2 de dezembro de 2015

Departamento de Português da Universidade de Macau a caminho da extinção?


A autonomia das instituições de ensino superior é tal que permite que estas contrariem as opções estratégicas, ou assim propaladas, do Executivo de Macau e da própria China?
A fazer fé nas notícias mais recentes será mesmo assim.
Quando o Executivo de Macau insiste no discurso da formação de talentos bilingues, ao mesmo tempo que cresce o interesse pela aprendizagem da língua portuguesa no interior da China, e aumenta a oferta desse ensino, o Departamento de Português da Universidade de Macau vai definhando.
Sorrateiramente, ao arrepio do que ficou consagrado na Declaração Conjunta e na Lei Básica, que conferem estatuto de língua oficial à língua portuguesa nesta Macau que é Região Administrativa Especial da China, ao arrepio do que é a estratégia lusófona delineada pelo Governo Central e assumida pelo Executivo de Macau, a Universidade de Macau caminha no sentido de liquidar o ensino do Português como opção.
Uma estratégia incompreensível, sem qualquer visão ou fundamento que não seja um qualquer complexo colonial perfeitamente descabido.
O mais revoltante é que, vindo de quem vem, vindo de uma Universidade que parece cada vez mais voltar as costas a Macau, contrariar o que são as grandes orientações políticas centrais e regionais, até já nem surpreende. 

28 comentários:

  1. Que pena, Pedro. A Universidade devia lutar pelo direito de ensino da Língua Portuguesa, se a isso fosse obrigada e não fazer precisamente o contrário.
    Mas enfim em todo o lado há dirigentes burros.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é mais curioso é que esta estratégia é precisamente o oposto do que é dito à boca cheia pelos dirigentes políticos locais e pelas autoridades centrais na China.
      E na China o interesse no ensino e na aprendizagem da língua portuguesa crescem a olhos vistos.
      Quem é esta gente que quer dar cabo daquilo que até decorre de obrigações legais assumidas a nível internacional??
      Um abraço

      Eliminar
  2. Pois é amigo é caso para dizer "olhem para o que eu digo e não para o que faço", porque é triste essa situação em prol do português.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao arrepio da lei e das orientações políticas, Fatyly :(
      Beijos, bom dia

      Eliminar
  3. Sendo assim a minha pátria fica mais pequena e diminuída, porque segundo o Poeta a minha pátria é a língua portuguesa.
    Ele à coisas incompreensíveis.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revoltante, Francisco, revoltante.
      Com a exposição que os meios de comunicação social em língua portuguesa (chapelada para o trabalho do canal em português da Rádio Macau) pode ser que haja bom senso e se recue nesta decisão aberrante.
      Explicada por motivos financeiros, vá-se lá perceber!!
      Um abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  4. ~ É incrível a ingratidão!!
    ~ Muito lamentável!

    ~~~ Beijinhos. ~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      A justificação (????) surgiu nas últimas horas - redução de custos.
      Estes tipos têm tanto onde cortar vão cortar no ensino de uma língua oficial??
      Os loucos tomaram mesmo conta do asilo!!
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Respostas
    1. É uma ofensa, Maria do Mundo.
      Nem mais nem menos que isso.

      Eliminar
  6. Aqui nada se sabe,

    E isto é uma péssima notícia.


    É possível a autonomia da Universidade ser tanta que possa contrariar a vontade e decisão políticas ?!

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que, com o barulho que se está a fazer (estou a fazer a minha parte também) os titulares de órgãos políticos intervenham e ponham fim a esta deriva louca, São.
      Não fosse este barulho e era tudo feito pela calada e dado como facto consumado.

      Eliminar
  7. A confirmar-se será um autêntico disparate.
    Esperemos que o bom senso prevalença.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um disparate, uma ofensa, o caminhar em sentido contrário às orientações políticas definidas, António.
      Tudo "justificado" com contenção de custos.
      Estes parvos ainda não perceberam que as instituições públicas não se dirigem como empresas privadas, como quintais de que eles sejam donos.
      Pobres de espírito.
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Uma péssima opção. É como diz, a política na verdade tem objectivos bem diferentes do anunciado ao público. É triste, sem dúvida.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia de deixar à frente da Universidade, que foi deslocada de Macau para a Ilha da Montanha (outra estupidez!!), um Reitor quer manifestamente não faz a menor ideia do que é Macau, nem quer aprender, dá nestes dislates, Carpe Diem.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Parece-me uma má decisão para ambos os lados. E uma falta de visão de Macau, que pelos vistas a China não secunda...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas que é isso mesmo, M. Campos - é não perceber o que é Macau e o que é que a China pretende que Macau seja.
      Vindo do cidadão comum era triste, grave.
      Vindo de uma Universidade é tudo isso e gera revolta.

      Eliminar
  10. Tb temos um departamento de Port. na Universidade de Toronto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui o Português é língua oficial, Catarina.
      Pelo menos até 2049.
      Uma decisão destas, para além de estúpida, é inclusivamente de duvidosa legalidade.

      Eliminar
    2. Tb sou de opinião que pode ser ilegal.
      Se nós temos em Toronto um Dept de Português, e esta língua não é oficial...

      Eliminar
    3. esse estatuto está consagrado na Declaração Conjunta (depositada na ONU) e na Lei Básica de Macau, Catarina.
      Será que esta gentinha não conhece ambas??

      Eliminar
  11. Tem razão, tantas promessas do executivo sobre a formação de quadros bilingues e de tradutores e agora a UMAC prepara-se para extinguir o curso e português...
    Em que ficamos?
    Bom dia, Pedro!
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Argumentos financeiros, Mor.
      Olhe a conversa estúpida da austeridade (estes gajos lá sabem o que é austeridade!!) a fazer efeito.
      Beijinhos, bom dia

      Eliminar
  12. Por cá andamos às escuras. Não chega cá a informação. Será esse Departamento que é dirigido pelo inefável Dr Carlos André cá de Leiria?

    Não é uma boa notícia, não senhor!

    Beijinhos lusos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos André presta funções no Instituto Politécnico de Macau, Graça.
      Esses sim, uns grandes defensores e cultores da língua portuguesa.
      A começar no presidente, o Prof. Lei Hong Iok.
      Beijinhos

      Eliminar
  13. Pedro seria possível um pequeno esclarecimento a colocar no meu blogue sobre o que é esse departamento de português na universidade de Macau?!
    seria simpático para pessoas de origem portuguesa que só compreendem francês
    abraços
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou tentar na segunda-feira, Angela.
      Até para desenferrujar o meu francês
      Vamos ver se não dá barraca.
      Abraços

      Eliminar