2 de julho de 2015

Grécia vai referendar a manutenção do Syriza no poder


Está agendado para o próximo domingo o tão falado referendo às propostas dos credores para solucionar os graves problemas que a Grécia enfrenta. 
Esta é a agenda oficial, a raison d'être desta consulta ao povo grego.
Na realidade, muito para além de referendar a aceitação das propostas que foram apresentadas aos seus governantes pelos credores, a manutenção da Grécia no euro e na União Europeia, os gregos vão referendar a manutenção do Syriza no poder.
Não tenho memória de ver um governo democraticamente eleito passar tão rapidamente de uma situação em que aparecia como um novo estilo e uma nova esperança na política internacional para o tudo ou nada que se jogará no referendo de domingo.
Alexis Tsipras, ao apelar abertamente a um voto de rejeição às propostas apresentadas pelos credores, coloca o seu próprio futuro político em jogo.
Um voto favorável representará uma derrota tão pesada para Tsipras e o seu governo que se afigura muito duvidoso que, a verificar-se, permita ao primeiro-ministro grego dispor de condições para se manter no cargo.
Tsipras, conscientemente ou não, esticou a corda até ao limite.
Acredito que, uma vez mais, a corda venha a quebrar pelo lado mais fraco e que o quase novo mito grego que o Syriza representou se revele afinal algo de muito efémero.

34 comentários:

  1. Pedro, nunca gostei de radicalismos e de gente aventureira, há quem aprecie o estilo, por exemplo, o Sr. Costa do Syriza nacional, a Srª Catarina Martins, e outros tantos alucinados que por ai andam.

    Meu caro, domingo se verá o que querem os gregos e o quanto se arrependeram de terem embarcado na aventura.

    Aquele abraço, meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já depois de ter escrito isto tomei conhecimento das declarações de Tsipras e Varoufakis, Ricardo
      Não podia ser de outra maneira - comprometeram o seu futuro político com as atitudes e as declarações que foram tendo e fazendo.
      Nesse particular revelaram uma inabilidade política incontestável.
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Todo o rebuliço causado pelo Syriza é uma tremenda bofetada à austeridade imposta pela troica.

    Continuo a apoiar o governo grego, o seu primeiro-ministro e o referendo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver o que tem o povo grego a dizer acerca do tema, ematejoca
      Segunda-feira é muito provável que se escreva mais um capítulo na história da Grécia e da União Europeia

      Eliminar
    2. O Syriza soube assumir com exemplar determinação as promessas que contraiu perante os seus eleitores.

      É tempo dos governos europeus reconhecerem que não há futuro para o projeto europeu sem solidariedade com o governo grego.

      Eliminar
    3. Vamos aguardar o veredicto dos gregos, depois o veredicto da UE, ematejoca.

      Eliminar
  3. Varoufakis admitiu a possibilidade de demissão do governo caso o 'SIM' vença.
    Por mim, um cidadão do mundo, desejo que a Grécia, e os gregos pois claro, não continuem a ser vítimas de gente como Merkel e 'assessores da desgraça'.
    Nada de radicalismos, de parte a parte. Bom senso, isso sim, igualmente de parte a parte.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As notícias que vão chegando vão ilibando mais e mais Angela Merkel desta tragédia grega.
      A maior pressão estará a ser exercida pelos chamados pequenos países.
      Aqueles cujo nível de vida é muito baixo, aqueles que foram forçados a fazer sacrifícios terríveis.
      A chefe do governo alemão também começa a parecer aquelas pessoas que não só não caíram em graça como se viram de repente desgraçadas.
      O povo grego vai dizer o que quer no domingo.
      E adensam-se as suspeitas e os sinais de que vai dizer que está farto do Syriza ao fim de seis meses de governo, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Não sendo de esquerda ,neste caso apoio um governo dito de esquerda , pois creio que o que está em causa não são politicas de D ou E mas sim concepções de politica e vida completamente diferentes . Uma a Alemã com os seus súbditos .... e a vida dos Gregos . Nunca existirá união politica ou monetária que transforme um grego em alemão ou vice versa . Existem sim poderes económicos que tentam abafar sociedades inteiras . O governo da Grécia não me parece que esteja a esticar a corda mas sim a mostrar que não receia defender a todo o custo aquilo que acha correcto." Wait and see" é o que nos resta fazer , com pena se os restantes governos da europa não tiverem conciência histórica do que realmente se está passando e continuarem a seguindo cegos .
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. anniehall,
      As posições negociais estão extremadas há já muito tempo.
      Mas, quando é assim, ensina a sabedoria oriental, e eu vivo em Macau há quase vinte anos, que se deve estudar e avaliar a outra parte.
      Se for mais forte, evitá-la, fazer uma retirada estratégica para voltar mais tarde e procurar o ansiado consenso.
      Qual é a parte mais fraca nesta situação?
      Cumprimentos

