10 de março de 2015

As duas metades do mesmo Céu (via A Revolta das Palavras)


Recuso-me fazer à Mulher a injúria de a considerar generalizadamente melhor do que o Homem, como outros a injuriam considerando-a sistematicamente pior. Ela é semelhante como pessoa, igual como cidadã.
Que o Estado, tido por democrático, ainda lhe não lhe garanta a igualdade, que na sociedade, dita liberal, sejam as mulheres tratadas diferenciadamente, essa é uma questão. E contra isso urge lutar, uma luta que é também uma luta de homens, antiga já, com resultados a evidenciarem-se, luta que passa também por muitas dessas mulheres contra si próprias, a sua submissão, contra os frutos da educação que receberam e a que transmitem aos seus filhos.
Como ser, dotada de inteligência e sensibilidade, credora de respeito pela sua dignidade, a Mulher não pode, porém, ser colocada na balança romana em que tudo se pesa, nem na craveira em que tudo se mede, pois ela não é um objecto sujeito às leis da comparação.
O veneno da sociedade contemporânea é esse mesmo, ter erigido o abjecto mundo da quantidade, em que tudo é número e aritmética, em que nada se concebe fora do mais e do menos, do multiplicar e do dividir. Por causa disso, as duas faces do Mundo, o feminino e o masculino, entram na regra de cálculo de quem dá mais, regido pela lei da concorrência; e há quem se julgue mais alto e mais pesado só por causa do seu género.
Recuso-me a fazer a mim a injúria de tomar nas mãos um tal ábaco moral, uma tal régua discriminadora.
Hoje é Dia da Mulher. E eu, que sou pouco dado a celebrações, venho aqui precisamente por isso, prestar homenagem não ao género mas à espécie, não ao parcial feminino, sim ao total humano. 
Um dia, talvez não seja utopia, ter-se-à chegado a um mundo em que as diferenças convergirão, em que mães, mulheres, filhas, irmãs, receberão o mesmo respeito, mundo em que, de avós a mães e destas a filhas, de geração em geração, se saberá educar homens que aprendam que o diverso não exclui, educar-se-ão mulheres que não se diminuam antes de outros as diminuírem.
Ao terem terminado os seus atormentados dias, minha Mãe, levou consigo a força de alma de ter lutado, isolada, contra o horror da adversidade, logo o da sua incompatibilidade com o mundo. Imolou-se nisso, no fel da incapacidade de ser feliz. Gerou um único filho para quem não há caminho que não seja pedregoso mas que caminha. Na hora de a pensar, livre de tudo quanto foi circunstância e o desespero da dor, é uma "Grande Mulher" que penso, agora que já se foi.
Tantas como ela - e tantas outras mas com alegria irrompendo da esperança - são caminho para a realização do Homem Integral, em que o sexo é apenas distinção acidental na essência do humano, afinal profundamente humano, as duas metades do mesmo Céu.
Não julgo pelo que sofri nem pelo que fiz sofrer: a vida é sempre mais, infinitamente mais, do que a vida que nos foi dado viver.

12 comentários:

  1. EXCELENTE e obrigado pela partilha.

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto muito do que leio n' A Revolta das Palavras.
      E gosto de os partilhar aqui.
      Beijocas, votos de bom dia

      Eliminar
  2. ~ Neste mundo globalizado, não faz sentido reduzir o Dia da Mulher apenas à contestação por igualdade.

    ~ ~ É isso e muito mais!
    Se umas lutam por melhores condições de vida, outras não possuem nenhumas, nem hipóteses de reivindicarem.
    ~ São estas que merecem a minha mais sentida solidariedade,

    ~ ~ Todavia, um texto belo e tocante. ~ ~

    ~ ~ ~ Beijinho. ~ ~ ~
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inteiramente de acordo, Majo.
      Com todo o comentário.
      Mas lá que o texto é muito bonito, lá isso é.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Detesto "Dias de..."
    Eu sinto-me igual e faço por isso.
    Por mim só faria sentido o DIA DA DIGNIDADE, para chamar a atenção de que todos: homens, mulheres, crianças, animais têm DIREITO a uma vida digna.
    Pode ser que um dia isso aconteça....:)))

    ResponderEliminar
  4. Belíssimo texto!! Muito bem escrito, muito sentido e com o qual concordo. Oh se concordo!!
    Obrigada pela partilha, amigo Pedro!

    Beijinhos ocidentais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena espreitar A Revolta das Letras de vez em quando, Graça.
      Sou fã!
      Beijinhos desde Macau

      Eliminar
  5. O texto é muito bonito, mas o Dia da Mulher deve ser mais do que ele expressa.

    ResponderEliminar
  6. Muito bem escrito. Segui o link e fui espreitar A Revolta das Palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena espreitar de vez em quando, Gabi.
      Muito bom, mesmo.

      Eliminar