21 de outubro de 2014

A revolução tranquila do Papa Francisco


Anselmo Borges faz referência a uma vitória subtil, eu prefiro a expressão revolução tranquila.
O que aconteceu no Sínodo Extraordinário, independentemente do que venham a ser os desenvolvimentos do processo no futuro, marcará um período revolucionário na vida da Igreja.
Como todas as revoluções no seio da Igreja Católica Apostólica Romana, uma revolução tranquila, gradual, que levará muito tempo até que  possa chegar a resultados tangíveis.
Num Sínodo que terminou propositada e simbolicamente com a beatificação de Paulo VI, o Papa que fica para sempre ligado à abertura da Igreja ao mundo, Francisco desafiou a Cúria a discutir o que parecia indiscutível, deu início a um processo de diálogo aberto e amplo, sem retorno, que parecia impossível há bem pouco tempo. 
Dogmas e tabus têm que ser questionados, têm que ser discutidos e colocados face a face com o desenvolvimento científico e a evolução das mentalidades.
O casamento, a noção de família, a sexualidade, a procriação, deixaram de ser dogmas intocáveis, imutáveis e indiscutíveis a partir da publicação do Instrumentum Laboris e do Sínodo Extraordinário que se lhe seguiu.
Até Outubro de 2015, quando se realizar novo Sínodo, a Igreja no seu todo, e não só a Cúria, num processo que se quer aberto e participado, vai debater a ciência teológica e a sua relação com outras ciências num processo de revolução tranquila que Francisco agora iniciou e que não se pode saber como e quando irá terminar.
Ao Sínodo Extraordinário, ao debate na Cúria, deve seguir-se o debate universal na Igreja e mesmo o debate da Igreja, do que será a Igreja no novo século.

22 comentários:

  1. Momentos para pensar e acertar o passo com esta Igreja a que pertenço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo que Francisco está a pedir à Igreja e aos fiéis, luís.
      Sem dogmas, sem tabus.
      Só um visionário, muito corajoso, o poderia fazer.
      Boa semana

      Eliminar
  2. O que é a Igreja senão as pessoas. O Papa Francisco sabe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Papa Francisco está a fazer voltar a Igreja para as pessoas.
      Algo que já há muito não acontecia, luisa.
      A Igreja tem estado fechada ao Mundo, enclausurada em si própria e a contemplar o seu próprio umbigo.
      Este Sínodo terá sido o ponto de partida para a alteração deste panorama.
      Será um processo moroso, gradual.
      Que começou agora.

      Eliminar
  3. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    O Papa Francisco está no caminho certo.
    Caloroso abraço! Saudações renovadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo João Paulo de Oliveira,
      Francisco tem a coragem de afrontar ideias feitas, dogmas que pareciam intocáveis e imutáveis.
      A Igreja, e o Mundo, estavam a precisar de alguém como Francisco.
      Grande abraço!

      Eliminar
  4. ~
    ~ ~ Sinais que inspiram esperança no fim da hipocrisia.


    ~ ~ Estamos a viver uma fantástica semana de Verão de S. Martinho.

    ~ ~ ~ Para si, um resto de boa semana. Beijinhos. ~ ~ ~
    ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou acompanhando as notícias aí de Portugal e sei que a malta voltou às praias.
      Já chegava de chuva, não era?
      Um bom resto de semana também.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Pedro, pelo que li,foi uma vitória "mitigada", mas não deixa de ser uma esperança.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Igreja não é dada a grandes revoluções, Ricardo.
      Mas este foi um grande e ousado passo para aquilo que é a realidade da Igreja.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Esperemos que não o matem ... e estou, como deve calcular, a sério - tanto no voto como no receio.

    Penso que o assassinato de João Paulo I, a quem muito admiro e respeito, tem sido o seu seguro de vida.Oxalá não perca validade.

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco está a mexer com muito do que era tido por dogma na Igreja, São
      Daí até quererem ver-se livres dele ainda vai um passo muito ousado
      Boa semana

      Eliminar
  7. Coimbramigo

    Costumo dizer /e escrever) que já fui católico, mas curei-me. O para Francisco está a dar passos muito perigosos: para a "Santa Madre Igreja", Católica, Apostólica e Romana, mas também para ele próprio.

    Não gosto de Papas & correlativos, mas este Francisco escapa. Resta saber até quando? Deo gracias; ite, missa est...

    大大的擁抱

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Francisco é, antes de tudo, um homem extremamente corajoso.
      Que não tem medo de enfrentar dogmas e dogmáticos.
      Um ser humano admirável.
      Grande abraço

      Eliminar
  8. Bons sinais mas muito caminho para percorrer...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos,
      As alterações na igreja demoram muito tempo acontecer.
      Mas, como ensinam os chineses, uma grande caminhada começa com um pequeno passo.

      Eliminar
  9. Grande Francisco que mete o nariz e tenta abrir divisões fechadas que a igreja não queria abrir.
    A igreja que ele quer para o povo, mas foi o povo que a fez.

    Boa semana Pedro.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo que ele quer, Adélia.
      Um Igreja do povo e para o povo.
      Sem medos, sem tabus.
      Beijinhos e votos de boa semana

      Eliminar
  10. Este homem é simplesmente extraordinário e passo-a-passo vai marcando pontos, quebrando e derrubando barreiras numa renovação para uma verdadeira Igreja Católica não fechada em teologias e outras coisas tais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um ser humano invulgar, Fatyly.
      Que a Igreja e o Mundo precisavam de ter neste momento conturbado.

      Eliminar
  11. O comentário aplica-se aos dois posts. Ainda há uma maioria extremamente conservadora na Igreja, que impede quaisquer reformas profundas. Em Roma também há talibãs fundamentalistas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos,
      A evolução na Igreja é lenta exactamente por existirem muitas forças em sentido contrário.
      Este post custou-me umas críticas idiotas que não interessa referir expressamente.
      Exactamente por parte de gente com essa mentalidade anquilosada.
      E estamos só a falar de um post num blogue.
      Imagine isto a um nível infinitamente maior.

      Eliminar