18 de fevereiro de 2014

A ONU escreveu uma carta a Kim Jong-un


Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, mais um na longa linha de loucos torcionários da dinastia que oprime a Coreia do Norte há já longos anos, recebeu uma carta de Michael Kirby. 
Com o carimbo da ONU, a missiva avisa o assassino em massa que, ou se porta bem, coisa que nunca fez, ou pode vir (o condicional é excelente!) a ser julgado por crimes contra a Humanidade no Tribunal Penal Internacional.
Eis o exemplo acabado da suprema inutilidade do chamado soft power que as Nações Unidas tão bem representam.
Qual é o ditador, assassino, tresloucado, demente e mentecapto, que não treme perante tão duras palavras?!
Confrontada com relatos, na primeira pessoa, dando conta de repetidos actos de puro horror, da mais absoluta barbárie,  que chocam mas não surpreendem, a ONU escreve uma carta ao responsável pela destruição silenciosa e massiva do seu próprio povo.
Carta que terá o mesmo destino de todas as outras que os Michael Kirby deste Mundo escrevem - o caixote do lixo.
E o que acontecerá depois, perante a mais que certa indiferença do regime corte-coreano a tão solene aviso?
Um outro qualquer Michael Kirby escreverá uma outra carta.
Dura nos seus termos e devidamente publicitada nos media.
Enquanto isso, um povo vai sofrendo, vai sendo oprimido, dizimado, votado o mais absoluto isolamento do resto do Mundo.
E os Kim deste Mundo vão continuando o seu desfile de horrores e vivendo uma vida de opulência longe dos olhos do povo que oprimem e esmagam. 
E, claro, também vão continuar a receber cartas.

26 comentários:

  1. Bem se ridículo matasse, Pedro! :(

    Abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho muita pena que a ONU, saída dos destroços de duas guerras, seja apenas um anedótico sorvedouro de dinheiro, Ricardo :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Kirby deve sentir o inconseguimento frustacional de que tão doutamente fala a sábia Assunção Esteves.

    Eu tenho uma mistura de desprezo e raiva por estas criaturas cínicas que actuam quando dá jeito aos seus interesses, mas se limitam a acenar com papéis nas restantes situações.

    E há outra coisa ainda, como podem os EUA invocar o Tribunal Internacional quando se recusam a que os seus próprios criminosos de guerra( porque os têm e não são assim tão poucos) sejam julgados por ele?!

    Bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não são os EUA, são as Nações Unidas, São.
      Uma organização inútil enquanto o direito de veto se mantiver.
      Já conhece a reacção do governo chinês, o grande aliado do regime norte-coreano com receio do que acontece dentro das suas próprias fronteiras e de ver milhares de norte-coreanos procurar refúgio na China?
      Mais cínico e nojento que aquilo....

      Eliminar
    2. Sei que foi a ONU, mas - como bem diz - a ONU é o quê, afinal?Nada , enquanto , não sei porque carga de água se mantiver esse inexplicável poder de veto.E falei nos EUA , porque são muito prontos a condenar quando isso lhes serve os objectivos, mas relativamente a Israel, por exemplo, é o que nós sabemos.

      Desconheço a reacção da China, que também é outra "maravilha"

      Eliminar
    3. A reacção da China foi a habitual, São - isso são assuntos internos do país
      Claro, violação atroz dos mais básicos direitos humanos é um assunto interno de qualquer país.
      Enquanto continuarmos assim não vamos progredir em termos civilizacionais

      Eliminar
  3. Olá, J. Pedro.
    Não sei quem subscreve a peça, mas seria pertinente, pedir-lhe a opinião sobre uma solução.
    O mundo revoltou-se com a intervenção armada na Bósnia e no Iraque, foi um desastre completo.
    Então que fazer além do isolamento, boicote e persuasão psicológica?
    Um excelente fim de tarde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este post é escrito por mim, Majo.
      O que me mete impressão, e me dá pena, é ver a ONU reduzida ao puro anedotário.
      E assim continuará a ser enquanto se mantiver a actual estrutura e o actual modelo de funcionamento.
      Boicote e persuasão não funcionam com loucos, Majo.
      E esta gente é do mais louco.
      Pergunte aos sobrinhos do actual líder, amigos da minha filha mais velha e que foram colegas dela na mesma escola, e eles dizem-lhe.

      Eliminar
    2. Como é que os sobrinhos estudam fora da Coreia?

      Será mesmo verdade que o tio do actual chefe e mais algumas outras pessoas foram atiradas a uma matilha esfaimada?

