2 de agosto de 2016

As obras de misericórdia (2) Padre Anselmo Borges

No "Ano da Misericórdia", aí estão, com Xabier Pikaza, as obras de misericórdia. São catorze: sete corporais e sete espirituais. Vinculam a justiça e o coração: a misericórdia não pode esquecer a justiça, mas a justiça tem de ser mobilizada pela misericórdia. Para sermos humanos.

Obras de misericórdia corporais

1 "Dar de comer a quem tem fome". Há certamente muitas outras necessidades: afecto, cultura, carinho, palavra... Mas a maior e mais urgente é a comida. Nem só de pão vive o homem, mas sem pão não vive. É uma vergonha haver comida suficiente para todos e morrerem de fome todos os dias 40 mil pessoas (16 mil crianças). Há várias, mas duas são "as causas principais" da fome: o egoísmo de indivíduos e de grupos e a injustiça do sistema dominante.

2 "Dar de beber a quem tem sede". Sem água não há vida. Jesus disse: "Quem vos der de beber um copo de água não ficará sem recompensa." Multiplicar-se-ão os conflitos por causa da falta de água. O Papa Francisco chamou a atenção para isso na encíclica "Laudato sí", sobre a ecologia.

3 "Vestir os nus". "Os nus carecem de protecção pessoal, estão indefesos, desarmados, e à mercê da violência alheia." A roupa cobre, protege e dignifica. A nudez acaba por significar abandono e exclusão, e, sobretudo no caso das mulheres e das crianças, exploração e tráfico sexual.

4 "Dar pousada aos peregrinos". No Evangelho segundo São Mateus, são referidos concretamente os estrangeiros, aplicando-se o termo grego "xenoi" concretamente a homens e mulheres que formam parte de um grupo social e cultural diferente: "Fui estrangeiro e acolhestes-me ou não me acolhestes", dirá Jesus no juízo definitivo. "A pátria do cristão é o diálogo e o acolhimento."

5 "Assistir aos enfermos". Visitá-los, cuidar deles. Se, no Evangelho, há preocupação constante da parte de Jesus é pela saúde das pessoas, de quem cuida e que cura.

6 "Visitar os presos". Não se trata simplesmente de visitar. Trata-se de "oferecer-lhes assistência e cura, porque estão em necessidade (sejam culpados ou não) e porque podem curar-se".

7 "Enterrar os mortos". Miséria suprema: morrer e não haver ninguém a reclamar os mortos. Mas se isso acontece na morte, já na vida viveram abandonados. Esta obra de misericórdia realiza-se verdadeiramente não só na sepultura do cadáver, mas na exigência de acompanhar e ajudar na velhice, de modo eficaz, com dignidade.

Obras de misericórdia espirituais.

1 "Dar bom conselho". Uma tarefa de todos e para todos, mas de modo especial para os educadores, professores, conselheiros da consciência.

2 "Ensinar os ignorantes". Jesus foi um "mestre de sabedoria, que ensinou o povo simples, mal guiado por escribas ao serviço do poder religioso". Abriu os olhos das pessoas, para que pudessem descobrir o mistério de Deus e o seu amor para com todos, numa Escola de verdadeira Humanidade. O seu ensinamento não se dirigia à conquista do poder, mas ao serviço da sabedoria autêntica da vida plena.

3 "Corrigir os que erram". Os profetas bíblicos sabiam disto e, por isso, denunciaram e exigiram capacidade de mudança, não apenas na linha da interioridade, mas também no nível da transformação social. Sem conversão pessoal, não há justiça que baste.

4 "Consolar os tristes". Quem não precisa de consolação, em tempos de tanto desconsolo? Precisamos de quem seja fonte de paz para os outros, "para superar assim a depressão e a tristeza que vai crescendo como pandemia imparável numa Terra onde, ao lado de uma grande prosperidade, se estende a intransigência de alguns e a pobreza e desamparo de centenas de milhões de pessoas". Desamparo material e desamparo espiritual.

