9 de junho de 2015

Jorge Jesus, Marco Silva e o sentimento de indignação


Os portugueses (especialmente o chamado "país futebolístico") andam muito distraídos com a novela que envolve a saída de Jorge Jesus do Benfica para ingressar no rival Sporting e o consequente despedimento sumário de Marco Silva em Alvalade.
Tão distraídos que pouca (quase nenhuma??) atenção têm dedicado a uma selecção de Sub-20 que está a fazer figura no Mundial da categoria na Nova Zelândia, a uma selecção de Sub-21 que se prepara para disputar a fase final do Europeu na República Checa, a uma selecção A que se prepara para disputar mais um jogo na fase de apuramento para o Europeu de 2016, desta vez na Arménia, terreno onde a selecção portuguesa nunca ganhou.
Na comunicação social, na Internet, nas tertúlias de café, nas conversas diárias, os nomes de Jorge Jesus, Marco Silva, Bruno de Carvalho, Luís Filipe Vieira, são por estes dias quase obrigatórios.
Discutem-se fidelidades, traições, profissionalismo, deontologia, há muita indignação no tom e nos temas.
Indignação que, curiosamente, sendo tema também para os elevados salários e outras alcavalas que auferem os gestores de grandes empresas, responsáveis pela criação e manutenção de milhares de postos de trabalho, consequentemente de milhares de famílias, se revela um sentimento muito selectivo.
Porque essa mesma indignação não se manifesta face aos valores brutais envolvidos no negócio do futebol, especialmente num país que enfrenta sérias dificuldades económicas e sociais como é o caso de Portugal.

23 comentários:

  1. Já não consigo ler, ver e ouvir esta tramonha e concordo, melhor subscrevo o teu último parágrafo lamento que tanta indignação não seja aplicada em coisas mais preocupantes do nosso dia-a-dia.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que ainda é mais curioso é que haja uma indignação incrível com os proveitos de grandes empresários, de grandes CEO's, mas ninguém se indigna com os milhões dos futeboleiros e do futebolês.
      Não entendo.
      Beijos, bom dia também.

      Eliminar
  2. Pedro, estou plenamente de acordo com o que escreve. É pena toda esta energia não ser canalizada para coisas bem mais importantes. Em contrapartida, discute-se o acessório.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo que se gasta com estas tretas e que não se dedica a situações que o deviam merecer, Miss Smile!!

      Eliminar
  3. Esses odiados "CEO's" das grandes empresas empregadoras, uns "grandessíssimos patifes" que espremem os rendimentos das centenas de milhares de postos de trabalho que criam, são os grandes culpados de toda esta nossa situação de pobreza ! :(
    Os "milhões" ganhos pelos futeboleiros, não têm a menor importância, são herois nacionais, como também não tem a menor importância a "inocência" dos coitadinhos dos "políticos, presos inocentes", que apenas nos levaram milhões e milhões, directa e indirectamente e nos quais se continua teimosamente a acreditar (ou fazer que se acredita, porque não convém de outro modo), na sua inocência, só porque são do partido A ou B, ou C ! ... e a palha arde com muita facilidade !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui,
      Um executivo de uma grande empresa TEM que ser bem remunerado.
      E, obviamente, responsabilizado por isso.
      Tem nas mãos as vidas de milhares de famílias, o bem-estar de milhares de pessoas.
      Isso eu compreendo.
      Estas remunerações obscenas no futebol (ninguém pode atirar pedras porque todos têm telhados de vidro) confesso que me fazem impressão.

      No que se refere a detidos, amanhã vou analisar a actuação do detido mais famoso de Portugal.

      Eliminar
  4. Já quanto à dança dos treinadores, ainda gostava de ver o Marco Silva no Benfica ! ... rsrsrs ... Ia ser bonito ver "essa guerra" ! eheheh
    Infelizmente o Filipe Vieira nunca pensou que na ida do Jesus para o Sporting e "antecipou-se" (?) com o Rui Victória !
    Se as coisas começam a correr mal para qualquer dos lados, vai ser bonito !!!

