13 de junho de 2017

Quino

A genialidade deste artista produziu uma das melhores críticas sobre a educação dos filhos nos tempos actuais









21 comentários:

  1. Estes são os novos parâmetros das competências parentais. Os pais também devem ter sessões de formação para evoluirem... já imaginou educar os filhos segundo a ultrapassada metodologia e os desatuazidos valores? Os garotos seriam considerados seres de outros planetas. :)))

    Uma realidade assustadora, Pedro, agora que "escrevo" a sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tarefa de educar é das mais complexas e responsabilizantes que conheço, Catarina.
      Educar os garotos com os valores de antanho é condená-los ao ostracismo.
      Conseguir o ponto de equilíbrio é mesmo muito complicado.

      Eliminar
    2. Sem dúvida. Resta-nos saber que lhes inculcámos os valores que nos foram transmitidos, que lhes ensinámos como os utilizar... e depois deixemo-los voar, cometer os seus próprios erros e aprender a partir deles, prometendo que "aqui estaremos" se precisarem de um ombro, de uma sugestão...

      O mais difícil para mim é evitar dar conselhos/opiniões (de vez em quando) sem serem requisitados... Quando oiço: mom!! o meu comentário/resposta é: It is my job as a mom. :)))

      Eliminar
    3. Estou prestes a completar 53 anos de vida.
      E o meu pai continua a dizer-me o que ouviu do meu avô, Catarina - tenhas a idade que tiveres, estejas onde estiveres, há uma coisa que não muda - serei sempre o teu pai e assumirei sempre esse papel e essa responsabilidade.
      Digo o mesmo às minhas filhas sempre que se revela necessário.

      Eliminar
    4. De acordo. One hundred per cent!! :)

      Eliminar
  2. Uma crítica atual e pertinente sobre os novos valores morais.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com a criatividade que só Quino tem, Elvira Carvalho.
      Um abraço

      Eliminar
  3. o importante será também mostrar o exemplo Pedro! porque as palavras são bonitas, mas se não as pomos em prática, há conflito e passamos por gente de pouca confiança !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tema constante de conversa familiar, Angela.
      Blá, blá, blá, não serve de nada se a prática não condiz.
      Tento ser um (bom) exemplo para as minhas filhas.
      Só elas poderão dizer se sou ou não.

      Eliminar
  4. "E o meu pai continua a dizer-me o que ouviu do meu avô, Catarina - tenhas a idade que tiveres, estejas onde estiveres, há uma coisa que não muda - serei sempre o teu pai e assumirei sempre esse papel e essa responsabilidade.
    Digo o mesmo às minhas filhas sempre que se revela necessário."

    Bravo, e assim deve ser. A nível de hoje aqui no Brasil os maiores desajustes da juventude, provém da liberdade exagerada concedida pelos país, que no mais das vezes querem é livrar-se odos problemas dos filhos, principalmente na idade aborrecente.
    Muito bom, seguir os conselhos do seu pai!

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha filha mais velha está a estudar em Hong Kong.
      Este fim-de-semana celebra-se aqui o Dia do Pai.
      E ela já me disse que vem cá passar o fim-de-semana comigo e com o avô materno (o avô paterno vive em Portugal).

      A mais novinha anda a planear estudar os últimos anos do secundário na Austrália ou Canadá juntamente com uma prima para depois seguir lá os estudos superiores.

      Queria tê-las sempre ao pé de mim, debaixo da minha asa.
      Sei que não pode ser assim, sei que lhes tenho que dar espaço, que tenho que as deixar crescer.
      Por mais que isso me roa as entranhas, sei que tem que ser assim.

      E tenho que confiar que os pais lhes transmitiram educação e valores para elas se saberem comportar seja onde for e seja com quem for.

      Não sou bruto, não sou rude, abomino qualquer tipo de violência, mas elas sabem, como eu sempre soube com os meus pais, que há uma linha vermelha que nem sequer se pisa, muito menos se transpõe.

      Abraços

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Achei genial.
    Caloroso abraço. Saudações geniais.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vindo de Quino não é de esperar outra coisa, Amigo João Paulo de Oliveira.

      Eliminar
  6. Os novos valores né...lamentável que temos que presenciar isso!
    E vai piorar!!

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas não temos que nos resignar, Pamela Sensato.
      Bem pelo contrário.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Mas no abraço final pode estar a estragar todo aquele esforço educativo!
    (e ainda bem se assim for)
    um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O abraço final é o final da mensagem - há sempre esperança num melhor amanhã, Gábi.

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Como bem aponta a Gábi, corrigida no final, Majo.
      Bjs

      Eliminar
  9. Valores satirizados de uma forma brilhante.
    O pior mesmo é que em muitos casos são colocados em prática na sociedade em que vivemos.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sátira é isso mesmo, Manu - pegar na realidade e caricaturá-la.
      Quino é brilhante nessa tarefa.
      Beijos

      Eliminar