12 de janeiro de 2017

E aprende-se a dizer saudade

Confesso que me emocionei como nunca antes em presença de um acontecimento político, nacional ou internacional, quando há oito anos ouvi o discurso inaugural do então recentemente eleito Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Hussein Obama.
Sentia-se que se estava perante alguém que devolvia esperança a um Mundo em grande turbulência, a um Mundo em muito e há muito deprimido.
“Yes, we can”, dizia-nos Obama.
Parecia um sonho, parecia delírio.
Nesses oito anos ficou muito por fazer (Guantanamo, terrorismo, violência racial, controlo de armas a nível interno e internacional…).
Mas muito foi feito também.
Acima de tudo o aparecimento de uma nova esperança e de uma nova forma de fazer e de estar na política.
Aquele que se entende ser o homem que ocupa o posto mais poderoso à face da Terra revelou-se um ser humano profundamente bondoso e incrivelmente simples.
Ao mesmo tempo que se revelava resoluto no exercício das suas funções, Barack Obama, sempre acompanhado pela extraordinária Michelle Obama, mostrava-nos que é possível ser-se uma pessoa profundamente decente e honesta no exercício de cargos políticos.
O casal Obama mostrou ao Mundo que pessoas excepcionalmente cultas e inteligentes, que ocupam cargos de extraordinária visibilidade e responsabilidade, podem e devem ser em tudo iguais a nós.
O mesmo casal Obama que devolveu dignidade, respeitabilidade e elevação ao exercício da política e devolveu a esta actividade o carácter nobre que há muito parecia perdido.
Se fora com emoção que ouvira Obama dizer ao Mundo “Yes, we can”, é com emoção que agora vejo o casal Obama despedir-se da Casa da Branca.
Ouvir Barack Obama no seu último discurso enquanto Presidente dos Estados Unidos, ouvir Michelle Obama no seu discurso de despedida enquanto Primeira Dama, faz-me sentir um privilegiado por ter podido assistir a este pedaço de História que foi a presença do casal Obama na Casa Branca.
Ao mesmo tempo que me faz compreender muito melhor os versos da canção de Coimbra, da Coimbra que foi o meu berço – “e aprende-se a dizer saudade”.

56 comentários:

  1. Eu não poderia expressar-me melhor que o Pedro ao dizer a mesma coisa. Como foi possível que um Trump viesse a seguir, como?

    Ouviu a conferência de imprensa "do" Trump hoje? Que palhaçada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ouvi, Catarina, ouvi mais esse momento infeliz daquela coisa inacreditável que vai suceder a Obama.
      Lá vou eu citar o Artur Bual quando Pedro Santana Lopes foi substituir Teresa Patrício Gouveia - "É o mesmo que substituir a Mona Lisa por um mono liso".
      De Portugal para os Estados Unidos, de Pedro Santana Lopes para Donald Trump... :(

      Eliminar
  2. Grande tirada essa do Bual ( que cheguei a conhecer no monte dos Esquíveis, em Mourão ).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inesquecível, João Menéres.
      E acertada - saía uma Mona Lisa e entrava um mono liso :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. De certeza meu amigo que vamos ter muitas saudades de Obama e a sua presidência seria muito melhor se tivesse tido o apoio do Senado.
    Um abraço e continuação de boa semana.
    Andarilhar | Dedais de Francisco e Idalisa | Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não só não teve apoio como foi constantemente torpedeado, Francisco.
      Vou ter saudades do casal Obama.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Também ouvi os dois discursos e a despedida fez-me chorar pela retirada de um homem com H grande. Subscrevo tudo o que dizes.

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é só o homem, Fatyly.
      Michelle Obama é extraordinária.
      Beijocas, um bom dia para Portugal

      Eliminar
  5. Lembro que durante muitos anos, o meu presidente dos Estados Unidos preferido, sempre foi John Kennedy.
    Obama fez-me esquecer Kennedy.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obama é muito mais decente que Kennedy, Elvira Carvalho.
      Obama é um homem de valores, Kennedy era um bon vivant.
      Um abraço

      Eliminar
  6. Excepcionais,sem dúvida. Penso que mais não conseguiu porque não deixaram.

    É agora como é que se passa para um Trump?!?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi constantemente boicotado, Golimix.
      Trump é uma realidade que não consigo explicar.

      Eliminar
  7. Belíssima homenagem, Pedro!
    Texto bonito, profundo e sentido.
    Concordo plenamente.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obama foi o político mais decente e simples que vi na minha vida, Célia.
      Abraço

      Eliminar
  8. Ricardo Meneses deixou um novo comentário na sua mensagem "E aprende-se a dizer saudade":

    He will be missed, Pedro.

    Aquele abraço.

    Publicar
    Eliminar
    Marcar como spam

    Moderar comentários neste blogue.