    O "defeso" já tem distracção suficiente para se apreciar a belíssima carreira dos mais jovens ! :)) ... Até passa despercebido ! :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Naquelas selecções dos garotos está o futuro do futebol português, Rui.
      Ainda mais com a legislação mais restritiva, em termos de presença de nacionais nas equipas, que prepara na FIFA e na UEFA.
      Porque é que o Porto e o Benfica se estão a voltar mais para a formação?
      Não é só $$$$$$$

      Eliminar
  5. Pedro, parabéns por este excelente testemunho !
    É exactamente o que penso. O meu amigo tocou na ferida!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de futebol, Fê.
      Sou adepto do Porto e da Académica.
      Mas não sou futeboleiro, doente com o futebol.
      E há coisas, como as que refiro, que me metem impressão.
      Detive-me apenas no plano interno.
      A Fê sabia que está a decorrer o Mundial feminino?
      Que vai começar a Copa América??
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Os portugueses são um povo distraído...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu sou português, vivo em Macau, e até estou (razoavelmente) atento, Til.
      Amanhã vou visitar o seu espaço
      Agora o Zafón chama por mim

      Eliminar
  7. É revoltante, e o mais triste é ver corrupção neste esporte. Mas vamos ter fé que o mundo vai melhorar e dias preciosos virão.
    Tenha um ótimo dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda se está agora a destapar o manto, Anajá
      O que é que estará lá por baixo??
      Tenha um óptimo dia também

      Eliminar
  8. Já tinha deixado comentário, mas vou fazê-lo de novo, Pedro.

    Em primeiro lugar, subscrevo tudo o que o meu caro amigo aqui plasmou.

    Em segundo lugar, era notório que o SL Benfica já não queria JJ, pelo menos nos mesmos moldes, para liderar a equipa de futebol.

    Em terceiro lugar, o Jorge Jesus e, principalmente, o Presidente do Sporting CP tiveram uma atitude nojenta e desprovida de qualquer sentido ético no tratamento da rescisão de Marco Silva.

    Pedro, por fim, dizer-lhe que seria extraordinário que os portugueses se interessassem uma décima pelos "verdadeiros" problemas do país do que o que se interessam por futebol.

    Aquele abraço e até 5ª feira, amanhã por aqui é feriado nacional dizem por ai que é "Dia de Portugal".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luís Filipe Vieira quer mudar o paradigma do Benfica, Ricardo - aposta mais forte na formação (o Porto está fazer o mesmo, ambos a pensar nas restrições que se anunciam ao número de jogadores que não são formados pelos clubes)
      E Jorge Jesus não é o treinador para esse projecto.
      O treinador para esse projecto é claramente Rui Vitória

      A rescisão de Marco Silva é abjecta a todos os títulos, Ricardo.
      Nem vale a pena comentar....

      Tudo isto, e o que vou tratar hoje, tem mantido a malta entretida e esquecida do essencial.
      Mesmo a nível futebolístico.

      Hoje, Dia de Portugal, que também é de Camões, seria óptimo que se falasse um bocado mais do Acordo Ortográfico, da sua relevância, da maneira como foi imposto aos portugueses.

      Aquele abraço, bom feriado

      Eliminar
  9. Olá Pedro, acho que os homens têm uma costela "guerreira" então é melhor que seja vocacionada para o futebol do que para guerras a sério :)
    bom fim de tarde
    abraço
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se for essa a razão, de acordo, Angela.
      O pior é que o "futebolês" anda a distrair as pessoas de muitas coisas mais importantes.
      Inclusivamente a nível futebolístico
      Um abraço

      Eliminar
  10. Acabei de receber um email da wook, amanhã por ser dia de Portugal anunciam que vão vender livros com porte grátis para todo o mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A esmola é grande, o santo desconfia, Gábi.
      Mas vou espreitar.
      Beijinhos, grato pela dica

      Eliminar
  11. «Porque essa mesma indignação não se manifesta face aos valores brutais envolvidos no negócio do futebol, especialmente num país que enfrenta sérias dificuldades económicas e sociais como é o caso de Portugal».

    Num país onde 1/4 da população é pobre, e a restante passa por grandes dificuldades, eu indigno-me e muito.

    ResponderEliminar