2 de fevereiro de 2017

Coimbra em 1979







































49 comentários:

  1. Bela série de transportes em Coimbra é um importante documento e com muito interesse.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha 15 anos na altura, João Menéres.
      E lembro bem esses anos.
      Assim como o eléctrico que o meu avô materno conduzia e os comboios onde trabalhou o meu avô paterno.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. As fotografias não são minhas, João Menéres.
      Quem me dera ter este talento...

      Eliminar
  2. Fantásticas estas fotografias de Coimbra, foi um belo "mergulho" no passado.

    ResponderEliminar
  3. Não sei se o comentário que fiz entrou mas vou repeti-lo. Gostei bastante de fazer este "mergulho" no passado com estas belas fotografias de Coimbra, fotografias de uma grande beleza.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma Coimbra que ainda recordo, Francisco.
      Tinha 15 anos, tinha acabado de mudar de um Colégio de Jesuítas para o Liceu D. Duarte.
      Aquele abraço, bom resto de semana

      Eliminar
  4. Espetacular, recordo os comboios, os eletricos e os autocarros. Tão, mas tão diferentes dos dias de hoje...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordo todos estes cenários, Chic'Ana.
      Com saudade?
      Nem por isso.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Excelente reportagem de tempos idos. Gosto muito destas fotos antigas que normalmente trazem boas memórias.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas memórias, Manu?
      Algumas.
      Outras nem por isso.
      Foi uma época complicada.
      Que não recordo com grande saudade, confesso.
      Beijos

      Eliminar
  6. Memórias para recordar. Por aqui de vez em quando também há estes refrex de memórias...
    Adoro
    Kis:=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como se dizia no verso da canção, "recordar é viver", AvoGi.
      Bjs

      Eliminar
  7. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Por Chronos, como o tempo urge.
    No ano de 1979 eu tinha 26 anos e também foi o ano do nascimento do meu filho primogênito, o Fernando Henrique de Oliveira.
    Como sabes cultuo sobremaneira tudo que está relacionado a memória e estas fotografias captaram e eternizaram momentos significativos do cotidiano da tua cidade de nascença.
    Fico cá a divagar se teus saudosos avôs materno e paterno eram - respectivamente - eram os condutores de um eléctrico e do comboio.
    Caloroso abraço. Saudações memorialistas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu avô materno conduzia eléctricos, Amigo João Paulo de Oliveira.
      O meu avô paterno trabalhava no caminho de ferro, não conduzia comboios.
      E perdeu o braço direito, decepado pelo comboio, ainda muito novo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Não sabia que Coimbra tinha elétricos. Ainda tem? Fui a Coimbra apenas uma vez por poucas horas por altura da queima das fitas mas não recordo de os ver.

    C

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teve, Catarina, teve.
      Um deles, o 7 do Tovim, era conduzido pelo meu avô materno.
      Está a fotografia dele à frente do eléctrico, em tamanho gigante, num dos centros comerciais (no tecto do último andar) de Coimbra (o Fórum).
      Comovo-me sempre que lá vou.

      Eliminar
  9. Um portfólio interessante.
    Já quase não me lembrava desta Coimbra assim...
    Pedro, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda a recordo bem, Jaime Portela.
      Continuação de boa semana.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Que maravilhosas fotografias, dá vontade de ter vivido nesse tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um tempo que teve coisas boas, outras nem por isso, Olivia.
      Prefiro recordar as boas.

      Eliminar
  11. Estive agora a passar lá um fim de emana , matando saudades.

    Felizmente, a tricana estava já limpa, a ladeira do Quebra-Costas já é uma escadaria e , finalmente, pude maravilhar-me com o Mosteiro de Santa Clara, a Velha.

    Desejo bom Fevereiro, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ali ao lado do Mosteiro fica o Liceu onde fiz o décimo e décimo primeiro anos, São - o D. Duarte.
      E há ali uma casa que vende uns scones que são uma delícia!
      Bom Fevereiro

      Eliminar
  12. Coimbra não mudou muito, Pedro.

