6 de julho de 2017

Jean-Claude Juncker falou curto e grosso


Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, classificou o Parlamento Europeu como “ridículo”.
Este comentário, e a revolta do presidente da Comissão Europeia, merecerão por certo a concordância de muita gente, do mais anónimo ao mais mediático cidadão europeu.
Em causa o facto de Jean-Claude Juncker ser confrontado com um número irrisório de deputados (30 num universo de 751) numa sessão plenária destinada a conhecer e avaliar o resultado dos seis meses de presidência maltesa do Conselho Europeu.
Um órgão tantas vezes criticado, e por tão diferentes razões (distanciamento entre eleitos e eleitores, mordomias que são atribuídas aos parlamentares sem qualquer controlo por parte do cidadão contribuinte, total desresponsabilização dos eleitos,…), que procura a todo o custo maior legitimidade e importância, não pode dar de si próprio esta imagem de laxismo absolutamente inadmissível.
Para além de laxismo, de enorme desrespeito perante países de menor dimensão face aos habituais big five como são comummente conhecidos.
Jean-Claude Juncker soube chamar este facto à colação afirmando, muito justamente diga-se de passagem, que se fossem Merkel ou Macron a estar ali presentes muitos mais parlamentares se apresentariam numa sessão plenária, que de plenária só teve mesmo o qualificativo.
António Tajani, presidente do Parlamento Europeu, mostrou-se indignado com as declarações do presidente da Comissão Europeia e não se coibiu de o repreender publicamente.
Melhor teria ido se repreendesse publicamente as centenas de deputados que pura e simplesmente ignoraram os seus deveres, a mais básica educação e cortesia.
Porque enquanto a indignação for dirigida a quem fala curto e grosso, e diz as verdades, por mais dolorosas que sejam, o Parlamento Europeu não descolará da imagem de organização pesada, burocrática, ineficaz, cara, muito cara!, e sim, como bem afirmou Jean-Claude Juncker, ridícula.

32 comentários:

  1. Subscrevo inteiramente e fico por aqui porque muito mais havia a dizer quer do europeu quer o entre portas.

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma pouca vergonha, Fatyly.
      30 deputados entre 171???
      Onde é que andavam os outros??
      Beijocas

      Eliminar
  2. Também penso assim. Mas ontem ouvi que o próprio parlamento agenda outras reuniões para os mesmos dias e que os deputados não podem estar em dois lados ao mesmo tempo. Fiquei sem saber que pensar.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Parlamento tem fama de ser uma balda.
      E não é com acontecimentos destes que afasta essa (má) fama, Elvira Carvalho.
      Uma vergonha!
      Abraço

      Eliminar
  3. O Junker simplesmente disse o que toda a Europa já pensa há muito! Aquilo é só mais um ponto de clientelismo, mais uns tachos para uns quantos. É uma instituição que, a continuar como está, mais valia a pena não existir...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A única instituição eleita da União Europeia e tem um comportamento destes e uma imagem destas, Cláudio Gil.
      Depois ainda se admiram com o Brexit e outros exit que por aí venham.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Mas que diferença entre este Senhor e o o seu antecessor.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Parlamento e a Comissão sempre andaram um bocado às turras, Francisco.
      Mas desta vez os parlamentares foram mesmo longe demais.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Falar curto e grosso, dizer umas verdades é bom quando não há rabos de palha. Cuidado!
    :=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se é o caso com Juncker, ou não, AvoGi.
      Mas lá que ele levantou a voz, lá isso levantou.
      Bjs

      Eliminar
  6. Porém, muita gente -mesmo aqui em Portugal - o criticou defendendo que as ausências se deviam a estarem em outros trabalhos...

    Mesmo que seja verdade, melhor então será reorganizarem as agendas para que estas situações absurdas não aconteçam....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se isso for verdade então é o forrobodó completo, São.

      Eliminar
  7. Desta vez estou incondicionalmente ao lado de Juncker. Tem razão no que disse.
    A António Tajani, apetece-me mandá-lo à ... pois, ali, à m***@.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tajani em vez de puxar as orelhas aos colegas de Parlamento foi ralhar com quem tinha razão para estar ofendido, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. O António Tajani foi uma péssima escolha.

      Eliminar
  8. No Parlamento Alemão acontece o mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E em Macau, com muito boa gente, também, Teresa.
      Quando deviam dar o exemplo fazem o contrário, dão o exemplo do que não se deve fazer.

      Eliminar
  9. Tajani é um cretino, Pedro, basta atentar ao seu percurso na cena política italiana.

    Juncker - de quem não sou propriamente um fã - esteve muito bem e, deixe-me que lhe diga, disse o que todos os europeus pensam sobre os "Euro-deputados", isto é, que são uns crápulas e um enorme sorvedouro de dinheiro público.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é curioso é que os parlamentares europeus andam há anos a tentar dar de si próprios uma imagem oposta, Ricardo.
      Até por serem os únicos directamente eleitos pela população.
      Com atitudes destas, e exemplos destes, não vão longe nos seus intentos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. E as desculpas dos faltosos portugueses (todos menos um) também foram ridículas.
    Bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desresponsabilização total, Jaime Portela.
      É muito triste que assim seja.
      Aquele abraço, bom resto de semana

      Eliminar
  11. Concordo plenamente com o Sr Juncker! Falta de respeito por parte dos deputados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falta de respeito, falta de educação, falta de tudo, Sami.
      Vergonhoso!

      Eliminar
    2. eu cá admirei as justificações do "deputedo" nacional, eles e elas (e os que dão prós dois lados) com uma conversa pífia de que "estavam a trabalhar" a "preparar documentos" e outras "galgas" á maneira. O cheiro a catinga e suor transpirava nos ecrans da televisão. É de urinar a rir!

      Eliminar
    3. Essas justificações(???) ainda são mais ridículas que as ausências do plenário, alvaro guerreiro.

      Eliminar
  12. Tenho que dar os parabéns ao Sr, Juncker, De facto
    foi ridículo!!! Foi um desrespeito perante um dos
    membros e foi mais uma(?) prova de que os deputados
    só pensam em si próprios.Uma vergonha!!!
    Abraço amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma (falta) de vergonha, Irene Alves.
      Um abraço

      Eliminar
  13. Chamar os bois pelos nomes. Nem mais.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um puxão de orelhas mais que merecido, AC.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Só não me pareceu bem porque quem o estava a ouvir eram os que lá estavam, os presentes e não os ausentes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi bem audível, Gábi.
      Olhe para nós aqui a comentar.

      Eliminar
  15. Até eu fiquei revoltado ! :(((
    Estou completamente de acordo com a revolta de Juncker e com o seu texto, Pedro !!!

    Abraço e Boas férias.

    ResponderEliminar