4 de junho de 2014

A Feira da Virgem


Para ​quem ainda não sabe, que o nome da Feira da Ladra em Lisboa não tem nada a ver com ladras ou ladrões, mas sim com a língua árabe.
De facto a Feira da Ladra remonta ao século XIII, ou antes, quando a língua árabe era ainda familiar em Lisboa, apesar das barbaridades cometidas pelos cruzados, supostos cristãos, que a conquistaram aos Mouros. 
Podemos ter a certeza que a conquista "cristã" de Lisboa em 1147 foi um desgraçado desastre para a cidade.
Diz-se que o nosso primeiro rei, impotente perante o assalto assassino à população de Lisboa, que vivia civilizada e em comunhão com os cristãos arabizados, sofreu por ver que os seus aliados do Norte da Europa, não distinguiam as pessoas, e para eles todos eram infiéis e inimigos, que se matavam desapiedadamente. 
Afonso Henriques queria, sim, a cidade, mas não queria um genocídio.
Feira da Ladra quer dizer Feira da Virgem (a Mãe de Jesus), pois "A Virgem" em árabe se diz "al-aadraa" (العذراء). Esta palavra ouve-se repetidamente na Nursat, o canal televisivo dos Maronitas (católicos) do Líbano.

16 comentários:

  1. Desconhecia por completo a origem do nome de uma feira tão conhecida.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não conhecia, Fatyly.
      Estamos sempre a aprender.
      Beijos

      Eliminar
  2. Tem piada, porque há umas semanas publiquei no On the rocks esse texto, que me foi enviado por um leitor. Fiquei surpreendido, porque não fazia a mínima ideia que a origem fosse essa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tinha lido, confesso, e desconhecia esta origem também.

      Eliminar
  3. ~
    ~ Já conhecia dos rochedos ou penedos...

    ~ Havia cristãos arabizados e, posteriormente, ficaram os árabes cristianizados. A Mouraria é um de muitos topónimos que o comprovam.

    ~ Mas desconfio muito da bondade do nosso primeiro...
    ~ Por que não os deixou ir embora?
    ~ Porque tudo era feito à mão e os mouros eram excelentes artífices.
    ~ Por exemplo, os nobres apreciavam muito os tapetes árabes que adornavam e aqueciam as paredes e chão dos seus castelos.
    ~ Mais uma palavra de origem muçulmana, que se refere a uma feira que é o paraíso de colecionadores compulsivos ou maníacos...

    ~ ~ ~Um serão muito agradável.~ ~ ~

    ~ ~ ~ ~ Beijinhos para todos. ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu confesso que não conhecia minimamente, Majo
      Aprende-se todos os dias.
      É só querer.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    É sempre revigorante aprender!
    Grato pela partilha, como vocês dizem!
    Caloroso abraço! Saudações aprendizes
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim também foi uma completa novidade, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Um grande abraço de parabéns por mais um netinho na sua vida.

      Eliminar
  5. Que interessante, cada vez que venho aqui saio mais rica em conhecimento. Adorei a feira e seu nome. Ontem assisti um programa sobre Macau muito interessante. Que riqueza esses cassinos. Como tem brasileiro trabalhando ai. O custo de vida deve ser caríssimo. Mas vale a pena pela tranquilidade e beleza do lugar.
    Tenha um ótimo dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há efectivamente muitos brasileiros a trabalhar em Macau, Minha vida de campo.
      O custo de vida é muito elevado, especialmente a nível do imobiliário (dos mais caros no Mundo).
      E há uma coisa que as imagens podem fazer passar mas que não existe na realidade - tranquilidade.
      Macau é mesmo uma cidade que vive 24 horas, 365 dias por ano.
      A segurança pública é muito boa.
      Mas a tranquilidade é uma utopia.

      Eliminar
    2. Bah! Os brasileiro que ai moram falaram maravilhas, de repente sua vida aqui no Brasil devia ser pior. Aqui há 2 Brasil, o dos gaúcho e do resto do país. Aqui os próprios brasileiros quando aqui chegam pensam que estão em outro país, temos uma cultura e comportamento diferente.
      Falando de Macau, vi muito de ti nas ruas que mostraram, falei para meus filhos Pedro deve ter percorrido muitas vezes essas ruas.
      Tenha um ótimo fim de semana.

      Eliminar
    3. Anajá,
      Não me interprete mal - eu adoro Macau.
      Macau deu-me tudo o que nunca tinha tido e com que sonhava.
      E não estou a falar em bem estar material.
      Mas, se não houvesse tanta ganância e má governança, podia ainda ser bem melhor.
      Dito isto, não troco Macau por outro sítio para viver.
      Um óptimo fds para si e família também

      Eliminar
  6. Desconhecia a origem da designação da feira.
    Serviço Público, muito útil, aqui nos "Devaneios".
    Há milhentas tretas que nos foram passadas pela histórinha do Santa Comba e que continuam enraizadas na cultura do povo sem serem esclarecidas.
    Uma delas está no hino que vem da Primeira República/Ultimatum Inglês: "contra os canhões marchar, marchar!". Com este conceito se mandaram para o matadouro da Flandres milhares de homens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não fazia a mais pequena ideia desta origem, Agostinho.
      Repito - estamos sempre a aprender.

      Eliminar
  7. Pedro,
    Uma história bem-vinda. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também desconhecia por completo a origem do nome da Feira, ana.
      Sempre a aprender.

      Eliminar