20 de agosto de 2014

O que é que a Alemanha tem? (excerto de artigo de opinião de Miguel Sousa Tavares)


Não é só no futebol que no fim ganham os alemães. É no futebol, no atletismo, no automobilismo, no andebol, na equitação, no ski. É no desporto, na música, na literatura, na arquitectura, na construção de carros, de electrodomésticos, de máquinas industriais, etc, etc. Podemos gostar ou não, podemos até desdenhar, mas a verdade é esta: no fim, ganham os alemães. E ganham, porquê? Porque trabalham mais, porque se focam nos objectivos, porque valorizam os resultados. Se alguém quiser entender por que razão a Alemanha está farta dos países do sul da Europa, ponha-se na pele de um alemão. E compare a selecção alemã, campeã do mundo, com, por exemplo, a portuguesa.
A selecção alemã que foi ao Brasil não tinha vedetas nem pequenas, nem médias, nem grandes. Não se davam ares de vedetas, nem fora nem dentro do campo. Umas vezes, esmagaram e fascinaram com o seu futebol de carrossel demolidor, outras vezes — como na final — correram, lutaram, sofreram, sangraram e, no fim, ganharam. Nenhum jogador quis dar nas vistas por outra razão que não fosse jogar futebol. Ali não havia ninguém com tatuagens, com penteados ridículos, com figurinos tipo Raul Meireles, com brincos nas orelhas, com pose de deuses inacessíveis de auscultadores enfiados nos ouvidos, fingindo-se alheios a tudo o que os rodeava, como se fossem superiores à gente comum. Não, os alemães passaram pelo Brasil confraternizando, querendo ver e saber, curiosos e contentes por ali estarem — tão diferentes dos nossos heróis do mar, fechados para o mundo em hotéis-fortaleza, onde só entravam cabeleireiros, tatuadores e agentes. Os alemães não passaram as conferências de imprensa a debitar lugares comuns e frases feitas sem conteúdo, próprias de quem jamais foi visto com um livro, uma revista ou um jornal na mão e passa os tempos livres a debitar selfies e banalidades nas redes sociais, imaginando-se o contra do mundo. Os alemães mandaram ao Brasil uma verdadeira embaixada, para servir o futebol e honrar o seu país, enquanto nós mandámos um grupo de homens mimados e convencidos, comandados por dirigentes que não lhes souberam exigir que estivessem, em todos os aspectos, à altura da responsabilidade. Mas, como em tudo o resto que fazem, os alemães também mandaram um grupo de jogadores que se portaram como verdadeiros profissionais, que trabalharam e treinaram no duro, enquanto que nós mandámos uma excursão de rapazes que se convenceram que os penteados e as tatuagens, por si só, conseguem ganhar jogos ou então ficar na fotografia que parece bastar-lhes. Não é por acaso que o campeonato alemão tem estádios cheios e que o público dá por bem empregue o seu tempo e o seu dinheiro, enquanto que o principal do nosso campeonato é jogado em estádios vazios e vivido sobretudo nos programas televisivos dos dias seguintes, a discutir se foi bola na mão ou mão na bola ou se a entrada de uma equipa em campo 2 minutos e 45 segundos depois da hora marcada condicionou ou não decisivamente o resultado de outro jogo. Nós discutimos, eles jogam. Nós tatuamos, eles treinam. Nós penteamos, eles correm. Nós somos recebidos e pré-condecorados pelo Presidente antes de começar, eles são apoiados na bancada pela chanceler quando chegam à final. Nós somos heróis antes de partir, eles são vencedores depois de ganharem. Não é por acaso que, desde que me lembro e tanto quanto me lembro, só dois jogadores portugueses (Paulo Sousa e Petit) jogaram no campeonato alemão e só um jogador alemão jogou no campeonato português (Enke).
Não perguntem o que é que os alemães têm. É toda uma sociedade fundada no trabalho, no mérito, na responsabilidade, nos resultados. Goste-se ou não, isto não tem nada a ver com o fado. É outra cultura, é outra coisa.

20 comentários:

  1. Gosto de Miguel Sousa Tavares pelo que conheço dele: dos livros que escreveu. Não estou muito familiarizada com os seus programas/intervenções televisivas nem as suas crónicas mas não posso deixar de lhe dar razão. Concordo totalmente com o que escreve. Tudo. O senhor não deixou nada por dizer!
    O primeiro período do texto é uma referância à já tão famosa máxima de Gary Lineker! : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Miguel Sousa Tavares é um tipo polémico e que gosta de polémicas, Catarina.
      Mas é também um tipo extremamente inteligente, culto e corajoso nas sua posições públicas.
      Partido da famosa expressão que Gary Lineker consagrou, faz uma análise mais uma vez polémica.
      Mas muito real.
      Goste-se, ou não.
      Da pessoa, do país em causa, dos seus líderes.

      Eliminar
    2. Sempre que oiço ou leio qualquer referência a MST (não como escritor) é precisamente devido ao teor polémico das suas intervenções. Muitos não gostam. Mas como sabe… muitos não gostam de muita coisa e de muita gente.

      Eliminar
    3. O MST só é insuportável a tratar alguns temas, Catarina - bola, caça e cigarros.
      Aí perde toda a inteligência, toda a cultura, toda a a capacidade.

      Eliminar
  2. MST por vezes comenta ou escreve coisas com as quais não estou de acordo, mas neste artigo dou-lhe toda a razão embora eu não goste de futebol.
    No entanto há uma pequena/grande diferença: os alemães investem muito no desporto e na cultura. Desporto para eles não é só futebol, ao invés de Portugal que só investe em quê? pois claro!
    Se compararmos o investimento versus ordenados versus bolsas de um futebolista da selecção de futebol com os das outras modalidades...pois é, pois é!!!