5 "Perdoar as injúrias". "Não se trata de perdoar, de um modo resignado, aguentando as injúrias, mas de converter o perdão em fonte de transformação pessoal e social. Quem perdoa não é cobarde, um ser passivo, incapaz de enfrentar o mal; pelo contrário, é alguém que vence o mal com o bem", confiando, portanto, na conversão de quem ofende.

6 "Sofrer com paciência as fraquezas do nosso próximo". Aqui, está-se numa perspectiva diferente da da anterior: já não se trata de perdoar aos inimigos, mas de suportar os defeitos daqueles com quem partilhamos o caminho: familiares, amigos, colegas. Há limites para o intolerável, mas é fundamental perceber que é preciso ter paciência com as diferenças e defeitos dos outros: "os puristas radicais destroem não só famílias, mas comunidades religiosas, igrejas" e grupos.

7 "Rogar a Deus pelos vivos e defuntos". Não se trata de espiritualismo perante o fracasso da vida, mas de comunhão profunda com todos no mistério da vida plena em Deus.

São também obras de misericórdia: proteger as mulheres, acolher/educar as crianças, perdoar as dívidas, libertar os escravos, partilhar os bens.

in DN 30.07.2016

12 comentários:

  1. Eu decorei-as, nas aulas de catequese, quando era menina
    e penso que nunca mais ouvi falar delas...
    Uma boa recordação!
    Beijinho.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já não as recordava, Majo.
      Temos Anselmo Borges para nos relembrar.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Eu ainda as sei de cor, mas sabes Pedro o que mais me incomoda, para não dizer irrita? É que falar, escrever, opinar pode ser competência de todos ou quase todos...mas EXERCER NO TERRENO a coisa pia mais fininho. E nisso a Igreja Católica, ou melhor dizendo algumas (muitas) freguesias com "grupos de paroquianos instalados e com várias funções" são de tal forma impermeáveis que até o próprio pároco por vezes nem sabe de missa a metade!

    Por exemplo e foi preciso EU por a boca no trombone:

    - Havia e há a distribuição mensal do cabaz alimentar para os mais desfavorecidos. Depois de uma grande e exaustiva comprovação da "dura realidade em que vivem e com o estômago a roncar há muito" surge a luz verde de irem buscar o dito. Já o referi várias vezes que ajudei dois velhos casais nessa luta porque não tinham ninguém de família. Com a vergonha instalada eu levava-os à dita Diaconia da paróquia- no último domingo de cada mês e ficava de longe a apreciar o andamento da coisa. Fiz várias vezes visitas no sábado à tarde a ver a preparação dos sacos. Pois amigo a minha indignação foi tal que um dia passei-me dos carretos e acho que num ano foi o único cabaz de jeito que lhes deram.
    Frescos? Zero!!!
    Carne/aves/peixe? Zero
    Produtos de higiene: uma escova de dentes, noutro mês um sabonete e por aí fora.
    Chegava cedo e via caixas e caixas de frutas e legumes a serem levados em duas carrinhas descaracterizadas. Para onde iam? Pois...
    Ficavam outras com tudo já muito adulterado...e podes imaginar o cenário.

    Ou seja as "corporais" foram banidas por este grupo impenetrável, certo? Não tivesse eu junto 5 vizinhas e todas as semanas competia a uma dar os frescos e carne etc. tinham morrido de fome e como é tão triste estender a mão! certo?

    Um dos casais faleceu (primeiro ele com 79 e quatro meses depois ela com 78). O outro conseguiram ir para o país dela (depois de um longo e penoso calvário).

    Foi aí que actuei em todas as frentes e pároco nem queria acreditar, mas acreditou e levou tudo até às últimas consequências. Uma razia e pouco me interessa se ficaram a saber se fui eu que alertei, porque não faço nada "anonimamente".Ponto!

    Portanto meu amigo todos da Igreja Católica devem deixar as poltronas vermelhas e andar mais no terreno. Este é um apelo constante do Padre Francisco, certo?

