8 de janeiro de 2014

Fundação Rui Cunha - porque é possível fazer, e fazer bem, sem subsídios do Governo


"A Fundação Rui Cunha recebe na próxima semana uma mostra de Foon Sham, artista nascido no território e há mais de 40 anos a viver nos Estados Unidos".
Assim divulgava o diário Ponto Final mais uma iniciativa da Fundação Rui Cunha.
A Fundação Rui Cunha é o exemplo mais bem sucedido, apesar da sua curta existência, de que é possível ter rasgo, imaginação, capacidade de realização, sem estar à espera de subsídios governamentais, sem estar a apontar as muitas falhas que a inacção governativa provoca.
Macau tem tido uma relação conturbada com as Fundações constituídas com dinheiros públicos (Fundação Oriente, Fundação Macau, Fundação Jorge Álvares, são exemplos de todos conhecidos).
Rui Cunha, conhecido advogado há muitos anos radicado em Macau, ciente destas vicissitudes, foi buscar ao seu próprio bolso os fundos necessários para criar uma Fundação à qual emprestou o seu nome.
Uma Fundação que visava, em primeira linha, preservar e divulgar o Direito de Macau e também dar espaço ao aparecimento de novos talentos em Macau que teriam ali a oportunidade de expor as suas  obras.
Desde a sua criação, a Fundação Rui Cunha não só tem feito o que se propunha, como tem tido capacidade  para ir para além das propostas iniciais.
Com uma dinâmica tremenda, a Fundação, a sua figura tutelar, e a sua equipa de colaboradores, são credores do máximo respeito e admiração.
Há vida para além da subsidio-dependência que mina Macau.
A Fundação Rui Cunha é disso um excelente exemplo.
Que continue o excelente trabalho até aqui desenvolvido por muitos e bons anos. 

21 comentários:

  1. Um futuro auspicioso para essa fundação que admiras e respeitas.

    Tens de ponderar a reformulação da tua sigla:

    " ... ... ... um saudável desrespeito".

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de tantos problemas com as fundações em Macau, esta fundação, porque não envolve dinheiros públicos, tem sido uma lufada de ar fresco, Majo.
      Com uma dinâmica tremenda.

      O saudável desrespeito é para ficar, Majo.
      Um lema que nasceu com o blogue e que faz parte do respectivo ADN
      Beijinho

      Eliminar
  2. Quando assim é, Pedro, vale a pena...

    Grande Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho a certeza se o Nuno conhece a Fundação, Ricardo.
      Conhece bem o fundador.
      E pode atestar que se trata de alguém ímpar.
      Muito bem sucedido (homem de confiança da família Ho) é de uma simplicidade desarmante.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  3. A subsidio-dependência é um mal sem contornos, Pedro.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está aqui um óptimo exemplo que se trata de um mal que, havendo vontade e imaginação pode ser contornado, António
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  4. Haja alguém que dê bons exemplos!

    Bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o caso de Rui Cunha, São
      Estou ainda mais à vontade para o dizer porque não nos unem laços de amizade.
      Não o conhecendo pessoalmente, admiro a sua simplicidade e o seu espírito empreendedor

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Está, infelizmente, é a excepção e não a regra, Rosa dos Ventos
      Abraço

      Eliminar
  6. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Gostei de saber deste fato alvissareiro!
    Caloroso abraço! Saudações alvissareiras!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda há bons exemplos como este, Amigo João Paulo de Oliveira.
      São muito poucos, mas ainda existem.
      Grande abraço!!

      Eliminar
  7. Boa tarde, Pedro
    Entrei aqui por acaso e fiquei deliciada com o que vi (li).
    Uma Fundação sem subsídios estatais??? Mas isso é uma coisa do outro mundo!
    Pois que Deus lhe dê longa vida, e sempre nessas mesmas condições.

    Dei uma olhada (forçosamente rápida) nas postagens anteriores, e agradou-me o aspecto geral:)
    Vou fazer-me sua seguidora para não lhe perder o rumo e voltar sempre que possível.
    Se quiser dar-me o prazer da sua presença na minha humilde «CASA» será recebido de braços abertos.

    Um 2014 muito feliz!

    Beijinhos
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou visitar o seu espaço já em seguida, Mariazita Azedo.
      Seja muito bem vinda e tenha um ano de 2014 Maravilhoso!!
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Cuidadinho com essas faltas de hífens!
      Olhe que eu sou CONTRA o (des)acordo ortográfico.
      Isso está bem patente na sidebar do meu blog.
      Um grande sorriso!

      Eliminar
    3. Também não adopto o Acordo Ortográfico.
      E estou a achar muito estranho ler o 1Q84, de Murakami, já com a nova ortografia.

      Eliminar
  8. Temos que aplaudir o trabalho positivo. Bem haja... bem haja!

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria do Sol,
      Por isso mesmo queria deixar aqui esta nota.
      Beijinho

      Eliminar
  9. Talvez um bom exemplo a seguir por aqui, por Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por Portugal e por Macau, Ricardo.
      Não se faz nada sem ter a mão enfiada nos bolsos (muito fundos!!) do Governo.

      Eliminar