      O seu blogue já consta ali da barra lateral

      Eliminar
  5. Já estou cansadinha de ouvir falar nisso. Eles não querem fazer sacrifícios como nós tivemos de fazer e pensam que as coisas são fáceis. Pfff.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diana Fonseca,
      O Syriza prometeu, e foi com base nessas promessas que foi eleito, que os sacrifícios tinham acabado.
      Voltar atrás, neste momento, é muito complicado.
      A saída pode ser efectivamente o abandono do poder por pressão e decisão do povo grego.

      Eliminar
  6. Tsipas & Companhia têm mostrado ao mundo, pelo menos assim vejo e interpreto o que oiço, que a União Europeia é tudo menos uma União em que cada andam todos a remar cada um para o se lado. Pagos a peso de ouro não souberam resolver a questão de modo a evitar a "entrada em coma de um povo"? Imagina em Portugal...quatro anos(eu diria mais) de uma severa austeridade, de um desemprego e emigração nunca vista, cortes em tudo e levar com outra dose em cima...como aguentar?

    Não acredito que a pressão seja exercida pelos pequenos países...porque se tivessem deixado "referendar" a vontade dos povos desses países há muito que a UE tinha desaparecido e a Alemanha e mais dois não tinham destruído tanta coisa ao implementarem medidas tresloucadas.

    Negociaram, cederam e os credores, está bem abelha...querem mais muito mais nem que dizimem os povos. Os governos cederam, cumpriram como Portugal e estamos melhor e qual a razão da dívida aumentar trimestralmente?

    Domingo veremos!

    Numa coisa o Tsipas já ganhou e muito: honrar a sua palavra...sair caso o "SIM" vença

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não era preciso que os governantes gregos demonstrassem que o ideal europeu anda de rastos, fatyly.
      Pragmático como fui aprendendo a ser julgo que agora se deveriam preocupar em sair desta embrulhada
      E não é com posições de força que o vão conseguir.
      Deixemos o povo grego decidir o que quer.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Creio que tu apreciarás sobremaneira a coluna de hoje, publicada no periódico Folha de São Paulo, da lavra do nobilíssimo humorista José Simão.
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/josesimao/2015/07/1650242-ueba-novo-deus-grego-caloteus.shtml?cmpid=compfb
    Caloroso abraço. Saudações gregas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje também vou publicar uma visão humorada da crise grega, Amigo João Paulo de Oliveira
      Não consigo aceder ao artigo que me indica.
      Já tentei de diversas formas e o acesso está-me vedado.
      Grande abraço

      Eliminar
    2. Caro Amigo Pedro Coimbra.
      Veja se tu consegues acessá-lo na minha página do facebook.
      Caloroso abraço. Saudações endividadas.
      Até breve...
      João Paulo de Oliveira
      Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação e com muito gozo.

      Eliminar
  8. "Não há MAL k sempre dure, nem bem k nunca acabe", acho que é assim o ditado popular.
    Querem lá os gregos saber do "Xipras" e do "Burberry". O povo grego quer é saber da sua vidinha, corrigir o k julgaram satisfatório, e no domingo "mãos à obra"!
    Boa sexta e bom fim de semana, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver o que nos dizem os gregos no domingo, CÉU
      Agora está tudo nas mãos do povo como deve ser

      Eliminar
  9. O Pedro sabe quanto eu tenho sido céptico relativamente às intenções e "vontades" do Syrisa ! Não nutro a mínima simpatia por eles e considero o povo grego a maior das vítimas deste governo !
    Se quiserem a minha opinião muitíssimo mais desenvolvida poderão vê-la neste link (um post meu) :

    http://coisas-da-fonte.blogspot.pt/2015/06/dia-d-hora-h.html

    .


    .

    ResponderEliminar
  10. ... mas se quiserem saber o que ainda agora escrevi nesse post, é isto :

    Expliquem-me p.f., como se eu fosse muito estúpido :

    Em Janeiro era assim o discurso do Syrisa (todos se lembram ! ) e por isso ganharam as eleições e eram os heróis europeus :

    1→ Acabar com a austeridade
    2→ Não precisamos de mais dinheiro
    3→ Não queremos a Troika
    4→ Não é “não pagar”, é pagar quando pudermos
    5→ Pagamos mas só se crescermos
    6→ Connosco, daqui a 6 meses a Grécia estará completamente diferente, para melhor e independente das necessidades de financiamento da Europa !

