13 de junho de 2017

Coreia do Norte experimenta o garrote chinês


Kim Jong-un conseguiu irritar o seu único aliado, o grande sustentáculo político e financeiro do regime norte-coreano.
A suspensão das importações de carvão norte-coreano por parte da China deixaram as exportações norte-coreanas grandemente abaladas.
Desde Abril Kim Jong-un viu as sua exportações de carvão para a China virtualmente reduzidas a zero, um cenário que se deverá manter pelo menos até final do ano.
As sucessivas diatribes do tiranete norte-coreano, a pressão política e diplomática a que estava sujeita a China, levaram Pequim a abandonar o apoio ao regime norte-coreano.
Isolado, fechado, abandonado, o regime norte-coreano ou muda completamente a sua atitude ou pode começar a conhecer o princípio do fim.
Kim Jong-un nunca acreditou que fosse a China a aplicar um garrote ao regime norte-coreano.
Um garrote que não tem fins terapêuticos, que não estanca uma qualquer hemorragia.
Este é um garrote que pode, à semelhança dos instrumentos de tortura e suplício utilizados em tempos idos em Portugal e Espanha, estrangular a vítima e fazê-la sucumbir depois de grande dor e sofrimento.
Infelizmente uma dor e sofrimento que por certo afectará sobretudo o já muito sacrificado povo norte-coreano.
O princípio do fim da dinastia Kim e do execrável regime político norte-coreano?
Lá mais para o final do ano já poderemos ficar com uma ideia mais precisa acerca desta possibilidade.

30 comentários:

  1. Não creio que esteja perto o fim dessa ditadura a não ser que o povo, cansado, se revolte em massa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero ver até onde vai a determinação da China, Catarina.
      Se Pequim apertar mesmo o garrote o regime morre estrangulado.

      Eliminar
  2. A ver vamos como diz o cego. Ser´que a China, leva a sério o castigo, ou é apenas um "ralhete de pai" ?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo que também quero ver, Elvira Carvalho.
      Se é mesmo para valer ou se é, como na balada, nuvem passageira.
      Abraço

      Eliminar
  3. Este é um garrote que pode, à semelhança dos instrumentos de tortura e suplício utilizados em tempos idos em Portugal e Espanha, estrangular a vítima e fazê-la sucumbir depois de grande dor e sofrimento.... Pedro que horror esta frase !
    segundo li, o garrote era ainda o que podia utilizar como ato de misericórdia, muito mais rápido do que outros métodos que existiam não so por cá mas por todo o mundo
    senão veja, este,
    http://www.france-pittoresque.com/spip.php?article7839

    Deus nos livre de tamanhos horrores :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A frase não é tão horrorosa quanto o regime norte-coreano, Angela.
      Um psicopata que deixa o povo passar por necessidades do mais básico e elementar, que mantém esse povo nas trevas, que é um assassino implacável, é muito mais horroroso que qualquer frase escrita num post de um blogue.

      Eliminar
  4. O problema da ditadura é é que provoca cansaço ao povo mas tb dormência. O povo dessespera mas impossibilitado de lutar deseja que a ajuda chegue.
    Às vezes um às vezes não.c esperemos
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O povo norte-coreano nem se apercebe da crueldade do regime, AvoGi.
      Estão doutrinados desde pequeninos a pensar que vivem num paraíso e que são governados por visionários.
      E é isto que aprendem desde pequeninos.
      Bjs

      Eliminar
    2. É essa a ideia que tenho deles. Vai ser um choque e muitos iriam desejar voltar ao «conforto» familiar das suas sofriveis vidas, se por acaso experimentarem um pouco do que existe fora dali...

      Muitos nem têm televisão. Se calhar alguns nem viram um automóvel. Pensam que estão a ser protegidos do mal do mundo... O mundo tem muitos males também fora dali, é verdade. Mas aquele é mais um campo de concentração do que um paraíso.

