13 de setembro de 2016

Matar barata com canhão


Matar barata com canhão é uma expressão muito comum na língua brasileira, empregue para caracterizar situações de manifesto exagero, de clara desproporcionalidade.
Não sei se Catarina Martins estará familiarizada com esta expressão.
Estando ou não, a reacção que teve face à tragédia que vitimou dois elementos dos Comandos constitui o exemplo perfeito da ideia que se pretende transmitir com a expressão matar barata com canhão.
Extinguir o batalhão de Comandos é uma proposta disparatada, exagerada, popularucha, que revela um total desconhecimento da tarefa que esta força desempenha e da própria estratégia de Defesa no seu todo.
Todos mais ou menos sabemos que os treinos dos Comandos são muito exigentes, muitas vezes provavelmente até a ultrapassarem o necessário (quem nunca ouviu falar do chamado "salto para o desconhecido", dos treinos com fogo real??).
E é nestes treinos que devem ser feitas alterações, que deve ser exigida moderação, ponderação, razoabilidade.
Extinguir os Comandos é apenas mais um slogan descabido, hipoteticamente revolucionário, ignorante de tempos idos e do tempo presente, ignorante do contributo fundamental dos Comandos nesse tempo passado e no tempo presente.
Grande tiro no pé deu Catarina Martins com esta declaração absolutamente despropositada!

36 comentários:

  1. Sim,meu nome é Sandra,desta vez não te enganaste!! Sim,é bom ser acarinhado pelas pessoas que nos são queridas,eu sempre tive o amor de todos os meus familiares,sempre adorei a minha família,obrigada pela visita e comentário lá no meu blogue,hoje estamos de chuva aqui na minha zona,espero que dê para apagar o pó que anda aqui pelo ar!! Já estávamos a precisar de um pouco de chuva por aqui,fica bem e feliz terça-feira!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui há tufão a caminho, Sandra.
      Fim-de-semana, prolongado!!, estragado :(

      Eliminar
    2. O que é um tufão?????? Tem alguma coisa a ver com o vento forte??????

      Eliminar
    3. Ventos fortes (dependendo da intensidade vão aumentando os sinais), chuvas muito fortes também.
      Não é terrível, não é nada agradável.

      Eliminar
    4. Lamento imenso que por aí,o tempo esteja assim tão mau!! Por aqui,é apenas chuva fraca e alguma trovoada!! Por um lado,é bom chover aqui,mas,pelo outro,não posso dar o meu passeio de hoje pela minha aldeia!! Enfim,é assim a vida,uns dias mais feliz,outros dias mais triste!!

      Eliminar
    5. Só a partir de amanhã, Sandra.
      Por enquanto está sol, está calor, algo abafado até.
      A partir desta noite, sobretudo do dia de amanhã é que as coisas pioram.
      Não há problema de maior.
      Só o fim-de-semana estragado.

      Eliminar
    6. Ok,ok,entendo perfeitamente!! Hoje é terça-feira,amanhã é quarta-feira,o fim-de-semana só chega ao sábado!! Por aqui,espero que não chova no domingo,pois,eu e o meu grande amor temos uma excursão planeada e,se chover,vai ser desmarcada!!

      Eliminar
    7. Fico a fazer figas para que não chova por aí, então.

      Eliminar
  2. Catarina não foi à tropa e vai desfolhando o malmequer.
    Abraco.e

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há exageros nos treinos dos Comandos, de todas as tropas especiais?
      É isso que se ouve frequentemente.
      Vai-se acabar com esses ramos das Forças Armadas?
      Que disparate!
      É necessário repensar os treinos, isso sim.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Estou completamente de acordo acho que a Catarina Martins matou barata com tiro de canhão.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E vamos ver se não atingida pelos fragmentos de bala, Francisco...
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Extinguir os comandos, nunca, não constitui de facto uma opção... Já existiram mais mortes, então há uns anos, quando os treinos eram ainda mais duros.. só não existiu tanta projeção a nívle noticiosa..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é necessário é rever algumas práticas de treino, alguns exercícios, que não fazem sentido nenhum.
      Catarina Martins é hipócrita.
      Não me vai agora querer convencer que só depois destas mortes trágicas é que soube dos exageros que existem nos treinos dos Comandos, não é?
      Beijinhos

      Eliminar
  5. CONCORDO EM ABSOLUTO.