    Vejamos :

    1 –Se se está agora a discutir um acordo, que a Grécia não aceita e que é muito, muito próximo do nosso e do da Irlanda (muito mais agravado que o que vigorava na Grécia) e se a Grécia não pagou nada desde Janeiro, quais eram os parâmetros da austeridade e onde está o dinheiro dela resultante, se não pagaram nada ?
    2 – Se em janeiro não precisavam de mais dinheiro, o que é que fizeram ao que tinham (resultante da dita austeridade), para estarem agora a necessitar de 30 mil milhões, dos quais Portugal teria que emprestar mil milhões ? Se não sabiam, ficam a saber !!! Pois é verdade !!!
    3 – Se não queriam a Troika, porque estão agora a negociar com ela ?. … Ah ! … Pediram para lhe mudar o nome para “instituições” ! … Isso foi uma vitória do Syrisa !
    4 – Pelo andar das coisas, nem tencionam nunca, pagar (com dinheiro seu) o que já foi vencido, como também não pagar o que estão agora a pedir para pagar o passado em dívida, para além do que precisam para gastar e não vão conseguir receita para isso !
    Simplesmente para fazer face à sua despesa interna ! Ou seja, afinal quem paga é quem está a emprestadar !!! …Sempre que se vença um empréstimo, basta pedir novo empréstimo para pagar o que se deve e assim sucessivamente.
    5 – Neste último meio ano a situação deteriorou-se extraordinariamente, porque a fuga aos impostos é a norma geral na Grécia. Mesmo não pagando nada a ninguém a situação é hoje caótica porque as receitas não chegam para pagar as despesas do Estado ! Isto porque o governo faz tudo menos governar. Quer dizer que a Grécia só é viável se tiver quem lhes forneça constantemente o deficit permanente e que se vai avolumando ! Nunca conseguirão “juntar dinheiro” para cumprir os compromissos assumidos, com este tipo de governação só de conversa, a enganar o Povo ! O governo até é "bonzinho", que não controla os nossos impostos e por isso não precisamos de os pagar, não exige nada e promete-nos o céu !

    6 – Está de facto muito diferente e de que maneira !!! … e o mais curioso é que estão a limitar os levantamentos a 60€/dia, os bancos encerrados por descapitalização de muitas dezenas de milhões de euros que foram levantados pelos gregos e postos a salvo, reduziram a metade o pagamento das pensões de Julho (das futuras, Deus saberá), estão a fazer o controle de capitais e dizem que a culpa é da Europa !!! … Porquê ? … se a Europa não recebeu um cêntimo da Grécia ? … Então, onde estão as receitas do Estado que ia ser independente financeiramente ?

    Mais - Note-se que os gregos (Syrisa) é que abandonaram as negociações, têm feito uma chantagem descarada e tentam a todo o custo continuar a enganar o pobre povo grego com o referendo, enganando-o, baralhando-o, fazendo crer que o “NÃO” será a salvação e que não tem nada a ver com a saída do Euro, o que é uma mentira descarada !
    O referendo, na prática, significa “SIM”- continuação no euro ; “NÃO” - saída do euro !
    Como é que EU, sim, EU, posso continuar a emprestar dinheiro aos gregos, se não tenho a mínima garantia de que o vou receber ! … e vocês estão dispostos a isso ? … Ah ! Pois é ! Mil milhões serão nossos, de cada um de nós e não como possam pensar, do nosso governo ! Claro que através dele, mas não dele !!!
    Numa família de 3 pessoas, serão 300 € de novos impostos (só para empréstimo à Grécia) !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A posição que o Rui aqui exprime é muito semelhante à que se comenta tem sido defendida pelos pequenos países dentro da União.
      Aqueles que perguntam como é que podem pagar 350 euros a um professor universitário, ver o salário mínimo grego quase no dobro (já foi muito mais) e ainda serrem-lhe pedidos sacrifícios; aqueles que argumentam ter feito todos os sacrifícios para agora ainda serem chamados a fazer mais para continuar a financiar os gregos.
      Vamos deixar o povo grego falar e depois veremos o que vem a seguir.

      Eliminar


  11. Coimbramigo

    Tenho para mim que se a Grécia sair do Euro e da (des)União Europeia sairá de cabeça bem levantada. A Senhora Dona Angela Finge que diz – mas não diz. Penso até que está no prelo uma nova edição remendada do Mein Kampf.

