8 de fevereiro de 2017

A França na aurora e no ocaso da Europa?


O dia 7 de Maio de 2017 poderá ser um dia tristemente célebre para a União Europeia.
Porque essa é a data da mais que provável segunda volta das eleições presidenciais em França.
E é a data em que, a verificar-se uma vitória da Frente Nacional nessas eleições, se começará a contar o prazo para o fim da União Europeia.
Acompanho os muitos analistas e comentadores que vêem numa possível vitória da Frente Nacional nas eleições francesas o estertor da União Europeia.
Depois do Brexit, agora já com o beneplácito do Parlamento britânico, um abandono da França do clube europeu significaria por certo o fim de um sonho.
Um sonho que se poderá dizer começou com a Declaração Shuman no dia 9 de Maio de 1950, que continuou em Paris no ano de 1951 com a criação da Europa dos Seis (Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que agrupava a Alemanha, França, Bélgica, Itália, Luxembrugo e Países Baixos), e que foi evoluindo de uma Comunidade Económica Europeia (Roma, 1957) para uma União Europeia, de uma união estritamente económica para um projecto de integração política em todas as suas dimensões.
Desde o início desta aventura a França sempre esteve na linha da frente, sempre se apresentou como um dos fundadores e maiores impulsionadores do sonho europeu.
A mesma França que não estará agora à frente na hipotética destruição desse sonho porque a eurocéptica Grã-Bretanha se antecipou nesse papel.
Mas que poderá ditar a sentença final nesse possível processo de auto-destruição do sonho europeu.
Decepada de dois dos seus membros mais influentes e mais poderosos (França e  Grã-Bretanha), não se afigura verosímil a manutenção de um projecto europeu com a Alemanha como grande (único?) motor económico e político.
Paris, que esteve na aurora do sonho europeu, poderá muito bem aprestar-se para assumir papel primordial no seu ocaso.

41 comentários:

  1. Respostas
    1. É muito isso, Catarina.
      Esperemos por Maio para ver se restará União Europeia e com que futuro.

      Eliminar
  2. Não é preciso ser bruxo, para adivinhar tempos conturbados para esta união europeia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses tempos conturbados já estão aí, Elvira Carvalho.
      Só têm tendência a piorar.
      Um abraço

      Eliminar
  3. dizem que o dinheiro manda nas decisões Pedro!
    haverá por agora mais dinheiro a ganhar com a destruição da Europa do que com a continuação da mesma ?!
    não percebo onde, poderá ser com a desvalorização das moedas ou algo do género ? haverá alguma publicação sobre o assunto ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vejo qualquer vantagem económica na destruição da UE, a primeira economia mundial (não, não são os Estados Unidos ao contrário do que se pensa e diz), Angela.
      A explicação para essa destruição não passará por questões económicas.
      Muito mais políticas - nacionalismo e fecho de fronteiras no topo.

      Eliminar
  4. Triste realidade esta que estamos a viver na Europa Desunida.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou um europeísta, Francisco.
      Mas um europeísta muito desiludido com os desvarios políticos e burocráticos que a União Europeia tem sofrido.
      Ainda quero acreditar no sonho dos pais fundadores.
      Mas confesso que está cada vez mais difícil e parece cada vez mais distante.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Um cenário, cada vez mais, real atento aos "tiros nos pés" que os candidatos à Presidência de França teimam em dar.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho dúvidas que Marine Le Pen passará à segunda volta das presidenciais em França, Ricardo.
      Tremo só de pensar numa possível vitória dela e no que isso iria desencadear noutros países e na União Europeia.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Não quero acreditar nessa possibilidade, mas com o que se tem visto ultimamente... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não quero acreditar que isto aconteça.
      Mas lá que é possível, lá isso é.
      Muito cuidado para não apanharmos outra surpresa desagradável...

      Eliminar
  7. Estou a ver que o pessoal anda a escolher os revolucionários todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não são revolucionários, Olivia.
      São nacionalistas, racistas, xenófobos, e estão a crescer como cogumelos.

      Eliminar
  8. Mas não tem sido a Alemanha a verdadeira beneficiada da UE ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é a eterna discussão, João Menéres.
      Será a Alemanha o motor ou o grande beneficiado pela existência da União Europeia?
      Em termos económicos, obviamente.
      Se formos pensar em política, em cultura, em valores humanistas, a conversa é outra.
      Motor ou beneficiado?
      Nunca ninguém pensou aqui também numa espécie de terceira via?
      Não será a Alemanha as duas coisas???
      Repito que estou só a referir a vertente económica.