    «AUDACES FORTUNA JUVAT»!

    O que não quer dizer que me horrorizei com a notícia
    e que é preciso rever, quer a admissão de candidatos,
    quer o acompanhamento dos treinos.

    Beijinhos, Pedro.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu concordo em absoluto com o comentário da Majo.
      Não se tire partido de uma tragédia para tentar ganhar uns votos, caramba.
      Seja qual for o partido que o faça.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Ou Catarina está à beira de ensandecer ou, o que não é de desprezar, quer apresentar serviço sem a mínima noção do que diz.
    Por este andar, Catarina acabará por propôr a extinção dos fuzileiros e sabe-se lá mais o quê.

    Temos que reconhecer ser forte a possibilidade de haver um erro na forma como se processam os treinos mas, se assim for, o melhor é rever a situação.
    Só por curiosidade, gostaria de saber a opinião sobre algumas praxes. É que também nelas se morre.

    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,
      As práticas que implicam violência, actos de humilhação, degradantes, para os caloiros, não são praxe.
      São pura estupidez e violência gratuita de mentes mal formadas.
      Sabe o que é praxe?
      O que fizeram aos caloiros na Católica - foram apanhar batatas.
      Tem piada, é socialmente útil, permite aos caloiros socializarem e integrarem o ambiente da Universidade.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Pedro, hoje abstenho-me de comentar para não ser ofensivo e vernáculo para com os outros amigos comentadores e com o meu amigo...fiz-me entender?

    Aquele abraço, caro amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeitamente, Ricardo, perfeitamente.
      Sem comentar, o Ricardo foi eloquente.
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Respostas
    1. A Catarina Martins, quando lhe dão estes acessos de revolucionária, diz cada disparate que, não sei como, ainda nos surpreende, papoila.
      Bjs

      Eliminar
  9. Já me coloquei de pé, já fiz uma vénia e até continência à Sra. Catarina, Dra. ministra, de profissão, atriz. O Bloco de Esterco, como alguns lhe chamam, inteligentemente, ha de dar mais tiros nos pés.
    Depois das eleições autárquicas, a gente conversa. Portugal parece, eu escrevi parece, k está sob sedação, k o PR vai alimentando reforçando com pequeninas doses, de vez em qdo.

    Como em tudo na vida, é necessário ter nexo, fazer ajustes, preparação e formação adequada. Sempre ouvi falar dos Comandos da Amadora, como sendo, "bala pra canhão", mas ficamos calados, até surgir uma desgraça irremediável. É sempre assim.

    Beijinhos, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CÉU,
      Os Comandos são preparados (acho que todas as tropas especiais...) para estarem prontos para tudo e responder a tudo.
      Acredito que haja exageros nessa preparação, como sempre terá havido, como era voz corrente que havia e até com exemplos como os que refiro.
      É razão para acabar com esse ramo das Forças Armadas, essencial na política de Defesa?
      Que disparate!
      Beijinhos

      Eliminar
  10. O pior nalguns políticos é pronunciarem-se sobre tudo,
    em cima do momento, sem tempo para pensarem.
    Também concordo que deu um tiro nos pés.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  11. Bom,a ideia não é assim tão descabida,até porque os Comandos estiveram desativados durante cerca de uma década. E não tenhamos ilusões, em caso de guerra no país, não adiantavam muito. No entanto, considero que o país só tem a ganhar com uma tropa especialmente treinada, como é o caso dos comandos - que é constituída por voluntários, condição sine qua non deixava de fazer sentido - para ações pontuais no terreno ou até para missões no estrangeiro.

