7 de setembro de 2016

Uns a começar mal, outros já apurados


Portugal entrou ontem em campo para começar a difícil tarefa de conseguir o apuramento para o Mundial de Futebol a realizar em 2018 na Rússia.
Com as faixas de campeão europeu bem fresquinhas na memória, e ainda na ressaca dos festejos dessa epopeia, os portugueses  sentiram ontem um forte odor a realidade.
O título europeu é inegável.
Mas, e o bom senso obriga a que se reconheça isso, foi o resultado de um conjunto de circunstâncias que dificilmente se repetirá.
E até se torna um peso complicado de suportar quando é sinónimo de exigência de vitória para os jogadores portugueses.
Jogando contra uma equipa que continua a ter um balanço bastante favorável nos jogos com Portugal, o seleccionado português esteve muito longe do que se esperaria de um campeão europeu.
Privado da sua grande referência, do elemento que faz a diferença, Cristiano Ronaldo obviamente, o seleccionado português parece ter também sentido muito a falta da raça de Renato Sanches e da clarividência de João Mário, deixado no banco provavelmente por estar ainda à procura da melhor forma e de algum sossego após o complicado processo da sua transferência para o Inter de Milão.
E acabou justamente derrotado por uma Suíça bem mais pragmática e eficaz.
Não se passou de uma equipa brilhante (nunca o foi) para uma equipa vulgar (também não o é).
Que este banho de realidade funcione como despertador para os jogos que se seguem é o que se deseja.


Desilusão na equipa principal, festa anunciada na equipa de sub-21, apurada para o Europeu da categoria quando ainda lhe faltam dois jogos para concluir o grupo.
Uma equipa que, ao contrário da equipa principal, não depende de uma grande vedeta, que tem muitas soluções, quer no banco quer no campo de recrutamento.
Não se prevê que esteja a ser formado nesta equipa de sub-21 um novo Bola de Ouro nem nada parecido.
Mas a bitola, em todos os jogadores, nos que mais jogam, nos que estão à espera de uma oportunidade, nos que já transitaram para a equipa principal, é bastante alta e bastante homogénea.
Com um excelente treinador (o trabalho de Rui Jorge tem sido pouco valorizado), com excelentes executantes, o futuro poderá ser risonho.
A dúvida é sempre a mesma - a transição para as equipas principais e as oportunidades que serão dadas a estes miúdos.
Para já, e pelo que se vai vendo, pouco se aprendeu com os erros do passado.
Mas (a esperança é mesmo a última a morrer) ainda se vai a tempo de emendar a mão.
Se acredito nisso?
Muito pouco, confesso.

34 comentários:

  1. e no final das contas, tenho que admitir... sou apaixonada por futebol!

    ResponderEliminar
  2. Pode ser que este resultado tenha espevitado os campeões europeus para outros voos mais altos e de mais qualidade.
    E não foi só Portugal que teve sorte em ser campeão estou-me a lembrar assim por alto da Dinamarca e da Grécia.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, Francisco.
      Em todos esses casos o campeão conseguiu o título graças a um conjunto de circunstâncias que dificilmente se repetirão.
      Parece que temos esta sina de começar mal as fases de qualificação.
      Se for para acabar bem...
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Vai ser de certeza para acabar bem meu amigo, pensamentos positivos.
      Um abraço.

      Eliminar
    3. Seria uma grande desilusão ver a Selecção fora do Mundial, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Pedro, se me permite, vou reproduzir o que escrevi após o jogo...
    Três evidências sobre o jogo desta noite:

    1- Portugal foi campeão da Europa sem saber como.

    2 - Éder, independentemente do golo marcado nessa final, só estorva os companheiros.

    3 - Esta selecção sem Cristiano Ronaldo é pouco mais que banal.

    Ah, se acredito que Portugal vai ficar em 1º do grupo ? Claro que não, acho que é evidente que Fernando Santos - apesar de ter ganho o Euro 2016 - arrisca pouco nos jovens, adora "vacas sagradas" (veja-se os casos de Moutinho, William Carvalho e do herói improvável Éder).

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tinha lido, Ricardo.
      Não somos uma equipa fantástica como se quis fazer crer, também não somos uma equipa banal.
      Somos bonzinhos, ficamos melhores com o CR7 em campo (qual é a equipa que não sente falta dele??).
      Mas acredito mais no primeiro lugar do grupo que na aposta em jovens daquelas fornadas que estão a ser formadas nos clubes e nas selecções.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Que não morra esperança de um bom desempenho...
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só agora começou uma corrida meio-fundo, Majo.
      Ainda haverá muitas peripécias até ao apuramento.
      E este banho de realidade e humildade até se pode revelar retemperador.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Não estava á espera que começasse de outra forma, sinceramente. Os últimos anos têm sido sempre assim, sofrimento até ao final.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade insere-se no que tem sido padrão nas qualificações, não é, Chic'Ana.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Se a selecção portuguesa, a campeã da Europa, não ficar apurada para o Mundial, não será a primeira vez que uma equipa campeã da Europa não chega ao Mundial seguinte. Que o diga a Dinamarca, por exemplo!
    De qualquer maneira não deixa de ser uma vergonha para a nossa Selecção.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não seria realmente a primeira vez que tal aconteceria.
      Mas esperemos que não aconteça, Alquimista.
      Um abraço

      Eliminar
  7. Vi parte do jogo. “Não ficou nada bem”, os campeões terem perdido. Concordo com o Ricardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perder é sempre possível, Catarina.
      Jogar tão pouco é que já não é nada normal.

