18 de setembro de 2014

Goleada


O Porto entrou a todo o gás na fase de grupos da Champions.
A goleada (6-0) infligida a um frágil Bate Borisov reflecte um crescendo de forma de uma equipa do Porto que se pode tornar um caso muito sério na presente época.
Julen Lopetegui chegou para revolucionar a equipa, fazer o pleno contraste com a péssima temporada passada.
E começou esse trabalho com a contratação de uma equipa totalmente nova - 17 contratações, a promoção de Ruben Neves ao plantel principal.
Como é óbvio, os mecanismos de jogo colectivo ainda estão em aperfeiçoamento, os jogadores ainda se estão a conhecer, houve lesões a retardar esse processo de dinâmica colectiva.
Ainda assim, o que já se viu promete muito.
O plantel é vasto, aparenta dispor de várias soluções de qualidade para todas as posições, tem alguns jogadores que são craques (Jackson Martinez e Brahimi começam a época em grande fulgor) outros que podem vir a sê-lo (especialmente no plano ofensivo mas sem esquecer um Martins Indi que fez rapidamente esquecer Mangala e que "pegou de estaca").
Quando uma equipa destas, em dia sim, encontra uma equipa débil e a cometer muitos erros, acontece o que aconteceu ontem - seis golos, bolas nos ferros, domínio avassalador do Porto, festa no Dragão.
Como adepto do Porto, e ainda que tentando manter algum distanciamento, tenho que confessar que estou a gostar do que estou a ver.
Julen Lopetegui sabe o que quer, tem pulso, vive o jogo com intensidade, vai rodando o plantel, vai dando oportunidades a todos e evitando que haja jogadores acomodados.
E tem ao seu dispor um conjunto de jogadores que, teoricamente, e de memória, só encontrará paralelo no Porto de Artur Jorge que ganhou a Taça dos Campeões em Viena.
Com a vantagem de estarmos agora perante um plantel mais jovem.
Com a desvantagem óbvia de não haver um Madjer e um Futre.
Excelente começo de época do Porto, excelente entrada na fase de grupos da Liga dos Campeões.
E, repito o que já escrevi aqui antes, uma alegria e um entusiasmo que estavam arredados do Dragão há já algum tempo.

10 comentários:

  1. Pedro,

    confesso que estive a ver o Bayern - Man. City (que jogão), porém, vi o resumo do FC Porto - Bate e, meu caro, o Bate serve para isso mesmo bater, muito fraquinhos.

    Como já disse, uma goleada é uma goleada e o FC Porto, nesse aspecto, cumpriu com distinção.

    Parabéns a si, ilustre portista, e, por favor, não cometa o ultraje de comparar esta equipa à equipa de 86/87.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só faço essa comparação num item, Ricardo - na quantidade e aparente qualidade de soluções disponíveis.
      Nesse aspecto, e só nesse, sublinho a traço grosso, são comparáveis.
      O tempo dirá se aquilo que se vai vendo, e que parece no papel, é real.
      Mas lá que parece existir uma grande quantidade e apreciável variedade de soluções, lá isso parece.

      O Bate Borisov é claramente um adversário fraquinho.
      Negá-lo seria pura idiotice.
      Para além de ser fraquinho, esteve em dia não e apanhou um Porto em dia sim.

      Vamos ver como será daqui para a frente porque ainda agora começou o filme.

      Uma coisa é certa, Ricardo - os portistas, eu também me incluo no grupo, estão mais entusiasmados agora com esta equipa do que estavam há um ano quando tinham não sei quantos pontos de vantagem na Liga.

      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Foi de encher a barriga de misérias. E foi importante para encher o ego, assim a equipa não desperdice a dinâmica encontrada.
    Parebéns, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que estou a gostar do que estou a ver, Agostinho.
      Que diferença para a pobreza franciscana que foi a época passada!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Não vi o jogo, não posso comentá-lo.
    O Bate Borisov não tem estofo para estes palcos mas isso não retira mérito à vitória do FCPorto.
    Com o devido respeito por todos os atletas, os portistas têm dois jogadores de grande classe. Brahimi (soberbo) pelo que joga e faz jogar e Jackson Martinez (oportuno) autêntico ponta de lança.

    Meio milhão para os cofres dão muito jeito.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,
      Brahimi é uma grande surpresa.
      E Jackson é uma surpresa que continue no Porto (revisão de contrato, capitão de equipa foram os segredos).
      Mas não vou entrar em euforias.
      Até porque, como o António bem diz, o Bate Borisov é muito fraquinho.
      Vamos ver daqui para a frente.

      O Porto precisa de fazer dinheiro - gastou MUUUITO!

      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Foi uma belíssima vitória. Como adepto do Benfica, confesso que vai ser difícil ganhar o campeonato frente a uma equipa tão poderosa como a do Porto, mas nunca se sabe :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carpe diem,
      A Liga portuguesa é outra conversa.
      Não consigo apontar um favorito.
      Vai ser uma luta tremenda entre Porto e Benfica (não acredito que o Sporting entre nestas contas)
      Abraço

      Eliminar
  5. pode ser que regresse às grandes vitórias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tétisq,
      Uma coisa parece que podemos afirmar já com alguma certeza - o contraste com a péssima época passada é já óbvio.

      Eliminar