    Agora o que os comandos dos comandos têm de ter é bom senso: os treinos são duros e toda a gente sabe; que porventura haja um acidente com um soldado, pode acontecer; agora que tenham ido uma série deles parar ao hospital, em que dois acabaram por falecer é que indicia alguma falta de percepção das condições em que o treino foi realizado. E isso é que me parece que não pode voltar a acontecer.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "o país só tem a ganhar com uma tropa especialmente treinada, como é o caso dos comandos - que é constituída por voluntários, condição sine qua non deixava de fazer sentido - para ações pontuais no terreno ou até para missões no estrangeiro."
      Está aqui perfeitamente explicada a missão e a necessidade de um batalhão de Comandos, Teté.
      Vamos repensar os treinos?
      Plenamente de acordo.
      Extinguir os Comandos?
      Ele há cada uma!!
      Beijocas

      Eliminar
  12. Assino por baixo de tudo o que o Pedro escreveu.
    Felizmente, também fez referência à necessidade de rever o exagero nos treinos, ponto onde eu bato insistentemente.
    Falar na extinção é pura demagogia. Mas a Catarina Martins já é useira e vezeira no uso destas estratégias de política podre.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os exageros nos treinos já há muito deviam ter sido revistos, Janita.
      Se a senhora deputada viesse propor algo nesse sentido tinha todo o meu apoio.
      Esta postura, demagógica, popularucha, peace and love, é pouco mais que idiota.
      Beijinhos

      Eliminar
  13. Coimbramigo

    Estou farto de tiros nos pés mesmo que a arma a usar para o efeito seja uma... fisga...

    "Sem saber ler nem escrever".-) vi-me despachado (sem selo) para Chaves a fim de fazer um curso de comandos "abreviado". :-(( Como cadete miliciano assentara praça no Regimento de Lanceiros 2 (Cavalaria), ali à Tapada da Ajuda e logo no primeiro dia (noite) de instrução fomos barracar (armar barraca - nos dois sentidos). Não adianto mais.

    Mandaram-me para Chaves para a aprender "como matar pretos" (os termos não são meus são dos da tropa que mandava...) na guerra (colonial) e nem queiras saber o que sofri; ao pé dos Comandos a "Santa" Inquisição era apenas um aprendiz bendito...

    Ora bem, já temos tanta tropa com muito pouco para fazer. Até a mandamos para o Kosovo, o Afeganistão et aliud por que bulas teremos comandos? Creio que nuestros vecinos não estão interessados em invadir Portugal; problemas já eles têm de sobra no seu país!...

    Aceito que a Catarina possa ter exorbitado; mas disse frontalmente o que pensava e que eu talvez pense como ela, (mas até à data estando calado). Agora, como comecei, digo que estou farto de tiros nos pés. A tradição dos comandos é histórica e muito bonita? Será. Mas convém que nos lembremos da publicidade: A tradição já não é o que era...

    Qjs para as tuas mininas e abç para tu do Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Em bom português, não me f....ecundes!
      Esta senhora é deputada, representante da Nação, desconhece as obrigações de Portugal em matéria de Defesa?
      A nível nacional e internacional?
      Se desconhece não devia ocupar o lugar que ocupa.
      Se conhece e tem esta postura é apenas irresponsável e demagógica.
      Tu sabes isso até melhor que eu.
      Aquele abraço para ti, beijinhos para a Raquel.

      Eliminar
    2. Coimbramigo

      Só sei que nada sei (frase supostamente atribuída a Sócrates de Platão) mas, mesmo assim, continuo com a Catarina...

      Abç do Leãozão

      Eliminar
  14. Hipocrisia que chega e sobra em (quase) tudo que diz ! :(

    ... Com "falhas", como em tudo e se as há, pequenas / grandes correcções a fazer que se façam por quem de direito e obrigação . Para isso há Governo, há hierarquias militares e há normas que podem ser alteradas quando se entender sem necessidades de especulações hipócritas para ganhar simpatias ! :(

    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assino por baixo e sem reservas, Rui.
      Aquele abraço

      Eliminar