24 de janeiro de 2017

O Homo Erectus e o Homo Sapiens Sapiens estarão em perigo?


Já não é a primeira vez que isto acontece.
Hoje, mais uma vez, senti-me um estranho quando entrei no elevador do local de trabalho.
Um elevador cheio (já é um hábito, mas isso são outras contas...) de gente dobrada sobre os seus telemóveis, de gente concentrada num mundo virtual que se distrai e afasta do mundo real.
E é assim no elevador, nas ruas, nos restaurantes, nos carros (condutores incluídos...).
O telemóvel, que supostamente deveria aproximar as pessoas, vai-as afastando cada vez mais, vai-as isolando cada vez mais.
Que espécie de hominídeo estamos a inventar nesta era?
Depois do Homo Erectus, que há cerca de 1.6 milhões de anos passou a andar de forma erecta, o que se seguirá?
Um hominídeo de pescoço e coluna vertebral dobrados incapaz de olhar à sua volta?
Será que chegou o dia tão receado por Albert Einstein? 
O dia em que a tecnologia se sobrepôs à humanidade e o Homo Sapiens Sapiens começou a regredir ("Temo o dia em que a tecnologia se sobreponha à humanidade. Então o mundo terá uma geração de idiotas")?
Se ainda não chegou fica a forte sensação que caminhamos perigosamente nesse sentido, que caminhamos perigosamente no sentido de um abismo que os idiotas de que falava Einstein não irão ver à sua frente porque estarão dobrados a olhar para o telemóvel que lhes ocupa as mãos e a mente.

58 comentários:

  1. A tecnologia é uma espada (ou faca) de dois mundos, Pedro, como sabemos.

    Buckminster Fuller disse: humanity is acquiring all the right technology for all the wrong reasons.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo (Catarina?),
      A faca de dois gumes está a ter uma utilização irracional, idiota.
      Não era mesmo essa a ideia :(

      Eliminar
    2. Sim! Quando escrevo no tablet saio anónima. Esqueci-me de "assinar". : ))

      Eliminar
    3. É o que eu digo. No tablet, escrevo uma palavra e aparece outra. Agora é que reparei. “gumes” em vez de “mundos”.

      Eliminar
    4. Já me saiu cada coisa aqui no IPad!! :))))

      Eliminar
    5. Ahahah.
      Intuo uma ironia...
      Ipads, smartphones, tablets... num post sobre a dependência e o uso destes Kkkk

      Eliminar
    6. O meu Ipad já me fez passar vergonhas, Portuguesinha.
      Se estamos distraídos aquela coisa vai buscar cada palavra que até assusta!

      Eliminar
  2. Poise entao o novo homo Tera olhos de boi e pilha ao centro...
    Ou sera atropelado pelos carros que querem andar sozinhos e QUANDO les apetece. The brave new world!
    Cumprimentos Sr Pedro Coimbra, para si e familia.
    Mas entao quando e que a China vai construir mais uma ilha e aeroporto no South CHINA Sea?!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é a pergunta do milhão de euros, Augie Cardoso...
      Mas não deve tardar muito.
      Cumprimentos

      Eliminar
  3. Penso que continuo HOMO SAPIENS SAPIENS.
    Habitualmente só utilizo o telemóvel duas ou três vezes por dia ( não incluo as vezes que vou conferir as condições atmosféricas, pois tenho esse vício ).

    Um abraço, Pdro Coimbra ( já disse à minha nora que a Maria tem uma protectora ).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela e a Mariana gostam mesmo uma da outra, João Menéres.

      E a Mariana também gosta muito de telemóveis.
      Nisso não sai nada ao pai.
      Só por necessidade.

      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Infelizmente é mesmo uma geração de idiotas amigo Pedro, a coisa que mais me aflige é ir a um restaurante e ver as pessoas que supostamente deveriam estar em convívio, estarem concentradas nos seus telemóveis, é horrível.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passo-me completamente quando isso acontece, Francisco.
      E já tive umas pegas com a minha mulher e as minhas filhas por causa disso.
      Aquela treta existe para facilitar a comunicação, não é para lhe pôr fim.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Einstein tinha razão, Pedro.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em muita coisa, Ricardo.
      Neste particular também, infelizmente.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Estamos num dilema inquietante, porque se de um viés o mundo cibernético mudou radicalmente nosso modo de vida, que nos possibilita interagir com pessoas, que em outras circunstâncias seriam remotíssimas as chances de conhecê-las, bem como graças ao oráculo moderno, como diz o nobilíssimo cientista Marcelo Gleiser, que nos revela de pronto a informação que solicitamos, em contrapartida tem o viés inquietante a que se referes, que é tornar onipresente o mundo virtual em detrimento do mundo real.
    Caloroso abraço. Saudações inquietantes.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tecnologia faz sentido quando aproxima as pessoas, não é quando as afasta, Amigo João Paulo de Oliveira.
      É irritante!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. As pessoas perdem completamente a noção do que os rodeia, é incrível..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que já não é a primeira vez que dou uns empurrões a quem parece que está noutro universo, Chic'Ana.
      Se estou com pressa...
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Uso muito pouco o telemóvel, que quis só com as funções de receber e efectuar chamadas, nada mais.