      Eliminar
  9. Depois do Trump ter ganho, só espero que a Marine Le Pen não vá pelo mesmo caminho...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse só Trum e Marine Le Pen, Chic'Ana...
      Olha para a Holanda, a Hungria, a Turquia, a Itália, isto na Europa.
      Olhe aqui para o lado para as Filipinas.
      E vê esses mesmos nacionalismos, esses mesmos tiques autoritários, essa tentação do orgulhosamente sós na perspectiva século XXI - eu, eu, eu, depois eu, no fim ainda eu.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Vitória de Marine Le Pen, um cenário que a meu ver é improvável. O universo de votantes não será favorável a uma conjuntura de extrema direita.
    Embora sem confiança na tal Europa Unida, acredito que atempadamente os políticos com mais influência saberão 'dar a volta'.
    Estarei enganado? Quero acreditar que não.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As sondagens, com todas as surpresas que nos têm dado, apontam todas no sentido de uma grande derrota de Marine Le Pen na segunda volta, António.
      Mas, cautelas e caldos de galinha...
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. O BREXIT e o DONALD TRUMP são um caldo de galinha muito quente.

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Em risco de desmoronamento, AvoGi.
      Esperemos que ainda esteja em condições de ser salva.
      Bjs

      Eliminar
  12. É altura de reflectir, porque os populistas da Direita (também há populistas da Esquerda) estão a ganhar terreno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um pouco por toda a parte, Teresa, não é só nos Estados Unidos e na Europa.
      E o que é mais assustador é que têm muitos apoios.

      Eliminar
  13. Diz-se que a história não de inventa: repete-se!
    Tomara que não aconteça tal e que a Europa não se torne num exemplo a repetir por esse mundo, e que Trump se "embrulhe" nas suas próprias idiotices(muito embora este tipo de idiotas tenha sempre uma porta de serviço por onde sempre se escapam).
    Akele abraço pah!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso a minha tristeza (é mais do que decepção, é tristeza) de ver o sonho europeu, que tanto acarinho, esboroar-se a pouco e pouco, Kok.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Um "parto" muito difícil o desta Europa idealizada há quase 70 anos e de que poderá resultar em aborto ! :(
    No entanto, ainda tenho esperanças que isso não venha a acontecer ! Não consigo imaginar uma Europa como antigamente e Portugal de novo isolado e "orgulhosamente só" ! :(((

    Abraço, Pedro. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu confesso que não consigo imaginar uma Europa novamente fechada nas suas fronteiras, longe das liberdades que se foram conquistando e consolidando ao longo destes anos, Rui.
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Amigo também estou profundamente preocupada.
    E as coisas em Portugal também não estão nada bem.
    Estamos(temos que estar) lucidamente preocupados.
    Abraço,amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo esse o espírito, Irene Alves - lucidamente preocupados, descreveu muito o sentimento que nos deve mover.
      Um abraço

      Eliminar
  16. Quem acompanhou o sonho que presidiu ao surgimento deste novo mundo, dos Homens que tanto lutaram por ele, só pode sentir uma mágoa imensa, uma revolta sem nome.
    Apetece perguntar: vale a pena lutar por ideais? Muitos afirmarão sem hesitar, que sim, temos disso provas inequívocas, mas que tipo de ideais?
    Pois, desgraçadamente o problema reside aí.:(

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda acredito que vale a pena lutar por ideais e que o sonho europeu vai sobreviver a mais esta tormenta, GL.
      Sem os ingleses?
      Pois que seja.
      Estiveram sempre com um pé dentro e outro fora...
      Bjs

      Eliminar
  17. Também não acredito que a UE sobreviva se a França sair. Mas é esperar para ver... ;)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha grande esperança é uma derrota estrondosa de Marine Le Pen, Teté
      Seria desastroso se essa figura sinistra ganhasse as eleições em França.
      Beijocas

      Eliminar
  18. Respostas
    1. Neste a em muitas outras situações, Carlos.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  19. É muito preocupante o que se está a passar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver o lado positivo das coisas, Gábi?
      Talvez assim acabemos por dar mais valor ao que temos e que tantas vezes temos desdenhado.

      Eliminar
  20. A União Europeia é a Nova União Soviética:

    http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/06/a-uniao-europeia-e-nova-uniao-sovietica.html

    Abaixo com a União Europeia!

    Viva Marine Le Pen!

    Viva a Frente Nacional!

    Viva a França livre!

    ResponderEliminar