31 de maio de 2012

Coisas que precisa de saber antes de comprar português

9 comentários:

  1. É sempre a mesma treta. O pior é que nos vão vendendo aos poucos e deixam-nos sem alternativas.

    ResponderEliminar
  2. Pedro,

    bem faço eu que...não bebo cerveja, nem sou estupidamente patriota, nestas matérias, e compro o que mais me agrada à vista e...ao bolso!!!

    Grande abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
  3. Helena,
    Eu confesso que não sou nada patriota nestas coisas.
    Compro o que eu gosto independentemente da origem.
    Até porque, como se vê, levamos cada banhada no supostamente português!!


    Ricardo,
    Mais uma vez, estamos totalmente na mesma onda!!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  4. Uma verdade dura de roer.
    Tenha um bom dia Pedro

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  5. Adélia,
    Mas que, por causa disso, não deixa de ser verdade.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Eu também compro o que me apetece e preciso independentemente da origem, mas este vídeo também vai constar no meu blogue. A falta que o Salazar faz, enfim...

    ResponderEliminar
  7. Coimbramigo

    Eu cá retransmito isto:

    你好
    購買產品,以幫助葡萄牙是葡萄牙。E o resto são tretas!
    Declaração do Senhor Lu Ping Pong durante a cerimónia da assinatura da compra da Fagupo, a Fábrica de Agulhas Portuguesas pela 在上海購物

    擁抱

    ResponderEliminar
  8. FireHead,
    Essa ideia de comprar português sempre me pareceu uma boa tontice e uma grossa falácia.
    Está aqui a prova.

    FerreirAmigo,
    A caminho do aeroporto para ir a Xangai comprar qualquer coisinha para ajudar a economia portuguesa.
    Galos de Barcelos, made in Xangai, por exemplo.
    És um gajo do caraças!!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  9. Eu, independentemente de qualquer coisa, procuro sempre comprar o que é nosso, falácia ou não é um modo de ajudar os nossos produtores, além do mais os nossos produtos têm melhor qualidade.

    Quanto ao vídeo em concreto, chama-se globalização! E não é o suficiente para me demover de procurar dar prioridade aos produtos nacionais, até porque não passam de meia dúzia de exemplos que não se podem extrapolar para um todo, dentro dos quais nem sequer podemos fazer nada, exemplo da energia eléctrica.

    ResponderEliminar