10 de outubro de 2017

Discriminação positiva?


A recente proposta de diferenciar as tarifas de autocarros para os residentes permanentes e os não residentes foi apresentada como uma medida que teria como finalidade discriminar positivamente os residentes permanentes.
A definição mais comum de discriminação positiva ensina-nos que discriminação positiva é um tipo de discriminação que tem como finalidade seleccionar pessoas que estejam em situação de desvantagem tratando-as desigualmente e favorecendo-as com alguma medida que as tornem menos desiguais. É um processo que tem como objectivo tornar a sociedade mais igualitária diminuindo os desequilíbrios que existem em certos grupos sociais.
A proposta apresentada pelo Conselho Consultivo do Trânsito, aparentemente com a concordância do Executivo, parece caminhar em sentido rigorosamente oposto.
Não são os residentes permanentes, com melhores condições de vida e mais protecção social, que devem ser discriminados positivamente.
Se for essa a ratio legis então a proposta terá que ser toda reformulada e apresentar tarifas mais elevadas para os residentes permanentes e não para os residentes não - permanentes.
Uma proposta que não se entende, que está muito mal explicada, que não faz sentido nenhum.
Que tal parar um pouco para pensar?
Valerá a pena apresentar semelhante proposta?
Se for, e tenho sérias dúvidas que seja, terão que ser aduzidas razões muito concretas e ponderosas para o fazer.
Nunca, mas mesmo nunca, nos moldes agora dados a conhecer, discriminação positiva.

36 comentários:

  1. Pelo que tenho lido aqui, essa governação é muito desiquilibrada, caótica, confusa. Há algum sector que funcione bem?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais extraordinário é que Macau vai funcionando bem mesmo no meio de tanto disparate, de tanta asneira.
      Deve ser mesmo a confluência da Deusa A-Ma e de Nossa Senhora :))

      Eliminar
    2. Senão aqui influência divina já não sei o que pensar, Catarina :))

      Eliminar
    3. "Funciona bem" é como quem diz. A porta abre às 9 e fecha às 5, é o melhor que se pode dizer.

      Eliminar
    4. Vai funcionando, Leocardo.
      Com tanto disparate acredito que, para quem olhe de fora, pense como a Catarina que haja para aqui grandes caos e confusão.
      E não há.
      Vai tudo correndo mais ou menos bem.
      Podia e devia correr melhor?
      Sem sombra de dúvida.
      Um abraço

      Eliminar
  2. Inacreditavel!
    Qualquer dia os TNR andam de banda ao braço para melhor serem identificados... A lembrar outros tempos e outras formas de discriminação.
    Defender o salario minimo para todos menos para as domésticas é também mais uma forma de discriminar.
    No que Macau se está a tornar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente cada vez mais vemos manifestações deste tipo.
      Ainda para mais a ostracizarem um fatia da população que é absolutamente essencial para que Macau tenha viabilidade.
      Entristece-me imenso que se pense (mesmo só pensar!!) numa aberração destas.

      Eliminar
  3. Não percebo porque o Governo está tão preocupado com esta questão das tarifas, sinceramente. Deviam preocupar-se mais com a qualidade do serviço prestado pelos transportes públicos! A condução dos motoristas (especialmente os autocarros verdes) é péssima e perigosa, já para não falar dos taxistas - uns verdadeiros mafiosos. E porque é que não se preocupam com os autocarros eléctricos?! Parece impossível. A agenda do Governo tem as prioridades viradas do avesso!
    Concretamente quanto a esta proposta, acho que, a haver discriminação (positiva), devia abranger todos os cidadãos de Macau, em detrimento dos turistas, ou então devia visar os residentes mais desfavorecidos.
    Aquele abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje alguém me perguntava numa outra plataforma quem é que ganhava com esta proposta.
      E eu não consegui responder.
      É uma boa pergunta - quem é que ganha com este disparate?

      Não podia estar mais de acordo com o comentário.
      Preocupar-se com a qualidade dos serviços prestados, especialmente quando se apregoa constantemente que se quer promover a utilização dos transportes públicos em detrimento do transporte particular, faria todo o sentido.
      Fazer o turista pagar um preço mais elevado em relação ao residente, seja ele permanente ou não?
      Faz-se isso um pouco por todo o Mundo.
      Penalizar as classes mais desfavorecidas e ainda falar em discriminação positiva?
      Que coisa mais descabelada.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Não será melhor deixar tudo como está? A "coisa" lá vai, por essas bandas, funcionando, mesmo com atrapalhações, portanto, quietos (rs)!