      Eliminar
    3. Lembra-se do irmão mais velho, São, o que era o candidato natural à sucessão até ser apanhado no Japão com um passaporte falso (Kim Jong-nam)?
      Veio viver para Macau, com o beneplácito da China, para não lhe limparem o sebo na Coreia do Norte.
      Os filhos estudavam na escola onde estudam as minhas filhas (os miúdos chamavam-lhes príncipes).
      O filho está agora a estudar num país do Leste (não vou revelar qual).
      A filha acho que continua por aqui, mas numa outra escola, tal como as mulheres (sim tem duas, uma oficia, outra nem tanto).
      O tipo é que se tem visto pouco.
      Andava sempre na boa vida, mas agora tem andado mais low profile.

      À segunda parte da sua pergunta não sei responder.
      Já se ouviu tanta coisa.....

      Eliminar
    4. Lembro-me disso, sim.

      POis, é melhor ser discreto, que pode muito bem ser assassinado mesmo fora do país,A PIDE, a MOSSAD e semelhantes não se assustam com fronteiras!

      Acerca dos paraísos e afins, se pudesse mandaria viver lá quem os defende para gozarem todas as delícias dos bombardeamentos, das prisões, das torturas, de terem tantos direitos judiciais como se tinha na Idade Média europeia.

      Bom dia


      Obrigada.

      Eliminar
    5. É exactamente essa a minha vontade, São.
      Mas quem fala nos paraísos manda lá viver outros.
      Hipócritas de me#%^^

      Eliminar
  4. A primeira reacção de Kim Jong-un, ao tomar conhecimento da carta foi, certamente, soltar uma gargalhada.

    Grande ameaça por parte das Nações (des)Unidas...

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gargalhada seguida de aumentar o lixo no caixote, António :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. O Bernardino continuará a dizer que a Coreia do Norte é uma democracia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De certeza que sim, Carlos.
      Que esse ainda acredita nos paraísos terrestres.
      Não vai viver para nenhum (livra!!).
      Mas acredita neles.

      Eliminar
  6. Pois... Assim não se vai lá. Mas também não saberia dizer qual a solução para este problema de horrores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O primeiro passo é, de certeza, reformular a estrutura e as competências da ONU, luisa

      Eliminar
  7. Pedro o meu beijinho e uma flor, simplesmente.

    ResponderEliminar
  8. Na verdade não há soluções para problemas destes. Nem cartas, nem outras...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Repito, Teté, antes de tudo reformular essa inutilidade que é a ONU na sua estrutura actual.
      Beijocas

      Eliminar
  9. Belo apontamento que toca na ferida.
    A ONU é a inutilidade que se encontra em estado vegetativo semelhante à sua precedente Sociedade das Nações. Diz-se que é o maior conglomerado de corrupção.
    Quanto ao J;quim há uma saída "humanitária" para o problema. Os EUA, que são os maiores, fazem uma parceria com a China para constituir uma equipa de comandos; vão lá buscá-lo e internam-no compulsivamente; precisa de tratamento psiquiátrico urgente. Mas depois levantam-se mais problemas; não se pode deixar aquele país ao abandono porque candidatos a Quins deve haver muitos. Obrigaria a CI a fazer um Plano Marshall de psiquiatras e psicologos além de toneladas e toneladas de arroz. Mas isso seria o menos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema e que a China treme só de pensar nisso.
      Já imaginou o que seria uns milhares de norte-coreanos a entrarem de repente na fronteira com o vizinho chinês?
      Direitos humanos uma porra!!
      A China não quer ver o quintal estragado, tão simples quanto isso

      Eliminar
  10. A ONU para mim há muito que não consegue atingir os seus objectivos como no principio, há que reformular tudo e todos e fazerem numa de: não páram vão a bem pararão a mal e um gajo que matou a família toda de um tio de forma bárbara (mortos por cães esfomeados) com este ar de "sem adjectivo" mudará? Talvez...se um dia alguém lhe fizer a folha.
    Outro exemplo é o da Síria...a UE e a ONU e outros armados em todos poderosos conseguiram alguma coisa?
    Agora é na Ucrânia e no Egipto já deram dois dias para que saiam todos os estrangeiros, Venezuela já para não falar noutros países que o povo anda à trolha e massa e à mercê de horrores...e pergunto a mim mesmo:

    como acabar com esta dizimação de povos inocentes? Enfim...nem consigo olhar para este homem nem para outros...cujo olhar é opaco e horrendo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta ONU nem é um tigre de papel, Fatyly.
      É uma cousa anedótica, ridícula, que tem que ser alterada de alto a baixo.
      Depois, com um órgão com alguma utilidade e algum poder, veremos de que forma se pode intervir nesses conflitos e evitar outros

      Eliminar