      Eliminar
  8. Este resultado, além de merecido foi bom para a selecção. Para 'regressarem à Terra' e esquerem depressa as faixas de campeões.

    Continuo a não ser adepto de Fernando Santos. Não é ele que marca ou sofre golos mas é pela mão dele que isto acontece.
    Só um exemplo: o que estava a fazer William Carvalho quando o jogador helvético correu para a baliza e fez golo? Ora, quem escalou William para o jogo foi o senhor Santos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A equipa sentiu a falta do Ronaldo, António.
      Mas também, quem diria!!, do menino Renato Sanches.
      William Carvalho, naquela posição, nunca foi a minha escolha.
      Mas, se eu revelar a minha escolha, é provável que digam que é por ser do Porto.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Esqueci-me de parabenizar os sub 21 e Rui Jorge que tem feito um trabalho meritório.

      A escolha? Danilo, certo?

      Eliminar
    3. Danilo, obviamente, a melhor aquisição, e das menos dispendiosas, que o Porto Fez nos últimos anos.

      Os putos, só tenho receio que, quando chegar o momento de dar o salto, como tantos outros, sejam deixados na sombra de gente com pouca qualidade.
      Voltando ao meu Porto, olhe o caso do Paciência, António.
      O puto não merece uma oportunidade??

      Eliminar
  9. Fizeram-os comendadores! E agora estão á espera de quê?
    Se fosse ao Marcelo Gramofone, "descomendava-os" já. Poderiam arrepiar caminho,
    Esta faz-me lembrar a do touro cobridor das vacas de Avis que foi nacionalizado no pós 25A e que passou a funcionário públco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. álvaro silva,
      Isto parece ser o nosso fado - andar a fazer contas até ao fim.
      Perder é um dos três resultados possíveis.
      Mas que seja a jogar um bocadinho mais e melhor.

      Eliminar
  10. Não vi o jogo nem me lembrei disso.
    Acho que temos um pouco a mania que somos grandes, temos muitas falhas na defesa, sofremos sempre até à última, temos de começar a aprender a corrigir alguns erros do passado.
    Somos campeões da Europa
    Com CR, ou não, a equipa e Fernando Santos têm de apostar no apuramento, têm que jogar.
    Isto digo eu, que pouco entendo de futebol, mas gosto.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A equipa, sem o CR7, é apenas mediana, cantinhodacasa.
      Temos que enfrentar essa realidade.
      Mas, apesar de mais um tropeção, acredito no apuramento da Selecção.
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Não ligo a futebol :(

    Deixo o meu beijinho.

    ResponderEliminar
  12. Mais uma competição internacional sem perdermos o hábito de "coração nas mãos" até ao último minuto do último jogo ! :(
    Quer-me parecer que é um "masoquismo" muito próprio dos portugueses !
    Vai-se deixando correr até se sentir a necessidade absoluta da vitória absolutamente necessária no último jogo ! :((
    Seria muito mais agradável arrumar logo "as coisas" de início , mas parece que eles não estão para aí virados ! :(

    Abraço, Pedro ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se for começar mal para acabar bem até nem me chateio muito, Rui.
      Sejamos sinceros - sem o CR7 a equipa não passa da mediania.
      O que aconteceu em Paris foi uma excepção e foi a consequência de ter que ser a França a fazer as despesas do jogo.
      Se somos nós, e sem o CR7, a coisa complica-se muito.
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Eu acho que Portugal ganhou à Suíça por uma bola a zero,estarei enganada?????? Eu também nunca acreditei que fôssemos campeões europeus e a grande verdade é que o fomos com muita dedicação!! Portanto,viva Portugal e vivam todos os portugueses!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portugal (A) perdeu com a Suiça por 2-0, Monica Almeida.
      Os sub-21 é que ganharam 1-0 à Grécia e já estão apurados para o Europeu da categoria.

      Eliminar
    2. Ah,ok ok,ok!! Vê-se mesmo que eu não presto atenção nenhuma ao futebol,obrigada pelos esclarecimentos,passa pelo meu blogue para verificares que o meu verdadeiro nome é Sandra!!

      Eliminar
  14. Quem sabe se os nossos rapazes têm medo do Putin e preferem ficar por terra em vez de se deslocaram à Rússia ⚽

    Calma, Pedro, a bola é redonda ⚽

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Teresa - a procissão ainda não saiu do adro.

      Eliminar