27 de outubro de 2016

Recluso não pode fumar


Ainda não estávamos totalmente refeitos do choque provocado pelas declarações disparatadas e descabidas de Ng Kuok Cheong no plenário da Assembleia Legislativa de Macau e eis que, agora em sede de comissão especializada, os senhores deputados resolvem brindar-nos com mais uma pérola (sem brilho e cheia de imperfeições) para a colecção de tesourinhos que, com demasiada frequência, saem do cada vez mais pobre e triste órgão legislativo de Macau.
Um dos legados da presença portuguesa em Macau é, sem sombra de dúvida, o sistema jurídico aqui vigente e o conjunto de valores humanistas ligados ao mesmo.
Sendo verdade, também não pode haver dúvidas no que concerne ao facto de haver muita gente, inclusivamente com grandes responsabilidades a nível político e social, que nunca se deixou contagiar por tais valores, nunca os entendeu, nunca os aceitou, pelo contrário, contribui constantemente para a sua possível erosão.
Ouvir uma comissão especializada da Assembleia Legislativa discutir acaloradamente a possibilidade de serem reservadas áreas no Estabelecimento Prisional de Macau para os reclusos poderem fumar (a Lei nº 5/2011 consagra expressamente essa possibilidade na alínea 6 do nº 1 do artigo 5º) é, acima de tudo, muito triste.
Esqueçamos as teses de reabilitação e ressocialização do recluso, deixemos de lado a dignidade de quem está privado da sua liberdade porque foi condenado pela prática de um crime.
Vamos caminhar no sentido oposto, o sentido que toda a moderna criminologia recusa há já muitos anos, e vamos concentrar-nos no castigo, na punição.
E vamos levar esses castigo e punição a extremos.
Um recluso ter a possibilidade de fumar em espaços expressamente designados para tal? Que disparate!
Junte-se a fobia hipócrita ao tabaco à mente distorcida de alguns legisladores e o resultado envergonha qualquer pessoa com um mínimo de decência e sentido humanista.

22 comentários:

  1. É realmente mais uma pérola para a colecção.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é com cada uma, Francisco!
      Às vezes dá vontade de gritar e dizer asneiras.
      Aquele abraço continuação de boa semana também

      Eliminar
  2. Pedro, isso é caso para dizer, cada cavadela sua minhoca. :(((

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Ricardo.
      O Nuno pode confirmar - o nível dos deputados aqui, a maioria deles homens de negócios, é muito baixo.
      Politicamente então é próximo do zero.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. As cruzadas continuam bem vivas aí pela Terra. sem dúvida....

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os cruzados é que não são grande m€rd@, São :(
      Tudo de bom, seja bem regressada.

      Eliminar
    2. Conversas de café ou inquisição?
      Mandem-nos para a escola.
      Abraço.

      Eliminar
    3. A escola também não é grande coisa, Agostinho :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Mais um disparate a juntar a alguns outros.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Never ending story, António :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Quando a gente pensa que já nada nos pode surpreender ouve ou lê uma coisa destas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim já nada me surpreende, Elvira Carvalho :(
      Um abraço

      Eliminar
  6. Bem, mais um episódio sem dúvida um pouco insólito.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com os deputados que aqui temos já nada é insólito, Chic'Ana.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Ó meu Deus!! Moralismos parvos ou sadismo absoluto? Muito mau.
    (Mas muito bom o seu texto, Pedro! Dá gosto ler.)

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Moralismo parvo e hipócrita, Graça.
      Adorava saber quantos dos deputados que estão ali a perorar disparates para justificar(???) a proibição de fumar dos detidos são eles próprios fumadores.
      Já hoje respondi a uma pessoa muito amiga, muito importante na minha vida, que a proibição de fumar dentro da cadeia é óbvia.
      Porque é um espaço fechado e é proibido fumar em espaços fechados (o meu direito acaba onde começa o direito do outro).
      Na rua, no recreio, em espaços designados para o efeito?
      Porque não?
      Porque se está detido???
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Estou totalmente de acordo consigo.
    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A detenção não pode implicar perda da dignidade da pessoa, Majo.
      Como é que deputados não percebem isto???
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Que absurdo.
    Caloroso abraço. Saudações espantada.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é para menos, Amigo João Paulo de Oliveira.
      E esta gente ocupa cargos de grande responsabilidade.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Andam todos loucos e no poleiro mais loucos e hipócritas ficam. Que coisa Pedro é só disparates, bolas!

    Beijocas e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se tem que aturar, Fatyly! :(
      Beijocas, boa semana

      Eliminar