29 de outubro de 2019

Menino das sete saias


Chama-se Rafael Esteves Martins e é por estes dias a grande figura mediática em Portugal.
Porque entrou de saias na Assembleia da República.
E o debate (???) é intenso.
Nas redes sociais, nos jornais, nas conversas de café, fala-se no menino das sete saias, a versão masculina da balada que os Trovante tornaram famosa.
O que é curioso é que, no meio das vozes de indignação (onde já se viu um homem de saias??!! E no Parlamento!!!), e de apoio (são sinais dos tempos, é o Portugal moderno e inclusivo), poucos são os que se interrogam acerca do óbvio – assessor de uma deputada? Os deputados têm assessores? Todos os deputados? E não há assessores da Assembleia da República? Quantos?
A indumentária do ilustre, por muito que possa não ser compatível com o meu gosto pessoal, não é o essencial nem o mais ofensivo.
O possível desperdício de dinheiro público isso sim é bem mais importante que as saias do assessor.

52 comentários:

  1. Um menino de sete saias (que título lindo) incomoda muita gente, a mim não me incomoda absolutamente nada. O que me incomoda são coisas importantes para o bem-estar dos cidadãos portugueses‼

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Teresa.
      Quero lá saber das saias!
      Assessores de deputados?
      Mais assessores da Assembleia?
      Quem é que paga este exército?
      Pois...

      Eliminar
    2. Subscrevo, tanto o seu texto como a opinião da Teresa, é um não assunto, tal como já o tinha sido antes a cadeira do outro senhor... "o que me incomoda são coisas importantes"

      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Li sobre este acontecimento aqui.
    Um homem de saia? Até gosto de ver. :) Se for de kilt ainda gosto mais.

    Tive muitas saias kilt. Eram lindas!

    :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é bem um kilt, Catarina.
      É mesmo uma saia.
      Mas não é isso o que mais me preocupa.
      O que me preocupa é o exército de assessores.

      Eliminar
  3. étonnamment le garçon, restait toujours édifiant même si cela lui était arrivé

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comme ça il y a reussit a avoir ces cinq minutes, n'est çe pas?

      Eliminar
  4. Bom dia
    Acho que ele foi assim vestido para dar nas vistas e se tornar uma figura mediática na comunicação social .
    Enfim ! pobreza politica !!

    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se era esse o objectivo temos que reconhecer que foi plenamente alcançado, Joaquim Rosario.

      Eliminar
    2. Concordo absolutamente com o Joaquim Rosário. Um partido com apenas 1% tem de dar nas vistas a todo o custo ‼‼

      Eliminar
  5. Bom, a mim não serviria de conversa, se outros não a puxassem à lide. Cada um vai como quer e gosto um bocadinho da diferença. Diverte-me a coragem de, pronto. Quanto a ser assessor, por muito que admire a lady gaga, espero, sinceramente, que seja ele a falar. É que a senhora, com todo o respeito que me merece, é muito lady e muito gaga. E ser gaga, neste caso, prejudica. Ah e Demóstenes, e a inclusão e tal. Pois é, mas num discurso ou numa peleja com outros deputados - para que a julgo competente - a gente perde-se, eles perdem-se, perde-se o efeito de espadachim das palavras. Além disso, Demóstenes, diz-se, dominou a gaguez com a história das pedras (também não sei que gaguez era aquela que passava à pedrada, parece-me ainda caminho mais difícil, mas parece que resultou).
    Ora aqui está , achei curioso um assessor tão original e que carrega a malinha da sua dama.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há um outro conhecido político que tinha um assessor para lhe carregar os charutos, bea.
      Na prática pouco mais fazia que isso.
      E é isso que me aflige, os sorvedouros de dinheiro público.
      Muito mais que as sete saias.

      Eliminar
    2. A gente paga tudo, Pedro. Este povo não chia ou pouco chia. E paga sempre, que é sobretudo para isso que serve. Não com orgulho, mas pertenço a esse grupo de pagadores de tudo. E muito do que pagamos não o sabemos. Como essa dos assessores que para mim é novidade. Assessor para carregar os charutos...

