29 de junho de 2017

Insurreição ou encenação?


Nicolás Maduro está a perder o controlo sobre as polícias e o exército ou está a orquestrar uma encenação teatral para poder endurecer as suas acções agora que cada vez mais percebe que já há muito perdeu a rua?
Esta é a dúvida que fica após o ataque com um helicóptero em Caracas contra as instalações do Tribunal Supremo de Justiça e outras instituições governamentais.
Uns tiros disparados, umas granadas lançadas, nenhuma vítima, nenhum alvo em concreto a ser atingido.
Para quê?
Para os oposicionistas mostrarem que são capazes de roubar equipamento militar, utilizá-lo, atacar pontos nevrálgicos de Caracas sem que as forças de segurança lhes façam frente?
Não faz muito sentido.
Se o objectivo é atacar militarmente o regime isso normalmente consegue-se em segredo, com surpresa, com acções e com objectivos muito concretos.
Maduro já fala em perseguir os autores do que classifica como atentado terrorista, e os que os apoiam (sublinhe-se esta última parte) sem piedade, fazendo uso de "toda a força".
No meio de tantas dúvidas o episódio ocorrido em Caracas só deixa uma certeza e só alcançou um resultado - ficou a pairar no ar de Caracas um intenso cheiro a esturro.

Intemporais (79)

28 de junho de 2017

Guerras no século XXI


Vivemos um tempo que conhece novas guerras, mais sofisticadas, com outras armas, que se disputam a par com as formas mais tradicionais de combate.
Desde ontem o Mundo está novamente sob ataque, mais uma vez sob ataque informático.
Uma nova guerra mundial, cada vez mais frequente, mais difícil de combater e com um inimigo sem rosto.
Mais um vírus informático, mais um ransomware, desta vez o Petya, em tudo similar ao célebre WannaCrypt.
O que estes poderosos vírus fazem é afectar indefinidamente todos os computadores onde se conseguem infiltrar, institucionais ou pessoais, restringindo o acesso dos usuários aos mesmos.
Acesso que só será completamente estabelecido se for pago um resgate a estes piratas.
Piratas que são invisíveis, que não fumam cachimbo ou usam pala no olho e perna de pau.
Uma vez que o resgate é pago normalmente em bitcoin é virtualmente impossível seguir o seu rasto até aos piratas que o exigiram.
Nem será preciso chamar a atenção para os potenciais perigos que esta situação encerra.
Que maneira mais fácil terão grupos terroristas, países economicamente isolados, de se financiar, do que este recurso à sabotagem e ao resgate?
Financiamento ainda para mais totalmente incógnito e virtualmente impossível de investigar.
A nova guerra, há muito temida e há muito falada, já está aí.
Não envolve o armamento tradicional, não se disputa no terreno.
Envolve as novas tecnologias, essenciais no dia-a-dia de particulares e empresas e disputa-se na realidade virtual que é o espaço informático.

No tempo da minha infância (Ismael Gaião)


Com um profundo agradecimento a todos os que me felicitaram no meu dia de aniversário deixo aqui um pouco de nostalgia em forma de poesia.
Abreijos