    Beijinhos, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu julgo que há muita gente a interrogar-se de onde raio veio agora esta ideia peregrina, CÉU.
      É um bocado o que a minha avó dizia - procurar sarna para se coçar.
      E esta prevejo que ainda vá dar muita comichão.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Acredito que a proposta teve como base boas intenções só que estes políticos têm que pensar melhor antes de apresentar as suas propostas para não correr o risco de efeitos contrários.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu confesso que não consigo perceber o que se pretende, Francisco.
      Ser agradável para os residentes porque as consciências ainda pesam depois do que aconteceu com o tufão??
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Discriminação positiva?
    Discriminação é uma palavra que automaticamente coloca de parte a igualdade de direitos.

    Por certo, escolheram uma palavra errada ou o nome para uma medida social ainda pouco aprofundada.

    Digo eu, Pedro que este mundo não é perfeito e os políticos também não!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Discriminação positiva seria precisamente o oposto do que agora é proposto, mz.
      Os residentes permanentes (é essa a designação legal) que gozam de muito mais regalias sociais, que auferem salários mais elevados na esmagadora maioria dos casos, deferiram pagar mais que os residentes não permanentes.
      Esta proposta é o oposto do que apregoa.
      Não faz sentido nenhum.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Por cá, a toda a hora se fazem "leis" que a seguir são corrigidas !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por enquanto estamos só perante uma proposta, que nem proposta de lei é, João Menéres.
      E que cheira muito a apalpar o pulso para ver como é que a rua reage.
      Espero que reaja muito mal e não se passe destas intenções.

      Eliminar
  8. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Discordo - como veemência - desta proposta absurda e discriminatório.
    Aqui, quem tem mais de de 60 anos está isento de tarifa nos transportes públicos.Caloroso abraço. Saudações discriminatórias.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui os residentes com mais de 60 anos também não pagam, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Sabe que mais?
      Se verdadeiramente se quer incentivar a utilização do transporte público, numa terra com tanto dinheiro, que tal investir na qualidade desses transportes públicos e alargar o leque de pessoas que não precisam de pagar para utilizar os mesmos?
      Elevar os custos para as classes mais desfavorecidas é de bradar aos céus.
      E é tudo menos discriminação positiva.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Nesse aspecto dos transportes públicos citadinos, em Portugal ainda não há vantagens em ser residente ou ter mais de 60 anos para os bilhetes avulso. O preço é o mesmo para todos.
    Se bilhete comprado antecipadamente em quiosque, o preço é bem melhor que o pago já a bordo.
    Já nos comboios, há 50% de desconto para quem tem mais de 60.

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se se quer promover a utilização dos transportes públicos em detrimento dos veículos privados é esse caminho que se deve trilhar.
      Melhoria da qualidade dos serviços e benefícios sociais.
      Singapura faz isso há muitos anos.
      E com muito bons resultados.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Olá amigo!!
    O que eu entendi no texto foi que irão diferenciar os custos e pra que isso? Esses políticos inventam cada coisa.
    Achei que fosse só no Brasil que existia políticos sem noção!

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sensatez é uma qualidade que parece não ter chegado à maioria da classe política, Pamela.
      Por toda a parte.
      Beijinhos

      Eliminar
  11. a ideia base é positiva e visa a igualdade e inclusão social. no entanto, parece-me óbvio que a medida só fará sentido em determinado local/cidade se o flagelo social se verificar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, o problema é que, como é apresentada, agrava as desigualdades.
      Ele há cada uma!

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Sinceramente espero e desejo que não se passe deste foguetório, desta proposta sem sentido, Amigo João Paulo de Oliveira.

      Eliminar
  13. Pensar é uma coisa que dá muito trabalho, Pedro....

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E há muita gente preguiçosa, São.
      Gente a mais.
      Boa semana também

      Eliminar
  14. Cada país k, com os seus cada qual k.
    Cada uma que se lê...
    Boa continuação de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós, portugueses, costumamos dizer que é cada tiro cada melro, cada cavadela cada minhoca, A Casa Madeira.

      Eliminar
  15. Concordo com o espírito a sua ideia.
    Por cá, há passes sociais, com grandes descontos
    para estudantes e pessoal de serviço precário.
    Beijos
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é discriminação positiva, Majo.
      O oposto do que aqui está a ser proposto.
      Beijos

      Eliminar
  16. Mais uma vez um texto muito bem escrito e fundamentado com que naturalmente concordo.
    levando-me como tal a dizer que quiçá os mentores da proposta não saibam verdadeiramente o que é descriminação positiva _ parecendo para os mesmos ser apenas descriminar uns sobre outros, independentemente de quem sobre quem, pior se coincidindo (in)justamente no sentido inverso a verdadeira descriminação positiva.
    Abraço e boa sorte por aí, também no relativo à correcção do sentido da proposta em causa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oxalá não passemos desta fase de proposta, Victor Barão, de um apalpar de pulso que origine muito má reacção da rua.
      Aquele abraço

      Eliminar