16 de outubro de 2014

Rocha Vieira e Joseph Zen

Curiosas as entrevistas dadas por Rocha Vieira e Joseph Zen a duas agências noticiosas acerca da situação que se vive em Hong Kong.
Não porque encerrem em si alguma novidade, mas precisamente pelo contrário.
Rocha Vieira, o general, o militar de carreira, o homem que Soares enviou para Macau para tirar Macau das páginas dos jornais depois do caso Melancia (acerca de Macau só poderiam ver-se escritos os habituais chavões da tolerância mútua, da amizade secular e do encontro de culturas), apresenta a visão que todos esperariam que apresentasse (questão bem diferente é saber se a deveria ter apresentado).
A Xinhua, quando procurou Rocha Vieira, sabia perfeitamente que o último governador português de Macau iria defender a posição que defendeu, condenar a revolta estudantil em Hong Kong, a ocupação de espaços públicos, o caos e a desordem, o perigo para a tão propalada harmonia social e económica.
E foi isso mesmo que conseguiu.
O mesmo se pode dizer da Lusa quando procura o cardeal chinês Joseph Zen, conhecido pelas suas posições de constante desafio ao poder político de Hong Kong e da República Popular da China.
Joseph Zen, que desfilou ao lado dos manifestantes de Hong Kong, sem se esquecer de condenar a inflexibilidade da posição dos estudantes, atacou abertamente a forma como os governantes da Região Administrativa Especial têm lidado com os protestos, acusou-os de tacanhez e até de estupidez, declarou que tem receio que se assista a um banho de sangue em Hong Kong semelhante ao que aconteceu em Tiananmen.
Li as duas entrevistas e fiquei a pensar com os meus botões - qual a intenção de ouvir Rocha Vieira e Joseph Zen quando à partida se conhecem as respectivas posições?!

20 comentários:

  1. Cada dia me sinto mais distante destes enredos e tramas políticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho piada a estas entrevistas, luís.
      E gostava de saber exactamente quais as intenções que movem quem as realiza.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Esta validação de opiniões que já se conhecem é piadética, Majo

      Eliminar
  3. Confusões do diz-que-disse-mas-não-disse e sinceramente Pedro vejo que em Macau a coisa também não anda muito famosa.

    Melancia, pois recordo-me bem do caso e foi o único a levar com uma condenação. Nem sei se é vivo ou morto!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos Melancia ainda é vivo, Fatyly.
      E nunca se esclareceu devidamente todo aquele imbróglio.
      O nome dele é que ficou para sempre conspurcado.

      Estas manobras dão-se muito aqui por estas bandas.
      Temos é que não ser tolinhos e percebê-las bem.

      Beijocas

      Eliminar
  4. Pedro, posso dizer uma coisa, não há almoços grátis!!!

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  5. Só me recordo do caso Melância...de resto, Macau é Pedro Coimbra e um amigo do meu marido que é mesmo macaense e vive cá. O resto não sei mais nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos Melancia ficou para sempre com o seu nome manchado numa história muito mal contada, Timtim Tim
      E foi por causa desse episódio que Mário Soares teve que engolir um elefante e enviar Rocha Vieira para Macau (o que eles gostavam um do outro!!)

      Eliminar
  6. Casos inexplicáveis esses...tal como o da corrupção!

    Enfim...

    Admiro Teresa Sousa, com quem já troquei uma palavras, e respeito-a enquanto jornalista.

    Gostei do artigo e de saber que, afinal, a Alemanha é um ídolo de pés de barro que, lamentavelmente, o bando do Poder em Portugal segue acefalamente!!

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ficou sempre a dúvida, São.
      Que ainda permanece.

      Já a Angie vai ter que explicar muito bem estas contradições entre a prática e o discurso.
      Em que é que ficamos?
      Critica-se a casa do vizinho antes de arrumar a nossa?
      E com que cara vão ficar aqueles que a seguem caninamente?
      Tudo de bom para si também

      Eliminar
  7. Quando se ouve só uma facção tudo fica por esclarecer não é verdade ?

    Embora nada perceba de política, além de vinhos e futebol :)
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A menos que se DESEJE mesmo ouvir só uma facção, Fê.
      Como são os casos.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Como este seu reflexivo texto está a falar (você viu de tanto interagir com meus queridos amigos lusos não usei o gerúndio no verbo falar) de política quero ver o que dirá da previsão da cartomante mexicana, Dolores do Rego Cansanção, para o 2º turno das eleições aqui do lado de cá dos dois grande oceanos que nos separam.
    Caloroso abraço! Saudações videntes!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li a previsão da cartomante, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Por enquanto parece haver empate técnico entre os dois candidatos.
      Mas se tremenda cartomante Dolores do Rego Cansanção faz essa previsão, quem sou eu para desmentir, não é??
      Grande abraço!

      Eliminar
  9. Rocha Vieira em chinês diz-se China Three Gorges, não é Pedro?
    Bom FDS

    ResponderEliminar
  10. http://resistir.info/portugal/contos_proibidos_rui_mateus.pdf
    Um BA-BA deste mundo conturbado, onde é cada vez mais dificil viver. Pelo menos, no mundo ocidental (imagine-se)...volta URSS estás perdoada.
    Jorge Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge Martins,
      URSS?!!
      Era o que nos falava agora para compor o ramalhete.
      Livra!!

      Eliminar