'NIM'. E assim, o processo se vai arrastando penosamente, sem fim credível à vista.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Na religião não estamos de acordo, mas estamos de acordo na política. Portanto, continuamos amigos, não é verdade, Pedro?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre, Teresa.
      Estar sempre de acordo não é natural.
      Os amigos discordam.

      Eliminar
  10. olá Pedro, pelo que a historia nos conta, os nossos antigos e maiores aliados sempre foram muito talentosos nas decisões que não ocasionam perdas, então pela lógica, se não decidem seria porque não ganham nada com isso ?! será que a coisa mudou ?:)

    ResponderEliminar
  11. Costuma-se dizer quanto mais se mexe na...Mais mal cheira. De nada servirão, nem ninguém será beneficiado pelos mexericos se tudo como estava, não ficar na mesma?

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro Coimbra.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas o cheiro já é nauseabundo, amigo Eduardo.
      E ameaça piorar.
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. Difícil decisão a de nada decidir!
    Enquanto isso a sra. May lá vai ficando.

    ResponderEliminar
  13. Bem visto, Pedro. Atirar-se com uma estória para os media e tira-se a temperatura ao pagode.
    A coisa há-de ter um fim, mas, primeiro, o carrocel dará muitas voltas a Greenwich.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É clássico, Agostinho.
      Está nos manuais e nos manuéis :))

      Eliminar
  14. Descobriram agora que vão perder muitas benesses por não estarem ligados à União Europeia. Enganaram bem enganados quem votou neles !

    ResponderEliminar