    Publicada por Ricardo Meneses em Devaneios a Oriente a 12 de janeiro de 2017 Ã s 20:10
    =áæösV·s¸oößNxåî=÷_ ¢{^žÔò¥ë^Æßá¶i\…ªìzÕ À¨ž×§µ:ÚžÇÞ¬Iܡا‚«¨µçi®)íi¹^†Ù¥…杶+e{ûb¶W¿…æn‡rj Þpá¶Úlÿü0Á¹h‚ «r‰¿¦º ŠW¿×­zó]6ïžúßݸÛÍýF' ­Ú zw¬zÏÚu豢릞‹èr‰žžÐ· Zâ¢v¬¹©žžÆ zj®¢Ö¡­ç÷ m§ÿÝzö§z*,jŠâz{^nZ ²š-r‰¿ÛM{ÿMyªkzw^±çbÍêìjçZuèmšQ ¦·§uë iسz» ¹Ö{öªº‹[­ºÇ{ ¥•·¦ŠË t÷®†ëýºÿ «ž•æ›­ · º ­ºÚ†·ŸÜ8m¶›?ÿ 0nZ êÜ¢oÜ¢ižžÙ¨uêÚµç(ø«™Ú –ˆ põç­|Û~7ëM½óûëÚh²Ò Ü=wÓ}´Û¾}ç_wãvâËZ¶ë7 ² Ú$z}ÃÓa»–@@ á›ZÞ}HÇ×—`3 ü3Æ'õC'yJÇß› my Ð:¤ãÄ &;Iy& pø¸ ¡àp#hÛ ã»F' "¤P‘+â
    5þê†a (ÚÂñ-Œ@û›–' ¯ö›­¨kyýÆÛi³ÿðÃ å¢ ­Ê&ýÊ&™é횇^­«^r‰ßŠ¹¡¹h€€÷ ^z×Í·ã~´Ûß9ß¾½¦‹- =Ã×}7ÛM»çÞu÷~8÷n,µ«n³pÓD ‡ ;h‘é÷ M†îY †mkyõ# ^]€Ì{ðÏ ŸÕ å+ ~leµäG@꓏ t˜í%ä˜iÃâà2‡À£lgŽí œlŠ‘BD¯ˆ40×ûª „ £k Ķ1 %Šh§j¿Ún¶¡­ç÷ m¦Ïÿà –ˆ z·(›÷(šg§¶j z¶­yÊ'~*æv†å¢ Ü=yë_6ߍúÓo|ç~úöš,´€÷ ]ôßm6ïŸy×Ýøãݸ²Ö­ºÍÃH𠶉 ŸpôØnå xfÖ·ŸR1õåØ Ç¿ ñ‰ýPÉÞR±÷æÆ[^Dt ©8ñ IŽÒ^I†œ>. (x Ú6ÆxîщÆÈ© $JøƒC
    º¡˜AÊ6°¼Kc 1ªÜj·(š‹)joÚn¶ëj Þpá¶Úlÿü0Á¹h‚ «r‰¿nZ êànZ =Ãמµómøß­6÷Îwï¯izwbž (šg§¶Ã(uêÚ¯öœ¢g§´-ÀÖ¸¨²w¬µæå¢ ž~‰ír‰h¯pà­¬¬‹7· fën³înXœiÖ©¢´bqªÝ ǧzǬzf¡­ç÷ m§ÿÝzö§z*,jŠâz{^nZ ²š-r‰¿
    ëڝ許£«‰éí{öš×g^©ÞŠº {m5í¨+j÷¬ÛMtýú'·öèw/á¶i}áæösV·s¸oößNxåî=÷_

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu comentário ficou assim, Ricardo.
      Mistérios do Blogger.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Ficou aqui uma boa caca, Ricardo.
      Sem ser culpado, peço desculpa na mesma.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. E vamos ter muitas saudades , sim, destes seres humanos.

    E como disse João César Monteiro: " Vamos passar da Mona Lisa para o Mono "(estou citando de cor.

    A minha geração é uma geração de mudança, que a tudo tem assistido(e participado) e assim ficará na História.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi o Artur Boal, quando substituíram a Teresa Patrício Gouveia pelo Pedro Santana Lopes, quem disse que era como substituir a Mona Lisa por um mono liso, São.
      Vou ter muitas saudades dos Obama, São.
      Gente simples, decente, culta, inteligente.
      Apetece-me juntar a minha voz à da multidão em Chicago - one more term!!!

      Eliminar
  10. Um presidente marcado pela postura correcta e sem escândalos..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E uma Primeira Dama extraordinária, Chic'Ana.
      Que saudades vou ter do casal Obama :(
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Acho que todos - ou quase todos - já sentimos saudade.
    Obama, não foi tudo o que prometeu e isso deixa um sabor a desilusão, mas não podia-mos esperar demasiado pois "uma andorinha só, não faz a primavera" ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel,
      Ele foi constantemente bloqueado e torpedado pelos Republicanos no Senado e no Congresso.
      Se já era difícil sem esses obstáculos assim tornou-se tudo muito mais complicado.

      Eliminar
  12. Quando os vi e ouvi pensei que assim ainda é maior o contraste com quem lhe sucede e como seria bom se pudessem ficar antes eles...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era o que gritava a malta em Chicago, Gábi - one more term!

