12 de setembro de 2018

FEIRA DA FODA


E PORQUÊ O NOME "FODA À MONÇÃO"? 

A CONFECÇÃO DO CORDEIRO À MONÇÃO EM ALGUIDAR LEVADO AO FORNO DE LENHA NÃO SÓ RECUPERA O SABER DOS NOSSOS ANTEPASSADOS COMO LHE ADICIONA UM POUCO DE ARTE, CARINHO E PROFISSIONALISMO DAS ACTUAIS COZINHEIRAS. 
O NOME ARTÍSTICO, DIGAMOS ASSIM, REFLECTE BEM O CARÁCTER AFÁVEL E BEM-DISPOSTO DOS MONÇANENSES.

REZA A HISTÓRIA QUE:

“OS HABITANTES DO BURGO, QUE NÃO POSSUÍAM REBANHOS, DIRIGIAM-SE ÀS FEIRAS PARA COMPRAR O REIXELO. 
E, COMO EM TODAS AS FEIRAS, HAVIA DE TUDO, BONS E MAUS. 
A VERDADE É QUE OS PRODUTORES DE GADO, QUANDO O  LEVAVAM PARA A FEIRA QUERIAM VENDÊ-LO PELO MELHOR PREÇO E, PARA QUE 
OS REIXELOS PARECESSEM GORDOS, PUNHAM-LHES SAL NA FORRAGEM, O QUE OS OBRIGAVA A BEBER MUITA ÁGUA.

 NA FEIRA, APARECIAM COM UMA BARRIGA CHEIA DE ÁGUA E PESADOS,  PARECENDO REALMENTE GORDOS. 
OS INCAUTOS QUE NÃO SABIAM DA MANHA  COMPRAVAM AQUELES AUTÊNTICOS “SACOS DE ÁGUA” E, QUANDO SE APERCEBIAM DO LOGRO, EXCLAMAVAM À BOA MANEIRA DO MINHO: 
QUE FODA!

O TERMO TANTO SE VULGARIZOU QUE O PRATO PASSOU A DESIGNAR-SE, LOCALMENTE, POR FODA. DE TAL MODO QUE é FREQUENTE, PELAS ALTURAS 
FESTIVAS (PÁSCOA, CORPO DE DEUS, SENHORA DAS DORES E NATAL OU FIM DE ANO) OUVIR AS MULHERES: 
"Ó MARIA, JÁ METESTE A FODA?"

11 comentários:

  1. Continua a aprender sobre algumas tradições portuguesas. : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também, Catarina.
      Também não conhecia esta tradição tão bizarra :))

      Eliminar

    2. Não é bizarra Pedro, é apenas engraçada. :D

      Eu já conheço esta tradição há alguns anos. Ultimamente tem-se falado mais nela nos meios de comunicação social graças aos festivais gastronómicos que vão acontecendo por este nosso belo Portugal cheio de tradições seculares.

      Beijinhos com sabor a Minho
      (^^)

      Eliminar
  2. Bom dia
    há sempre uma forma de enganar quem compra e esta é simples e resulta !
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daí o qualificativo, Joaquim Rosário.
      Já foram f....lixados.

      Eliminar
  3. Daqui se conclui que a riqueza da lingua nos acrescenta pela diversidade cultural de raiz popular. Não imaginava. Deve ser boa, quero dizer, saborosa.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carne de carneiro não é o meu forte, Agostinho.
      O meu pai, com o cheiro da carne de carneiro e de cabra fica com vómitos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Cada terra com seu uso e cada roca com seu fuso...!...E o que é bom sabe sempre bem / E voz do povo é voz de Deus.../ Feiras e ciganos; há que ter olho na mercadoria para que não haja enganos ( esta inventei eu agora...) E assim por diante, Pedro! :)))

    Adoro cabrito assado no forno - e faço-o muito bem - já o anho ou cordeiro, tem um outro sabor mais a bedum, não gosto tanto.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou fã, Janita.
      Cabrito e coelho são traumas de infância.
      Criei os animais, um cabrito e um coelho, e depois apareceram no prato.
      Nunca mais!!
      Beijinhos

      Eliminar