14 de junho de 2017

The show must go on and the show will go on


Jeff Sessions, procurador-geral dos Estados Unidos, em depoimento no Senado, na maioria das questões com que foi confrontado, aos costumes disse nada.
O sigilo das questões a serem tratadas, a relação de confiança com o Presidente, as habituais justificações (desculpas??) para não falar, para dizer muito sem dizer nada.
Já não foi assim, e foi até muito assertivo, quando confrontado com um possível conluio com entidades russas que terão conduzido a interferência destas nos resultados das eleições americanas.
Aí sim, Jeff Sessions negou veementemente essa possibilidade, declarou-se ofendido e difamado (vamos ver se reage judicialmente a essas ofensas e difamações e contra quem).
Antes de Jeff Sessions quem também tinha sido bastante assertivo, e também tinha deixado muitas questões sem resposta, tinha sido o antigo director do FBI, demitido sumariamente por Donald Trump, James Comey.
James Comey que não se engasgou nem lhe doeu a voz para dizer alto e bom som que tem a certeza que houve interferência russa no processo eleitoral norte-americano que conduziu à eleição de Donald Trump.
Se houve interferência russa (alguém tem dúvidas disso??), se não passou por Jeff Sessions, que pelos vistos só se encontrou com dignitários russos para beber vodka, afinal quem foi o operacional que fez esse trabalho sujo?
Ou foram muitos?
Segue-se o depoimento do genro de Donald Trump, Jared Kushner.
Provavelmente também para negar quaisquer contactos com a Rússia.
O circo americano continua.
No dia em que Jeff Sessions se apresentava quase angelical no Senado, Donald Trump e os seus colaboradores deram a conhecer um exercício de pura bajulação parola de um bando de lambe-botas perante uma figura cada vez mais ridícula que vai vendo o seu papel de Presidente dos Estados Unidos reduzido a um triste espectáculo mediático.
The show must go on and the show will go on.

28 comentários:

  1. Mais um circo que passou... Os democratas não foram muito assertivos nas suas perguntas. They just couldn't nail the guy. A very slimy fellow. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele beija-mão a Trump é do mais ridículo e infantil que já vi na vida.
      Esta gente não tem mesmo noção do que está a fazer, Catarina.

      Estou sem acesso ao Yahoo.
      Estou a ver os comentários no próprio blogue porque o Yahoo está a zero.

      Eliminar
  2. Se as coisas continuarem assim ainda vamos ver o Trump abraçado a querido líder da Coreia do Norte.
    Um abraço.
    Autografos Futebol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse para o Trump e a pandilha dele ficarem por lá... :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. E continua o desfile das tristes e ridículas atitudes que este "senhor" nos presenteia.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele bajulação ministerial é do mais deprimente e cómico que já vi, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Lamentavelmente , Trump está rodeado de criaturas sem coluna vertebral .... o pior é ter o Poder que tem!

    O espectáculo prossegue, será que vai dar em alguma coisa importante?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se desse num pontapé no rabo gordo da criatura era óptimo, São.
      Mas não parece que seja esse o caminho.

      Eliminar
  5. Certo que "The show must go on and the show will go on", mas as figuras tristes que ontem vimos nas TVs os ministros de Trump fazerem é de países com regimes ditatoriais. Não me surpreende que Trump tivesse exigido expressamente (é audível e visível nas imagens) a lambedura de botas. Já me surpreende e assusta o facto de os seus colaboradores terem aceite a exigência do chefe todos "certinhos direitinhos". Os EUA estão a trilhar um caminho de gelo muito fino, e ou os próprios Republicanos colocam um ponto final no caminho, ou o fim deste irá ser um desastre para a América e concomitantemente para o resto do Mundo. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior são esses estilhaços que atingirão os outros, Corvo Negro.
      Os americanos escolheram o traste que se entendam com ele.
      O problema é que corremos todos o sério risco de comer por tabela.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Este tipo não é o primo do Elmo da rua Sésamo?

    LOL

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é uma ofensa para o bom do Elmo, Cláudio Gil :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Calma...
      ...eu não disse que era o Elmo! Perguntei se não seria um primo, por causa das parecenças físicas. Afinal, todas as famílias têm uma ovelha negra...

      LOL

      Eliminar
    3. Concordo plenamente. Aliás, é preciso ser muito cool para não perder a compostura tendo a Katy Perry ao lado, vestida com um decote até ao umbigo, e aos pulinhos...

      :)

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Quando se pensa que se bateu no fundo aí vem mais uma prova que não foi bem assim, Elvira Carvalho :(
      Abraço

      Eliminar
  8. O circo britânico é, na minha opinião, muito mais dramático.

    Boa semana 🌹

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não chega ao americano, Teresa.
      Aquilo é único.
      Boa semana

      Eliminar
    2. Os meus amigos britânicos sofrem com o circo da Theresa May. Enquanto que o circo americano é, apenas, uma réplica, ainda mais absurda do circo Watergate. Os americanos são assim...

      Eliminar
  9. Depois de ter visto aquela demencial sessão de elogios a Trump, por todos os membros do governo, já nada me espanta. Nem sequer que comecem a comparar os EUA à Coreia do Norte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qual é a grande diferença entre ver umas centenas a gritar e abanar as mãos e ver ali uma dúzia a abanar a cauda, Carlos??
      Deprimente!

      Eliminar
  10. É sempre bom vir aqui e ficar a saber os devaneios absurdos destes senhores.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devaneios, por devaneios, os meus são bem mais interessantes, Manu :)
      Beijos

      Eliminar
  11. «Se houve interferência russa (alguém tem dúvidas disso??)»

    Toda a gente que tenha dois dedos de testa. E só quando aparecer uma prova digna desse nome é que mudaremos de opinião.

    Até lá, a palavra do lacaio James Comey vale tanto como a água da minha retrete. E o Pedro Coimbra, como jurista, sabe disso perfeitamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afonso de Portugal,
      Isso é a lei.
      Para lá da lei há a nossa percepção, a nossa opinião.
      No dia em que essa percepção, essa opinião, for legalmente sustentada, provada, o cretino norte-americano vai à vida e vai preso!

      Eliminar