    SE Darwin estiver correcto e se Trump ou outro desvairado qualquer não nos matar com uma guerra nuclear, provavelmente chegaremos a um ser de cabeça curvada, sim

    Bom dia, aqui, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazer e receber chamadas, receber e enviar mensagens.
      Pouco passo disto, São.
      Tenho o plano mais básico e mesmo assim nunca o esgoto.
      Aqui já é noite

      Eliminar
  9. Confesso que a minha postura não é das mais direitinhas mas não se deve ao uso do telemóvel. Já vem desde criança e agora é difícil corrigir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não sou nada do género que engoliu um garfo, Olivia.
      Mas isso também não tem nada a ver com o telemóvel - defeito de fabrico :))

      Eliminar
  10. Realmente faz impressão olhar à nossa volta e ver um grande número de pessoas debruçadas a teclar e completamente alheadas do que se passa ao redor.
    Felizmente só o uso para receber ou fazer chamadas e até me considero uma nulidade no que toca a outras funcionalidades.
    Tenho um filho que na passagem de ano, onde estavam cerca de 30 amigos, a primeira coisa que fez foi recolher os telemóveis deles e colocá-los num saco, assim não se perdeu o convívio saudável.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  11. Estupidez massiva com tendência a tomar contornos imprevisíveis.
    É pena que assim seja mas é e não me parece que haja algo a fazer para inverter a situação.

    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já perguntei a quem, em hora de ponta, me fazia estar à espera no elevador, se estava a falar com o Papa, António.
      Se fosse assim até compreenderia...
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. Uma evidência já certa, mas com um enorme problema pela frente !
    É que os próximos 10 anos irão ter um enriquecimento tecnológico equivalente ao dos últimos 50 anos !
    Daqui a 5 anos tudo será completamente diferente e "nesse aspecto" para "pior" ! Teremos tecnologias novas e inimagináveis, em tudo !!!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E com tanta tecnologia ainda não consegui responder ao desafio de hoje :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Em breve teremos a tecnologia incorporada... Não sei se deva :) se deva :(

    ResponderEliminar
  14. E se fossem só os telemóveis. às vezes quando leio certas coisas sobre mistérios da terra, por exemplo, gigantes da ilha da Páscoa, Piramides etc. Penso que a terra já deve ter tido uma civilização extremamente avançada. Talvez mais do que a nossa. E se houve, que lhe aconteceu? Autodestruiu-se, por ter reconhecido que tinha chegado a um ponto sem retorno? É para aí que estamos de novo a caminhar? E quem ficará depois? As tribos de alguns lugares da terra onde ainda não chegou a civilização? Para recomeçar do zero?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As grandes civilizações da Antiguidade acabaram, entraram num processo irreversível de implosão, Elvira Carvalho.
      Oxalá não estejamos a caminhar nesse sentido...
      Abraço

      Eliminar
  15. Aplausos para os sítios onde se vê a placa: "não temos wifi. Conversem entre vocês" =)

    ResponderEliminar
  16. A inserção da internet na nossa realidade foi tão rápida que não deu tempo para acompanharmos e avaliarmos seus benefícios e malefícios. Essa semana eu estava esperando meu horário para o odontologista e fiquei preocupada com a sensação de silêncio num local onde havia mais de dez pessoas na mesma sala. Cada um em um canto ligado em alguma rede social, outros falando ao celular. Hoje em dia sorrisos, cumprimentos esta fora de moda. As pessoas quase nem olha quem estão ao seu redor. O avanço tecnológico na comunicação durante as últimas décadas é indiscutível. Ao mesmo tempo em que ela traz grandes benefícios, pode criar sérios problemas, principalmente a saúde. Nos dias de hoje é difícil encontrar alguém que não tenha um celular com 3g no bolso, um computador com internet em casa ou algum outro aparelho eletrônico também com acesso à internet. Eu sou bem curiosa em relação à tecnologia, e gosto muito das facilidades que ela me traz, mais não vivo sobre o domínio dela. Difícil dizer o mesmo da minha família e amigos. Eles não vivem sem o celular.