      Eliminar
  13. Eu bem não queria, mas perdi um pouquinho o respeito pelos EUA quando, mesmo antes das eleições, vi que havia tantos apoiantes de Trump. Como é que é possível?! O casal Obama, é exemplar em tantas coisas, e deram uma lição ao mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trump representa do que é aquela América profunda de que tanto ouvimos falar, Briseis.
      Infelizmente é assim.
      O país mais poderoso do Mundo gosta de olhar para o seu umbigo, ostracizar os outros, ainda é profundamente racista, pouco culto (estou a ser simpático...), armamentista.

      Eliminar
  14. Confesso que já sinto uma certa nostalgia...e com medo do futuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho os dois sentimentos, Maria do Mundo :(

      Eliminar
  15. Palavras sentidas e com as quais estou em total concordância.
    Um casal que nos marcou pela simplicidade e honestidade.
    Vai deixar muitas saudades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitas, Manu, muitas.
      Acho que nunca senti tantas saudades, antecipadamente, de alguém na área da política.

      Eliminar
  16. Quem dera que todos os presidentes fossem como ele.

    Olá, sou a Olivia, nova por estas bandas. Gostei do blogue! **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Olivia,
      Seja muito bem vinda.
      Vou visitar o seu espaço daqui a pouco.

      Eliminar
  17. Saiba, Pedro, que apreciei sobremaneira o seu texto.
    Revejo-me nele e, com a sua permissão, 'assino-o'.
    "Yes, we did", disse Obama nesse discurso. Que pena ser uma expressão que apenas retrata o passado. Porque o futuro será, tudo indica, bem diferente para pior.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oxalá estejamos todos enganados, António.
      Infelizmente acho que temos todas as razões para temer o que aí vem :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  18. Partilho da tua opinião. Apesar do bloqueio republicano dos últimos 4 anos, Obama fez um grande trabalho.
    Claro que muito ficou por fazer e que não será feito tão cedo, pois o Trump que aí vem está mais empenhado em desfazer do que em outra coisa qualquer.
    Bom resto de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A primeira medida é desfazer o famoso Obamacare, Jaime Portela.
      O que faz todo o sentido.
      Onde é que já se viu dar acesso a cuidados de saúde virtualmente gratuitos a uns milhões de pessoas?
      O negociante que é Trump, e os idiotas que o apoiam, pura e simplesmente não percebem isso.
      É algo que nem faz sentido naquelas cabecinhas ocas.
      Aquele abraço

      Eliminar
  19. E estou agora mesmo a ver o Trump, ali no noticiário televisivo, ... tristeza. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos vê-lo muitas vezes, luisa.
      Ele adora aparecer, mostrar-se, ver-se na televisão e nos jornais.
      Podia chamar-se Narciso em vez de Donald...

      Eliminar
  20. SEguiu o comentário sem eu querer e sem este fim: assenta-lhe maravilhosamente!
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Blogger ontem pregou algumas partidas a algumas pessoas que aqui comentaram, papoila.
      De vez em quando tem destas coisas sem que a gente perceba porquê.
      Bjs

      Eliminar
  21. Escrevi um comentário que se perdeu, Pedro. :( Já que vejo a conta aberta e a caixa de comentários vazia.
    De qualquer modo, corroboro todo o seu sentimento de apreço e saudade, em relação ao casal Obama.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O comentário do Ricardo, da papoila, da Janita, do António...
      O Blogger de vez em quando tem estas maluquices que ninguém entende.

      Vou ter mesmo saudades deste casal, Janita.
      Se Barack Obama é único, Michelle Obma não lhe fica nada atrás.

      Beijinhos

      Eliminar
  22. Respostas
    1. Chegou mais tarde, António.
      Mas já está publicado.
      Uma série de pessoas teve problemas com os comentários e o estupor do Blogger.

      Eliminar
  23. é verdade Pedro parecia outro mundo, que parecia diferente do que se aprende nos livros (que os ricos pisam os pobres até dizer chega)
    mas pronto não há sol que sempre dure...
    boa noite
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com os Obama o Mundo e o mundo da política foram mesmo diferentes, Angela.
      Infelizmente tudo tem um fim.
      Bfds (já é sexta-feira em Macau).

      Eliminar
  24. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    E agora?
    Caloroso abraço. Saudações apreensivas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comungo do seu sentimento e faço a mesma pergunta, Amigo João Paulo de Oliveira :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  25. Apesar de Guantánamo, foram dois mandatos positivos. Vamos todos sentir muito a sua falta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O casal Obama, ela também é excepcional, é único, Carlos.
      Já tenho saudades deles.
      E nem quero pensar no que aí vem!

      Eliminar
  26. Olá Pedro. Adorei ler este excellente post. Aqui temos muitas saudades do casal Obama. Boa semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que, salvo raras excepções, toda a gente vai sentir saudades do casal Obama, The Reader's Tales :(
      Boa semana

      Eliminar
  27. Soberba crónica, Pedro. Obama é a prova viva de que o racismo não tem razão de existir mas, desconfio, que essa foi uma das razões pela qual não pode brilhar mais. A outra foram os grandes interesses económicos e financeiros que permanecem decisivos.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou ter tantas saudades deste casal completamente cool, Agostinho :(
      Aquele abraço

      Eliminar