    Aquele abraço, meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente tenho que concordar, Ricardo :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Há quase 38 anos, Pedro !!! ... Calculo quantas saudades !
    Eu já tinha 38 anos ! Tinha estudado no Porto, mas ia, ou passava, pelo menos uma vez por ano por Coimbra e mantenho algumas recordações desse tempo , o tempo do "basófias" !
    Uma boa colecção que mesmo a preto e branco e até por isso é "valiosíssima" ! :)

    É bom recordar ! :)

    Abraço !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Bazófias é agora o nome do barco que faz a volta no Mondego, Rui.
      A minha mulher e as minhas filhas foram fazer a volta entre Coimbra e Ceira no ano passado.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Não sabia, Pedro. Certamente sabe que me referia ao Mondego, que de um fiozinho de água no Verão se enchia de tal modo no Inverno, que galgava tudo ! rsrs ... Daí o "basófias", a armar-se em grande ! eheh
      Abraço

      Eliminar
    3. Claro, Rui.
      E é daí que vem o nome do barco.
      Muitas tardes passei no Verão no Choupal na companhia da família!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Não conheço suficientemente Coimbra para fazer comparações,
    mas a avaliar pelo que se passa em Lisboa, não há alterações
    significativas... Que «atraso de vida»!
    Uma ótima coleção de fotos, para «mais tarde recordar»...
    Beijinhos, os primeiros do ano do galo de fogo.
    Que seja um bom ano e que haja chuva para amenizar o fogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coimbra parou muito no tempo, Majo.
      Continua a ser a cidade dos estudantes e a viver à volta disso.
      Não chega, é preciso muito mais.
      Beijinhos

      O Galo chegou com a novidade, que já nem é grande novidade, que este ano não haverá verdadeiramente Inverno.
      Depois digam que não há alterações climáticas...
      O Inverno mais quente desde 1955.

      Eliminar
  15. Coimbra e as suas lições feitas recordações.
    Gostei da reportagem.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os anos pós-revolução, António.
      Ainda com alguma confusão à mistura.
      Aquele abraço

      Eliminar
  16. Ai as saudades!!! Não estudei em Coimbra - sou «supé-lisboeta, sei lá!» mas lembro-me bem desses transportes públicos bem antigos. Por essa época, ia a Coimbra todos os meses reunir com a Fernanda Mota Pinto no âmbito da orientação de estágio de professores...

    Beijinhos lisboetas... :)

    (E o Ano do Galo começou bem? Hope so...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Paulo Mota Pinto foi meu colega de curso, Graça.
      Gente boa.
      Por esta altura tinha 15 anos e tinha entrado no Liceu D. Duarte ali logo à entrada de Coimbra, em Santa Clara.

      O Ano do Galo começou com todas as tradições associadas ao Ano Novo Lunar.
      E com a novidade de termos tido o mês de Janeiro mais quente dos últimos 62 anos.
      Inverno, este ano, parece que nem vê-lo.

      Beijinhos de um conimbricense em Macau

      Eliminar
  17. Uma excelente colecção! Infelizmente tenho frequentado Coimbra com alguma regularidade desde à 23 anos para cá, acredite que não teve grandes alterações.

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, Adélia.
      Coimbra parou no tempo.
      Infelizmente é essa a dura realidade.
      Beijinhos

      Eliminar
  18. Cheguei a Portugal em Dezembro de 1979 e só conheci Coimbra já nos anos 80. A caminho do norte e regresso o autocarro parava em Coimbra. Duas das vezes avariou e nas três horas que esperei conheci um pouco mais dessa bela cidade.

    Acho que ao veres versus recordares esses tempos a saudade deve bater mais forte...ó se bate né Pedro?

    Beijocas e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há coisas e pessoas que me trazem saudade, Fatyly.
      Outras, com toda a franqueza, nem um pouco, bom pelo contrário.
      Foi em Coimbra que nasci e vivi.
      Passei lá muito bons momentos, outros muito maus.
      Não esqueço uns nem outros.
      Beijocas, bfds

      Eliminar
  19. Não imaginava tantos meios de transporte em Coimbra Pedro !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos já não existem, Angela.
      Até aquele comboio vermemelho, que me levava à Lousã para ver o Rali de Portugal e que devia ser substituído por um metro de superfície.

      Eliminar
  20. 12 anos antes (1967) vivi lá durante 3 meses. Não era muito diferente, não

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente Coimbra parece que parou no tempo, Carlos.

      Eliminar
  21. Bom trabalho para conferir as alterações que entretanto se verificaram.
    1979 parece-me que foi ontem mas, pensando bem, foi há uma vida e muita coisa mudou.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha 15 anos na altura, Agostinho.
      Lembro bem a Coimbra desses tempos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  22. Pois, já houve uma Coimbra assim, agora está cheia de envolventes circulares. Poderão ser úteis, mas esvaiu-se algum encanto.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fora da cidade, AC.
      Porque lá dentro infelizmente muito pouco mudou.
      Aquele abraço

      Eliminar
  23. 79 foi um ano de más recordações, para mim.

    Ao olhar as fotos, ainda que não reconheça os locais, parecem-me fotos mais antigas.
    No fundo, tudo são recordações, não é Pedro?

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pela data em rodapé são todas de 18 de Maio de 1979, Janita.
      O ano em que mudei de um colégio privado para um liceu público.
      Beijinhos

      Eliminar