    Boa semana Pedro!
    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tecnologia não tem em si mesma nenhum mal, Smareis.
      Como em tudo o resto, os problemas chegam com os abusos, os excessos.
      Abraços, boa semana

      Eliminar
  17. Pedro, infelizmente acho que isso vai acontecer e é lamentável que assim suceda ! :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que caminhamos inexoravelmente nesse sentido, Ricardo :(

      Eliminar
  18. Eu costumo dizer: ausente dos presentes presente nos ausentes.
    Caminhamos para uma geração em que crescerá o carrrolo (pescoço atrás) tal como as mulheres girafa
    Kis :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa postura, em muito devido ao ritmo do dia-a-dia, Já não é a mais correcta.
      Não contentes com isso ainda estamos a agravar o problema, AvoGi :(
      Bjs

      Eliminar
  19. Este post lembrou-me o cartoon que vi do homem do futuro - era baixinho, careca, com uma grande cabeça, pernas curtinhas e um grande polegar...não parecia assim muito atraente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas parece que é isso que nos está reservado, Gábi... :(

      Eliminar
  20. Não há pachorra para esta malta sempre vidrada nos telelés... Ao meu telelé até há quem chame sabonete, dado o formato pequeno e antiquado e não fazer mais nada para além das triviais chamadas telefónicas e sms's! :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabo de ver algo que me fez rir a bom rir, Teté - uma idiota a tirar uma selfie antes de entrar no elevador.
      Mas esta gente não tem noção do ridículo??? :)))
      Beijocas

      Eliminar
  21. Para evitar esse retorno é que os alentejanos dizem - em alguns cafés e restaurantes - que não têm Wifi e recomendam que conversem uns cus outros, Pedro.
    Os alentejanos é que ainda irão safar o mundo de colapsar. :))

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se nã fossem os nossos compadres era uma perdição, Janita.
      Estes dependentes do telemóvel irritam-me até à medula!
      Beijinhos

      Eliminar
  22. E começa nas crianças.
    O filho chora, está insuportável, dormiu mal, comeu mal, pega-se no gadget...este resolve o problema dos ais e dos filhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por isso mesmo que hoje não vivem sem essas porcarias, Maria Araújo.

      Eliminar
  23. Como leu os posts que eu escrevi no CR sobre IA, nada tenho a acrescentar, a não ser que me congratulo por saber que o Pedro partilha das mesmas preocupações ( e irritações, vá lá...) É que esta dependência do TM já é doença. E séria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tira-me do sério, Carlos.
      Ontem vinha uma tonta ao meu lado a falar ao telemóvel enquanto conduzia.
      Da Taipa até Macau.
      Já em Macau, quando parámos no semáforo lado a lado, a gaja olha para o meu carro.
      E eu bati-lhe palmas.
      Continuou agarrada àquela porcaria como se nada fosse.
      Não vale a pena, é mesmo patológico.

      Eliminar
  24. PULL THE PLUG.

    Caríssimo pedro, a tecnologia é como uma droga da qual muitas não abdicam e estão totalmente dependentes sem perceber. E falo em particular de instituições e empresas, onde tudo é feito por computadores.

    Mas sabes uma coisa? Não há NADA tecnológico que não dependa da sua própria «droga» - a ELECTRICIDADE.

    Resumindo: Se um dia ficar-se sem electricidade, fica-se sem vida, sem dinheiro no banco ou a possibilidade de o levantar, porque os computadores não funcionam, porque não sabem como trabalhar sem uma máquina que lhes indique valores. Volta-se às praças e mercados, ao comércio tradicional, onde a interacção é instantânea e simples de entender. Não existem terminais de pagamento por cartão - com pin ou contactless - Só moedas e notas. Enfim... Até se ganharia alguma coisa e alguma qualidade de vida.

    E para ficar sem electricidade não é preciso muito. Aliás, não é preciso quase nada. Basta um país entrar numa guerra ou ser atacado, para todos os seus recursos desaparecerem num ápice. Se estourar uma guerra mundial... Cruzes credo! bato na madeira... três vezes! mas existem guerras neste mundo e essas privações são bem conhecidas dos povos que as conhecem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho nada contra os avanços tecnológicos, Portuguesinha.
      Fico danado com os abusos que são cometidos com essas novas facilidades.
      Tira-me do sério!!

      Eliminar