16 de agosto de 2017

Especificidades da Assembleia Legislativa de Macau


Já aqui referi anteriormente que uma das primeiras coisas que me foi dita quando cheguei a Macau há quase 22 anos foi que me devia abster de utilizar a expressão “especificidades de Macau”.
Não era uma expressão agradável, chegava mesmo a ser ofensiva a nível local.
E, nestes 22 anos de permanência em Macau, tenho tentado evitar utilizar essa expressão.
Nada de especificidades para não ferir susceptibilidades tem sido o lema.
Mas, como as bruxas em Espanha, mesmo que não se fale de especificidades em Macau e de Macau, “que las hay, las hay”.
A Assembleia Legislativa é um bom exemplo dessa realidade.
Na legislatura que ontem terminou tivemos recentemente dois exemplos muito claros desse facto.
Acho que só em Macau seria possível ver dois deputados, proponentes de um projecto de lei, abster-se no momento da votação do mesmo.
Groucho Marx recusava fazer parte de um clube que o aceitasse como membro.
Estes dois deputados recusaram aprovar um projecto de lei que eles próprios, em conjunto com outros, apresentaram.
Numa sessão que teve longas horas de intermináveis discussões, várias curvas e contracurvas, foi também muito curioso ouvir uma deputada fazer tábua rasa das recomendações da Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa, e, a coberto da imunidade parlamentar, fazer um apelo mais ou menos descarado ao voto em si própria e na sua lista.
Querem mais específico que isto?!
Cada vez gosto mais do slogan dos Serviços de Turismo – “Num mundo de diferenças, a diferença é Macau”.
Um slogan que tudo diz sem nunca fazer referência a especificidades.

14 comentários:

  1. A política só Deus para consertar rs
    Achei estranho eles mesmos não aprovarem uma lei que apresentaram rs

    Blog | Facebook | Twitter | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavra de honra que aconteceu, Lizzie.
      Por mais bizarro que seja, e é muito, aconteceu.

      Eliminar
  2. Esses dois deputados e Passos Coelho deveriam juntar-se e fundar um novo Partido.

    Isto porque para justificar a sua falta de pagamento à Segurança Social o antigo Primeiro.Ministro afirmou desconhecer a lei...que tinha sido aprovada durante o seu mandato como deputado!!

    Como se vê...as especificidades abundam :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E em Portugal não há problemas em falar nelas, São.
      Há é muita falta de vergonha.

      Passos Coelho que foi alvo, melhor, a esposa, mais soez e nojento que vi recentemente.
      Como é que se chama o fdp que teve o mau gosto de dizer que afinal não havia só uma cabeça rapada em casa do Passos Coelho??
      Há limites que NUNCA se podem ultrapassar!

      Eliminar
  3. Amigo, que eles não se aperfeiçoem
    espiando o Brasil!!

    abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pelo que vou vendo é melhor procurarem aperfeiçoamento noutras paragens, margoh.
      Abraço

      Eliminar
  4. Num território que é um mundo há um mundo de diferenças. Especificidades, não é Pedro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São especificidade, muito específicas, mas não se pode falar nelas, Agostinho.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Um texto muito bom, objetivo e esclarecedor. Esses políticos seriam cômicos, se a situação no País não fosse trágica.
    Abraços Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui (vivo em Macau) não há problemas Centelha Luminosa.
      Há muito dinheiro, dinheiro a mais, tudo se perdoa.
      Abraços

      Eliminar
  6. Concordo consigo, são situações insólitas e caricatas.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não fosse grave dava vontade de rir, Majo.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Toda a razão, Pedro. Contado ninguém acredita... É preciso ter muita cara de pau.
    Beijinhos,
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece mentira, não é, Mor??
      Que tristeza!
      Beijinhos

      Eliminar