    Outro exemplo que já tem uns bons anos: apresentou-se o novo pároco e fez um apelo para a sua "casa paroquial": precisa de electrodomésticos...mas nada usados. Whatiiii?????
    Hoje farto-me de rir, mas na altura se tivesse sido filmada daria uma bela peça: Levanto-me e em alta voz (em fúria não preciso de microfone nenhum) e disse o que tinha a dizer mas educadamente. Houve imensa gente que bateram palmas talvez por não terem tido coragem de ter dito o que disse e saí porta fora!

    Os meus pais continuaram a ir à missa e eu nunca mais fui, mas o certo é que o tal "prior" não ficou e nem sei por onde anda ou se já morreu.

    Desculpa a extensão...mas sou pouco praticante nos "salameques" disto e daquilo, mas continuo a fazer TUDO até onde os meus braços chegam. Digo-te que também já recebi muito...gestos que jamais esqueço depois de ter vivido uma guerra civil dantesca onde o roncar do estômago sobrepõe-se ao medo e instala-se a indiferença e uma luta pela sobrevivência.

    Respeito todas as religiões mas sou contra todo o tipo de extremismo.

    Um abraço amigo e mais uma vez desculpa



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpar o quê, Fatyly?
      Um comentário extraordinário de uma pessoa excepcional?
      Li e reli com emoção e admiração.
      Esta Igreja é a Igreja que Francisco quer modificar.
      A Igreja que prega mas não faz, que fala mas não dá o exemplo.
      Vai demorar muito tempo, vão ser precisas muitas pessoas com a resiliência de Francisco e de cidadãos anónimos como a Fatyly para operar essa mudança numa Igreja cheia de vícios.
      Os crentes, e eu continuo a sê-lo, acreditam que essa mudança acontecerá.
      Porque há mais gente como a Fatyly a dar o exemplo.
      Bem haja por ser quem é.
      Um abraço amigo

      Eliminar
  3. É preciso isso Pedro mais actuação e menos falatório/artigos de jornal etc e tal.

    Outro exemplo que ocorreu na semana passada:

    Como sabes a minha mãe nos seus quase 87 anos sofreu um ataque cardíaco + enfarte ao que chamam síncope cardíaca. Esteve internada 15 dias e pôs o pacemaker. Na luta que travei para que tivesse calma no que tocava de voltar ou não à sua casa, a decisão dela foi de ir para um lar. Voltas e mais voltas, juntar os filhos, acordo fechado e...está num lar e muito bem tratada. Claro que lhe custou e custa muito e saudosista como é, estás a ver o filme.
    Ainda no hospital precisava de falar com um padre. Andei à procura do homem das calças pardas e nada. Pedidos feitos - reposta zero. O filme seguiu-se no lar que é de outra freguesia. Ela própria fez o pedido a duas que visitam o lar e que pertencem à igreja de lá, pois, pois...estava registado o pedido mas já tinham passado dois meses e a minha mãe sempre a falar disso.
    Para não ver as caras e ficar-lhes com um "pó", telefonei na terça da semana passada, depois de visitar a minha velhota. Fui bem atendida e expus a situação "à minha maneira" sem dó nem piedade! Para telefonar na quinta por volta das duas e meia da tarde. Não disse nada à minha mãe. Telefonei e passaram-me ao Sr.Padre. Falei-lhe do assunto e que ela era imensamente crente, etc, etc. o que não é mentira e "caramba Sr.Padre arranje um qualquer para ver se ela se acalma, porque se pede é porque precisa ou será que só se deslocam para casamentos, baptizados e extrema unção? Por dinheiro/bula/esmola??? Onde fica a dignidade da minha mãe ou de outro(a) católico cuja mobilidade é muito pouca e que não conseguem deslocarem-se à igreja ou ter quem os leve? Esperam que mais fusíveis se apagam? Estarei errada? Claro que não está. Prontificou-se a ir na sexta por volta das onze e trinta da manhã e para eu avisar o lar e sobretudo ela.
    Avisei e disse para avisarem a minha velhota. À noite telefona-me sempre e disse obrigado filha só tu...e que esperaria por ele.