      Eliminar
  6. Estou como o Pedro. A mim não me afeta nada que fosse de saias. O que realmente aflige é a quantidades de secretários, assessores e motoristas que governo e deputados têm.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Elvira.
      Saias ou calções, que se lixe.
      O que é que está ali a fazer, a troco de quanto e quem paga.
      Abraço

      Eliminar
  7. Estou como a Elvira não me afecta nada as saias do rapaz o que me afecta é a quantidade de secretários/as e assessores e nos a pagar, aproveito para desejar uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembra um boneco do Jô Soares - “estão mexendo no meu bolso”

      Eliminar
  8. Não me incomodou nada e é um "não assunto". O que me preocupa resume-se nestas tuas palavras:
    "O possível desperdício de dinheiro público isso sim é bem mais importante que as saias do assessor.".

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falar do acessório do assessor.
      E deixar de lado o essencial.
      Beijocas

      Eliminar
  9. Fala-se do acessório, mas o essencial fica por dizer.
    O esbanjamento dos que não usam saias é chocante.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  10. Ora aí está uma grande verdade...o desperdício do dinheiro público. Mas pelos vistos ninguém se incomoda com isso...

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há mais preocupação com a saia.
      Dizia uma amiga que a incomodava era uma saia com aquela cor nada a a combinar com as meias e os sapatos :))

      Eliminar
  11. Sou a favor da cláusula dos 5% como aqui na Alemanha, assim evitavasse gastar dinheiro com pequenos partidos políticos que não fazem falta nenhuma‼‼

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São pagos em função dos votos, Teresa.
      Sendo que, se bem me lembro, os Verdes nunca foram a votos em Portugal.

      Eliminar
  12. O desperdício do dinheiro público, em certos casos um termo demasiado forte, tem sido uma constante. Talvez de nos últimos tempos - leia-se mandatos - tenha crescido. Não me importo que a despesa seja feita se daí resultar uma melhor governação.
    A propósito de saias, aquelas do Rafael, acho despropositado e, em certa medida, falta de respeito.
    Com toda a franqueza, Pedro, considero igualmente descabidos o "possível desperdício de dinheiro público" e as saias do rapaz.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António - a indumentária é completamente estranha ao protocolo, à decência naquele local.
      Mas, se não há indicações acerca de como as pessoas se devem apresentar, corres-se este risco.
      Fazer disso caso nacional é que já me parece demasiado.
      Que tal aprovar um dress code?
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Pedro, na minha opinião, o melhor é não lhes dar importância, isto é, a importância que não têm e nem deveriam ter, muito menos, por questões de indumentária.

    Aquele abraço para si e um beijinho para as suas princesas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falar da indumentária e não perguntar o que é que ele está ali a fazer é que me encanita, Ricardo.
      Aquele abraço para si e as suas mais que tudo

      Eliminar
  14. Bom dia. Existe com cada maluco que enfim...
    Gostos não se discutem mas existem gostos que ... valo-me

    Grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso só se evita se for aprovado um dress code, Ricardo Valério.
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Imagine Pedro se eles se lembram importar para a Assembleia da República o glamour da Victoria's Secret! então é que Portugal passa a ser notícia a sério! que o diabo seja cego surdo e mudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode acontecer, Angela, na teoria pode acontecer.
      Sem normas muito concretas, porque não?

      Eliminar
  16. Ousou ser diferente ahah beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  17. O menino das sete saias,
    vai acompanhar a menina
    tem lá cuidado não caias
    também não sejas traquina!

    Na casa da democracia,
    o que mais irá acontecer
    numa desorganizada sinfonia
    muito bailado lá irá haver?

    Tenha um bom dia de Terça-feira caro amigo Pedro. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um bailinho que não é da Madeira, amigo Eduardo
      Aquele abraço

      Eliminar
  18. Este pais adora comentar o acessório, esquecendo o essencial.

    ResponderEliminar
  19. As coisas estão a mudar :))

    Hoje, do Gil António :-O amor e a sua ausência

    Bjos
    Votos de uma óptima Noite.

    ResponderEliminar
  20. Se o «Livre» queria ser badalado na hora da entrada triunfal na AR, conseguiu. Já li tanto sobre este facto insólito - ou não - que acho que o melhor é nem ligar.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/os-assessores-dos-partidos-que-o-parlamento-paga

    Discordo desta situação, mas está prevista na lei.

    O Rafael Esteves Martins não tem sequer assento na Ar, e mesmo que tivesse, o importante seria a honestidade, ética das suas palavras e atos. Ao invés disso, temos gente enfiada em fatos irrepreensíveis, pendurados em gravatas e alguma digna de pouco crédito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais importante é realmente o que a sábado publica, isso sim é essencial.

      Eliminar
  22. Claramente foi para ser falado e marcar a agenda. O Livre precisa de mediatismo e consegui-o. Fait divers :(

    ResponderEliminar