23 de outubro de 2014

Xenofobia no discurso de Lei Cheng I


Xenofobia, do grego xénos (estrangeiro) e phóbos (medo), é precisamente a aversão a pessoas ou culturas estrangeiras.
Não sei Lei Cheng I (Ella Lei) conhece o termo e o seu significado.
Sei apenas que, nas suas aparições públicas, ela que é deputada eleita directamente nas listas da Associação Geral dos Operários de Macau, as suas atitudes e o seu discurso são profunda e irritantemente xenófobos.
O último exemplo foi dado quando defendeu com a maior desfaçatez a tese peregrina que atribui os problemas de violência que envolvem motoristas de autocarros à presença massiva nos veículos de turistas e não-residentes.
Já nem vale a pena indagar se as raízes familiares da ilustre deputada se encontram em Macau porque francamente já nem isso interessa.
O que gostava que a deputada Lei Cheng I esclarecesse era os fundamentos que terá em seu poder para proferir este tipo de afirmações.
Porque, se não dispõe desses elementos, além de xenófoba é leviana.
Não sei se a deputada Lei Cheng I dispõe desses elementos de prova do bem fundado da sua tese, não sei se a deputada Lei Cheng I sabe o que é xenofobia.
O que sei é que Macau, ponto de encontro de muitas etnias e de muitas culturas,  merecia melhores representantes no hemiciclo da Praia Grande.
Isso sei com toda a certeza.

31 comentários:

  1. Cada deputada pior que a outra. Tristeza

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta moçoila, e o outro cromo saído das listas do Chan Meng Kam, são inacreditáveis.
      E é isto que temos ali no hemiciclo da Praia Grande.
      Até enerva!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Concordo plenamente!
    Ninguém a chama à razão?!
    Bom dia, Pedro!
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os ilustres deputados desta terra podem dizer todas as barbaridades que ninguém lhes dá uns puxões de orelhas, Mor.
      Acredito que haverá muito boa gente a apoiar as asneiras que saem daquelas bocas, infelizmente.
      Bom dia!

      Eliminar
  3. E quando ouvimos "pérolas" dessas a gente jovem ainda ficamos mais incomodados!
    Mas que formação/educação tiveram, como vêem o mundo à sua volta num tempo em que a cidadania é cada vez mais global?

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos,
      Esta menina, e outra da mesma geração mas eleita noutra lista, com origens fora de Macau, têm um discurso perfeitamente estúpido.
      Nem percebem que, se fosse seguido à letra aquilo que dizem, os antepassados delas não se poderiam ter fixado em Macau e elas também não.
      Fazer o quê?
      É muito complicado lidar com burros.
      Abraço

      Eliminar
  4. Mesmo sendo xenófoba, na posição que está, no minimo dava-se ao trabalho de disfarçar, não?

    ResponderEliminar
  5. ~
    ~ ~ Maus ventos sopram da Praia Grande... Por cá, quem os semeia, colhe tempestades.

    ~ ~ È imprescindível admoestar esta nacionalista, ainda que indiretamente.

    ~ ~ Saberá ela que nós temos chineses em Portugal, por todo o lado-- até espalhados pelos Açores-- que mandam fotos para a China e amigos espalhados por toda a Europa, sempre com os dedos formando um V?

    ~ ~ Para além de "Victory", também poderá significar; "Veni, Vini, Vinci".

    ~ ~ Cheios de razão porque fizeram desaparecer muito do nosso pequeno comércio e puseram os ciganos à míngua.

    ~ ~ Que cabecinha mais retrógrada! Merecia um bom artigo na imprensa.

    ~ ~ ~ ~ Excelente dia. ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta menina é incorrigível, Majo
      E é curioso que ela simboliza o oposto do que é Macau
      Macau é uma terra de encontros, de tolerância, de convívio de culturas.
      Coisa que ela, pobre diabo, não entende.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. A desfaçatez, a arrogância, o "eu posso tudo" e outros termos que não ficaria bem enumerar aqui... invadiram de tal modo a classe política que "eles" permitem-se tudo, nem se dando ao trabalho de disfarçar.
    E assim vai o mundo!

    Beijinhos, meu amigo
    Mariazita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mariazinha,
      Temos que saber lidar com esta gente.
      Até os idiotas têm direito ao seu espaço, não é?!
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Boa tarde, Pedro, comento com uma pergunta.
    A senhora deputada está a "discorrer" segundo as suas convicções pessoais ou como representante dum grupo social? Ou seja, esse grupo tem o mesmo tipo de pensamento e sentimento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será um grupo social, Agostinho
      Mas lá que há outros e outras tontos como ela, lá isso há

      Eliminar
  8. Talvez um par de estalos resolva alguma coisa, não?

    ResponderEliminar
  9. A criatura é tola de nascença ou deu-lhe de repente??

    Bom serão, aqui :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não é a primeira bojarda que sai daquela boca, São.
      Como tal, desconfio que será mal de nascença :))

      Eliminar
  10. Parece bem preocupante ter um deputado assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só se a levarem a sério, Gábi.
      Eu acho-a parva e ponto final.

      Eliminar
  11. Aqui consigo comentar sem ter de provar que sou um robô :)
    um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não tenho que provar que não sou um robô no seu blogue :)
      Beijinhos

      Eliminar
  12. Não sei comenta,r mas este mundo politico está cada vez mais desumanizado.
    Lutam para se manterem no poder pelo poder e pelo estatuto social.
    O povo que aguente os maus tratos e os sacos de pancada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta é tola, luís
      E, como a prima Serafina do Solnado, gosta muito de dizer coisas

      Eliminar
  13. Nós por cá e o Pedro por aí, fazemos uma colecção de cromos, qual deles os melhores.
    Aceito ignorância, não tolero arrogância.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela é as duas coisas, Adélia - ignorante e arrogante.
      Mas é acima de tudo parva.
      Beijinhos

      Eliminar
  14. Muito bem!! A filosofia ocidental de origem grega deve estar a anos-luz dos conhecimentos e do saber da jovem deputada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso é ser simpática, Graça.
      Idiota chapada!!
      E não é exemplar único naquele parlamento.

      Eliminar
  15. Ainda haverá quem dê ouvidos a uma deputada sem qualquer sentido do que é o direito á igualdade e com um sentido tão faccioso acerca desses factos?
    Custa a crer que uma jovem seja tão tacanha de espírito. Afinal, por aí nem tudo são sensibilidades orientais!
    Deplorável!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar