7 de junho de 2016

A montanha russa em que se transformou o processo do Hotel Estoril

O processo de requalificação do Hotel Estoril está transformado numa autêntica montanha russa.
Primeiro foram as intermináveis discussões acerca do valor patrimonial do edifício.
Depois de muitos estudos, muitas auscultações da opinião pública, muitos pareceres de especialistas, chegou-se à conclusão que a estrutura decrépita que ali permanece era mesmo para deitar abaixo.
E iria nascer no local um novo edifício, que se antevia icónico, porque assinado pelo vencedor do Pritzker, Álvaro Silva Vieira.
O que outrora foi o coração da cidade ganharia uma nova atracção, um novo interesse, uma nova dinâmica, uma nova vida.
Até que chegámos ao momento, neste jogo de “o que hoje é verdade amanhã pode ser mentira”, em se decidiu que será aberto um concurso público internacional para dar hipótese aos profissionais de Macau de também concorrerem.
Uma clara cedência a interesses locais, quiçá corporativos, por parte do poder político.
Abra-se um parêntesis para dizer que não acredito minimamente, ao contrário do que foi afirmado publicamente, que Siza Vieira, com o prestígio que acumulou, e depois de se ter pronunciado acerca do valor patrimonial do edifício e de lhe ter sido prometido que seria ele o autor do projecto, se venha a apresentar a concurso.
Mais tempo se vai despender, mais se vai arrastar o processo, para no final tudo o que eram os grandes objectivos e as grandes promessas para o local se verem afinal frustrados.
Quando chegará o tempo de tomar uma decisão política, a assumir em todas as suas consequências, e, sem hesitações, a levar até ao fim?
Quando é que os governantes de Macau vão finalmente perceber que é impossível agradar a tudo e a todos ao mesmo tempo?

24 comentários:

  1. Por vezes fazem-se "embrulhadas" de coisas que podia muito bem serem resolvidas com simplicidade e eficiência, realmente é impossível agradar a todos tomar decisões é isso mesmo.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esta malta parece não entender isso, Francisco - tomar decisões implica fazer opções.
      As quais, inevitavelmente, não vão agradar a algumas pessoas.
      Um abraço, boa semana

      Eliminar
  2. É o mal comum, querem agradar a gregos e troianos e depois não saem do mesmo sítio...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é que falou em arte do compromisso, Chic'Ana??
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Money makes the world goaround, the world go around...

    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que, com todas estas hesitações, está tudo parado, Ricardo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. NUNCA!
    Trocas e baldrocas, que eles sabem inventar, são ideias mocas, não te deixes enganar... versos de uma cantiga de Cândida Branca Flor.

    Beijinho, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou mais directo, CÉU - nem fazem nem saem de cima.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. "agradar a tudo e a todos ao mesmo tempo"
    Impossível. Porquê então insistir?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava de saber responder a essa pergunta, António....
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Se Siza Vieira vai concorrer ou não, não sei, sei que se fosse comigo não concorreria, que já se viu a falta de coluna vertebral do dono da obra... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nas últimas horas Siza Vieira enviou uma mensagem à TDM (rádio e televisão) onde dava conta de ter tomado conhecimento da decisão e aceitar naturalmente a mesma.
      Nem uma palavra acerca da vontade/hipótese de concorrer.
      Eu continuo a crer que não irá concorrer.
      A ver vamos, Teté.
      Beijocas

      Eliminar
  7. ~~~
    Sisa Vieira ficaria muito bem em Macau...

    Também é uma falta de reconhecimento pela herança

    construída que deixámos.

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquilo está podre, Majo.
      Já estava quando cá cheguei há vinte anos.
      Já devia ter vindo abaixo e já devia ter sido reaproveitado o local, outrora o coração da cidade.
      A ideia Siza Vieira era excelente.
      As pressões levaram a um recuo (mais um) sem qualquer sentido.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Queria dizer que é uma ingratidão
      não escolherem SV...

      Eliminar
    3. Pediram-lhe parecer acerca do que fazer com o edifício, chegou-se a um consenso acerca da finalidade, foi dito que seria ele a ficar encarregue do projecto (o que só enriquecia e dignificava Macau) e agora cede-se a pressões e recusa-se na decisão, Majo.
      Não é bonito, não fica bem, Macau perde a oportunidade de ter uma obra cujo projecto seria assinado por um dos grandes arquitectos vivos.
      Nem vale a pena dizer mais nada :(

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Parece não ter fim, Carlos.
      Há quantos anos é que aquela m&&&&@ está toda podre???

      Eliminar
  9. Com Siza Vieira haveria uma garantia de qualquer diferente e de qualidade arquitectónica !
    Ele é, de facto, um dos melhores do mundo !

    Abraço !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era isso que se dizia que se pretendia, Rui.
      Fazer ali uma obra icónica, com um projecto assinado por um arquitecto de grande prestígio.
      Mudaram a agulha.
      Outra vez!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. E Siza Vieira com tanto prestígio será que não vai a concurso apresentar o tal projecto.

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Siza Vieira enviou uma resposta telegráfica a dizer que tomou conhecimento da decisão e a respeita, Adélia.
      Nem uma palavra acerca da possibilidade de concorrer.
      Se estivesse no lugar dele eu não concorria.
      Beijinhos

      Eliminar
  11. é cada coisa nesse mundo. aff!!

    abraço de força e fé.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não dá para compreender, Sara com Cafe
      Um abraço

      Eliminar