      Eliminar
    3. Eu prefiro ter que enfrentar todos os males e poder fazer as minhas escolhas livremente do que estar a viver na ilusão, no obscurantismo, Portuguesinha

      Eliminar
    4. Nós temos essa preferência Pedro, por termos crescido e termos sido criados na crença (com um pouco de ilusão) de que somos e só podemos ser livres. Está na constituição. É um DIREITO. Mas eles reconhecem essa segurança e conforto no "líder". A sua existência é essencial para a estrutura de tudo o que conhecem - pensam. Se este morrer ainda julgam que é o apocalipse. Quem ali ousa pensar por si mesmo e o manifestar sofrerá o pior dos destinos. Mas tomara que a situação que estivesse próximo do fim. Tomara.

      Eliminar
    5. É evidente, Portugueisnha.
      Quem nasce, cresce e vive doutrinado daquela maneira só conhece uma realidade.
      É trágico e ainda será mais no dia em que o regime cair.
      Que não faço ideia quando será.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Agora é um jogo de determinação, António.
      Para ver até que ponto vai a determinação da China, para ver até que ponto vai a determinação e resistência norte-coreana.
      Com o povo a sofrer.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Sábias palavras, pedro.
      É um jogo de determinação. Esperemos que não haja batota por debaixo do pano.

      Eliminar
    3. Isso já não posso assegurar, Portuguesinha.

      Eliminar
  6. Esperamos todos que seja o principio do fim deste tresloucado, só tenho pena daquele povo.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Francisco, o que me revolta é que quem continua a sofrer é aquele martirizado povo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Pobre povo, que mais uma vez será quem sofre, mas que o regime finde.

    O garrote foi utilizado em Espanha pela vez derradeira, em 1975, salvo erro, para execução de dois etarras.

    Tudo de bom .Aqui muitooo calor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um instrumento de execução e tortura horrível que me veio à memória precisamente por causa do sofrimento do povo norte-coreano.

      Por aqui, e depois de um dia de tufão, o abafado típico nestas situações.

      Tudo de bom.

      Eliminar
  8. Vamos lá a ver se é desta que o rapaz perde o pio.
    Um abraço.
    Autografos Futebol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos esperar para ver, Francisco Emanuel.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Muita água ainda vai correr debaixo da ponte, Pedro.
    Mas tomara que fosse... O povo do norte MERECE à muito conhecer a VIDA fora daquelas limitações que lhes são impostas. Muitos nem não têm noção do tamanho do mundo, do mapa do mundo, do que existe nele... Pensam que não à recursos... pensam que a vida é só o que conhecem. Estão totalmente isolados e mentalmente manobrados. É um povo que MERECE conhecer outras realidades.

    Mudanças são sempre UM CHOQUE. E geralmente, infelizmente, o que vem a seguir ocupar o lugar não é coisa melhor. Mas um povo longamente sofrido MERECE respirar ares mais saudáveis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que esse inevitável choque chegue o mais rápido possível, Portuguesinha.
      E que o povo norte-coreano possa ser contaminado com todos os males que agora simplesmente desconhece porque lhes são ocultados e negados.

      Eliminar
  10. Ter que esperar até ao fim do ano
    e entretanto ser o povo a sofrer mais?
    É uma triste situação.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revoltante, Irene Alves, revoltante.
      Um abraço

      Eliminar
  11. Não sabia, quando li pensei também que os primeiros a sofrer serão os mais humildes, não deve ser nada fácil viver lá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os relatos daqueles (poucos) que conseguem escapar ao regime são horrorosos, Gábi.

      Eliminar
  12. É deveras confrangedor a condição do povo que vive tiranizado e no obscurantismo, pensando que tem o melhor governo do mundo...
    O maluquinho do ditador não vai dar parte de fraco... ainda vai causar muita dor de cabeça...
    Beijinhos, Pedro.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente também é essa a ideia que tenho, Majo.
      O minorca não vai desistir facilmente.
      Até porque sabe que, nesse caso, ou a China o protege, ou está a assinara uma sentença de morte horrível.
      Beijinhos

      Eliminar