9 de setembro de 2015

E se a Uber chegasse a Macau?


Enquanto ontem assistia via televisão aos tumultos em Lisboa, envolvendo taxistas e condutores ao serviço da Uber, depois de ter tido conhecimento do que já acontecera em Hong Kong e um pouco por todas as mais de 300 cidades nas quais a empresa presta serviços, fiquei a pensar no que aconteceria em Macau se a Uber aqui se decidisse instalar.
Para quem não saiba o que é a Uber (Uber Technologies Inc.), trata-se de uma empresa norte-americana, sediada em São Francisco, que disponibiliza serviços de transporte aos utentes, os quais, para acederem a esses serviços, apenas precisam de utilizar um smartphone para fazerem a marcação da viagem que pretendem realizar.
Que Macau dispõe de um serviço de táxis muito mau já todos sabemos.
Viaturas velhas e sujas, condutores mal educados e desonestos, que escolhem os clientes que querem transportar e as rotas a seguir, um verdadeiro pesadelo. 
A entrada no mercado de uma empresa como a Uber, ou outra semelhante, faria assim todo o sentido do ponto de vista do utente. 
Mas, a acontecer, a reacção daqueles que hoje de maneira aviltante desrespeitam cidadãos e visitantes prestando um serviço de táxis que devia envergonhar a cidade, é fácil adivinhar que seria violenta. 
E que teria por base o mesmo argumento que tem sido constantemente utilizado para rejeitar os serviços prestados pela Uber ou por outras empresas semelhantes - o exclusivo legalmente concedido aos operadores de táxis para efectuar o transporte de passageiros em automóveis ligeiros. 
Não haverá alguma perfídia em conceder um exclusivo a quem tão deficientemente presta um serviço essencial? 
Não querendo arruinar os taxistas e as respectivas famílias, mas também farto das diatribes de gente que não demonstra o mínimo pudor nem noção de civismo e de vida em sociedade, que tal aproveitar o fenómeno Uber para lhes exigir a prestação de melhores serviços?! 
Just a thought... 

20 comentários:

  1. Não, Pedro, os tumultos foram entre taxistas (uns que estavam em greve e outros que queriam trabalhar).

    Utilizo a UBER e nunca fiquei mal, bem pelo contrário.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava convencido que havia para aí um protesto relativamente à Uber ao barulho, Ricardo.
      Não tem queixas?
      A malta aqui de Macau daria um braço para poder utilizar os serviços da Uber e fugir destes meliantes que para aqui andam ao volante de umas porcarias velhas e sujas às quais chamam táxis.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. O protesto era contra a UBER, Pedro, mas desataram à batatada uns contra os outros, uma vergonha, um clássico, digo eu, de gentalha que não se respeita nem se dá ao respeito, meu amigo.

      Eliminar
    3. Lembrei um episódio de há muitos anos.
      Começou também tudo à batatada até que, no meio da confusão, um tipo dá um valente murro a outro.
      Já depois do murro dado abraçaram-se e foram beber um copo.
      Eram cunhados e só perceberam quem era o outro depois do murro dado :)))

      Eliminar
  2. ~~~
    ~ Concordo em absoluto:
    que a Uber sirva para elevar o nível dos serviços prestados.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~ Em breve, em terras da «camellia sinensis»...

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para a Uber aqui entrar era necessário, mais que uma alteração de legislação, uma alteração de mentalidades, Majo.
      Não se revela fácil (impossível???).
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Segundo as notícias, alguns taxistas estavam em greve por causa da Uber. Mas as reacções foram contra os taxistas que não aderiram à greve. Porque em Portugal enche-se a boca para clamar por liberdade, mas quando se decide uma greve, acaba-se a liberdade. Ou se adere, ou se leva porrada.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou estás comigo ou estás "contramigo", não é Elvira Carvalho?
      Ou como bem dizia o Solnado, "quer queiras quer não queiras, tens que ser bombeiro voluntário".
      Um abraço

      Eliminar
  4. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Que coincidência, a aproximadamente publiquei na minha página do facebook fotografias de uma reportagem de um telejornal que trazia à baila o protesto de taxistas paulistana a protestarem em frente à Câmara Municipal de São Paulo.
    Caloroso abraço. Saudações liberadas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já vi.
      Estávamos definitivamente na mesma onda, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. A qualidade por vezes tem os seus custos.

    Temos de mudar e tudo o que seja para melhor pois que venha.

    Ainda não tinha percebido a noticia pois vejo a TV aos soluços, obrigado pela tua informação.

    beijinhos e viva a concorrência leal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que os cidadãos de Macau acolheriam de braços abertos uma solução como a Uber, ou algo de semelhante.
      Mas legalmente tal não é possível.
      E não acredito que venha a ser.
      Valores ($$$$$) muito altos e gente muito poderosa se levantam.
      Beijinhos e haja concorrência em todos os sectores!!

      Eliminar
  6. Aos poucos vou pondo a escrita em dia, pois o tempo é pouco e o trabalho muito :)
    Penso que a concorrência melhora qualquer serviço, este caso não é excepção.
    Um beijinho amigo Pedro



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fê,
      Macau está cheia de monopólios e oligopólios.
      Os quais, curiosamente, funcionam todos muito mal e em nada auxiliam a população.
      Pior, funcionam em sectores chave da economia.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Quando vi o titulo do texto, tive logo uma ideia do que poderia ser o conteúdo porque me lembrei de uma descrição aqui do serviço de táxi em Macau...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tema dos táxis é inevitável em Macau, Gábi.
      Mas, por mais que se bata na tecla, nada muda :(

      Eliminar
  8. de volta de um período de férias, (sem táxis!)
    boa noite Pedro !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se tiver oportunidade, leia o texto do Ferreira Fernandes, publicado no DN, acerca do tema Uber e greve dos taxistas, Angela.
      Um mimo!!

      Seja bem regressada!

      Eliminar
  9. Os taxistas pagam impostos. Pagam alvarás. Têm despesas grandes. O mercado está, portanto, regulado. Que direito tem então a Uber de estar no mercado sem cumprir as mesmas regras? Pois.. NENHUM!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. George Sand,
      Antes de mais, gosto muito de a ver por aqui de novo.

      A Uber e os taxistas.
      Sou grande amigo de taxistas, pais de amigos meus, que toda a vida trabalharam duro, sempre honestamente (nem imagina a corja que aqui há em Macau!!) .
      Não quero dar cabo da vida a ninguém.
      Mas gosto de concorrência.
      Sã concorrência.
      É preciso regular os serviços prestados pela Uber?
      Claro.
      Avance-se nesse sentido então.

      Eliminar