    Na sexta às onze e meia da manhã telefonei para o lar e a directora disse-me que tinha acabado de levar o Sr.Padre à minha mãe.

    No sábado quando a fomos buscar para ir à praia até uma esplanada, nem parecia a mesma. Não sei do que falaram sei que estiveram mais de uma hora e que recebeu "o Senhor" como ela diz. Também disse apenas que tinha ouvido o que não gostou, mas interiorizou e que lhe dá toda a razão. Ainda gargalhou quando um dos meus genros virou-se para mim e disse: sogrinha finalmente vai deixar de ser saco de pancada, certo?)))) e foi uma tarde excelente.

    As minhas filhas e um genro foram baptizados e fizeram a 1ª. comunhão e deixaram por completo o que eu jamais questionei ou impus. O outro genro não foi baptizado e não fez a primeira comunhão. Nenhum neto é baptizado. Não professam nenhuma religião.

    Sei que é o maior desgosto da minha mãe, mas já lhe fiz ver que não tenho nada a ver com o assunto e que mais vale serem verdadeiros e sinceros do que muitos fantoches que existem...os tais grupos impermeáveis e ou ir à missa todos os domingos e mal saem continuam desavindos e girando apenas em torno do seu umbigo.

    É disto e contra esta postura que luto e este foi mais um obstáculo que consegui ultrapassar.

    Pior...foi o convite que recebi para me juntar a equipe...etc, etc. Respondi de imediato que já tinha uma grande equipe onde incluo os meus, vizinhos e amigos e que mal toco a sineta...fazem logo uma roda e damos as mãos. Hoje estive numa capelinha, sozinha e a conversar com Deus e olha que refilei muito, mas Ele soube acalmar-me e vim tão leve que nem acreditas:)

    Desculpa mais este testemunho mas sou como sou e não sei deixar de ser quem sou:)

    Beijos rapaz pelo incómodo e beijos a todos os teus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As minhas filhas são baptizadas, Fatyly.
      Mas, como o pai, não são praticantes.
      E isso não se obriga.
      Sente-se, educa-se, não se força.
      Quando sentirem vontade, quando sentirem o chamamento, elas próprias darão esses passo.
      Foi o que aconteceu com a Mariana na primeira comunhão.
      Quando é assim, e como sempre, aqui está o pai.
      Sempre ao lado delas, sempre disponível.
      Beijos (Qual incómodo? Óptima conversa, isso sim)

      Eliminar
  4. Mais um interessante texto de Borges.
    Grata pela partilha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desta vez chamando mais o lado religioso, o padre progressista, São.
      Sempre um prazer lê-lo.

      Eliminar
  5. E está aqui tudo o que um bom cristão ou uma pessoa de bom senso pode e deve fazer em relação ao outro.

    Gostei de reler e lembrar algumas regras, entre aspas.

    Beijinho, Pedro!

    PS: Ainda não conseguiu ver as fotos? Nem sequer o cabeçalho? Já experimentou no seu computador de secretária? Não sei o k possa fazer. Os outros seguidores têm-me falado das fotos, portanto, sinal de k conseguem vê-las.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou tentar ver hoje em diferentes plataformas, CÉU.
      Depois eu digo se consegui ou não.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Hoje, telefonou-me uma amiga, dizendo-me k não conhecia ver as fotos do blogue no smartphone ou tablet, não sei qual ela tem, mas k depois foi a "ver web" ou "ir web", não sei a expressão correta e viu toda a publicação.
      Sinceramente, não lhe sei explicar mais nada, pke de internet sou mais k básica.

      Deixe lá, fica pra próxima!

      Beijinho.

      Eliminar
    3. Eu logo vou tentar ver noutra plataforma.
      Beijinhos

      Eliminar