    Com isso ela concretizará no plano financeiro o que o Adolf não conseguiu com a Wehrmacht: confirmar que é a patroa da referga (des)União Europeia; com ela tem um verdadeiro nazi numa cadeira de rodas, o Herr Wolfgang Schäuble, financeiro representando o Deutsche Bundesbank a fingir que é ministro das Finanças.

    Finalmente o referendo: a Grécia e o seu governo do Syriza querem chegar ao “não”; têm todo o direito de o fazer, o partido foi eleito democraticamente e é ver os resultados. Mas a (des)União Europeia está aflita e preocupada, ou seja Berlim é que está. Depois de dar cabo do “famoso e já falecido” elixo Paris/Berlim, a Europa (?) prepara-se para eliminar a (des)União Europeia, voltar ao Deutsch Mark (o euro não é mais do que isso…) eganhar a “guerra”…

    Pobre Grécia, pobre Syriza e pobres Tsipras e Varoufakis têm a cabeça a prémio, colocando-a no cepo para o verdugo os decapitar ; o (des)Governo português (alemão) tem sido implacável no processo. E o putativo PR afirmou que não faz mal ainda ficam 18 países. Inacreditável.

    Sei muito bem que nem tu, caro amigo, nem a maioria dos teus comentadores estão já a chamar-me nomes… Mas tal como o Syriza posso morrer de cabeça levantada – mas não como o Dom Sebastião…


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Grécia não vai sair do euro, muito menos da União Europeia, FerreirAmigo.
      Já o Syriza é muito provável que saia do governo.

      É a Alemanha que está a orquestrar todo este processo?
      Parece que não, parece que são os pequenos países que estão a fazer forte oposição às intenções gregas.
      Vamos ver o que é que o povo grego diz no domingo.
      Tsipras e Varoufakis pensaram que ainda estavam nas boasa graças do povo grego e convocaram este referendo.
      Ganhavam tempo negocial e devolviam a palavra ao povo grego que, pensavam, os iria apoiar.
      Creio que se equivocaram.
      E demonstraram uma enorme inabilidade e sensibilidade políticas.
      Domingo on vera
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. BIS, PEDRO!
      É isso mesmo!

      Beijinhos.

      Eliminar
    3. A História tem destas coisas, mas esperemos para ver.
      Um já lá foi, demitiu-se. Aquele homem é capaz de fazer "uma cabeça do diabo".

      Boa semana e beijinhos.

      Eliminar
    4. A Grécia escolheu, CÉU.
      E escolheu ficar com o Syriza.
      Mas ficar com o Syriza na União Europeia.
      Uma vez que Varoufakis estava queimado junto dos seus parceiros europeus decidiu afastar-se e dar oportunidade a outro e a novas negociações.
      Aguardemos pelos desenvolvimentos.
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  12. Não faço previsões. Sei que se fosse grega votaria não. Como não sou, acho que cabe ao povo grego votar no seu futuro - que não se afigura risonho, qualquer que seja o resultado das eleições...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O futuro do povo grego, vote em que sentido votar, e têm todo o direito de fazer essa escolha, será muito complicado nos próximos anos, Teté.
      Eu faço previsões com base no que vou vendo e lendo.
      E o que se vai vendo e ouvindo é um descontentamento crescente do povo grego.
      Que é muito provável seja descarregado nos seus governantes.
      Beijocas

      Eliminar
  13. Não sou a pessoa mais indicada para dar uma opinião abalizada sobre este tema, Pedro, mas pelo que vou ouvindo e vendo, acho que os estragos já são muitos e a Grécia , quer o povo opte pelo SIM ou NÃO, já se encontra em maus lençóis.

    Pois se Varoufakis já disse que prefere ficar sem um braço a ceder caso vença o SIM.

    Está tudo muito complicado! Veremos qual será a vontade do povo e a aceitação/maleabilidade dos chefões da UE.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O povo grego já se pronunciou.
      Vamos ver como reagem os credores.
      Aquele comunicado curto, seco, da Comissão Europeia, não parece prenunciar nada de bom.
      Beijinhos

      Eliminar
  14. Coimbramigo

    Viu-se...OK oxi E o Varoufalis demitiu-se e caiu no campo da honra! A (des)União Europeia esfrega as mãos de conte lá se foi o gajo. Mas, cuidado, vem aí o Aristocrata Vermelho...

    一個大大的擁抱

    PS (sou, mas aqui é Post Scriptum…) A pernoca já não é marota graças às mãos de fada da fisioterapeuta Alexandra. E bengala também se foi…   

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Hoje há mais escrito sobre a Grécia.
      Porque agora começa outro capítulo.
      Aquele abraço

      Eliminar