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui há dias li uma estatística gira, Fatyly
      Benfica, Porto e Sporting têm, no conjunto, um passivo acumulado de 1600 ou 1800 milhões de euros, já não me lembro exactamente qual.
      O mais importante é que esse passivo era equivalente ao passivo total de TODOS os clubes da Liga alemã (Bundesliga)
      Onde há um Bayern de Munique, um Bayer Leverkussen,.....
      Dá que pensar, não dá?

      Eliminar
  3. Aos costumes disse, MST não é o meu comentador preferido.

    Posto isto, dizer que subscrevo, na integra, o seu comentário nesta matéria, aliás, já comentei isso mesmo, recorda-se, Pedro?

    Por outro lado, na Alemanha quando um clube esteve em grandes dificuldades financeiras (B.Dortmund) foi o seu maior rival (B.Munchen) quem o valeu da insolvência, o Pedro imagina o Porto e o Benfica a fazerem o mesmo?

    Enfim, tudo se resume a «outra cultura» outra forma de enfrentar as situações.

    Amigo, aquele abraço e um beijinho às suas princesas vou de fim de semana alargado (feriado no Funchal (Dia da Cidade) + 1 dia de férias) para descansar das férias!!! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! :DDDDD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outra mentalidade, outra cultura, outra gente, Ricardo.
      Goste-se, ou não, é assim.

      Faz muito bem em ir repousar das férias.
      Todos os momentos que pudermos dedicar ao convívio familiar devem ser aproveitados, Ricardo.
      Enjoy!!!

      Eliminar
  4. Não percebo muito de futebol e não acompanhei as andanças e comportamentos dos jogadores alemães nem dos portugueses durante o Mundial, no Brasil. Mas, desde "Não te deixarei Morrer Robinson Crusoé", nunca mais 'larguei' o MST!
    Nem sempre estou de acordo com tudo o que ele pensa e escreve, mas sou sua fã incondicional e não perco uma das suas intervenções televisivas.

    Nesta crónica acho-o demasiado pro-alemão, mas se ele o diz...:))

    Um beijinho, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O MST, por muito polêmico que seja, é um tipo com uma cultura e uma inteligência fora do vulgar, Janita.
      E é um tipo com uma cultura de exigência que lhe permite escrever estas coisas.
      O que ele diz acerca das selecções alemã e portuguesa é, infelizmente, a mais pura verdade.
      E, também infelizmente, estende-se a outras áreas da vida.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Um texto a merecer o meu aplauso. O que tendo em conta quem o escreve, é relevante. Habitualmente, Sousa Tavares 'escorrega nas curvas' e eu não gosto.
    Isto é diferente. Classificação? Bom. Só não leva pontuação mais alta por causa de uma coisa que era desnecessária, por descabida. Quando se refere aos «2 minutos e 45 segundos depois da hora». Não havia necessidade.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente perfeitamente descabido, António.
      Mas lá está sempre o tal lado negro do Sousa Tavares.
      Fala de bola (Porto) e desaparece o tipo culto, inteligente, para dar lugar ao adepto desmiolado.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. ~
    ~ ~ Não eram apenas chutadores de futebol-- eram atletas completos e bem treinados.

    ~ ~ Não eram um conjunto de bons chutadores-- eram uma equipa de elementos bem integrados, um trabalho de equipa excelente.

    ~ ~ Motivos?
    ~ ~ Não é apenas uma questão de trabalho e patriotismo~~ também é uma questão fundamental, a motivação-- o "pirilimpimpim".

    ~ ~ Se Portugal fosse um país rico, tinhamos o melhor treinador do mundo e, com Mourinho, a nossa seleção nacional seria muito diferente.

    ~ ~ Na minha opinião, não tem nada a ver com cultura-- eles tiveram de construir um país desfeito-- tem a ver com preparação mental.

    ~ ~ ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dinheiro aqui nem é o mais importante, Majo.
      É realmente uma questão de mentalidade, de seriedade, de vontade.
      Que poderão/serão muito o resultado do que diz - ter que reconstruir um país desfeito.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Concordo com o Miguel e algumas das suas opiniões sobre a equipa alemã no mundial do Brasil, também as defendi lá no meu canto.
    Mas há uma coisa em que estou totalmente em desacordo. Os últimos europeus de atletismo foram um fiasco para a Alemanha que só ganhou uma medalha de ouro ( creio que 8 no total), enquanto França e Grã Bretanha ganharam 23. A França ainda ganhou mais duas ( ouro e prata) mas foram-lhes tiradas na secretaria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos,
      Se bem percebo, o que o Miguel quer referir é o ecletismo do desporto na Alemanha.
      Sempre a alto nível.

      Eliminar
  8. Estou de acordo com algumas das "verdades" o M. Tavares escreve.

    Mas, quem ganhou a Copa do Mundo 2014 foi a medicina desportiva e os laborabórios de doping da alemanha.

    Portugal e outros países têm sido roubados vergonhosamente pela alemanha, com a protecção da fifa.

    Por exemplo:

    - Portugal há uns anos perdeu contra a alemanha com dois golos ilegáis Podolsky e Klose. O àrbitro não apitou porque era a diferença entre a presença de vários milhões de alemães cheios de euros na final, versus uns milhares de portugueses na banca rota! Mais ainda os sponsors como a adidas a torcer o nariz à fifa!

    - Você tambêm esquece isto, no Brasil 2014 contra a Argentina, a 0-0 e mais de 55 minutos a jogar, penalty contra a alemanha e expulsão do Neuer:

    Não é necessário explicar porque é que o àrbitro não apitou. Qual é a roupa do Neuer e do Iguáin? Adidas "of course" o main sponsor da fifa, e claro com um penalty acabava a festa!

    A alemanha está a fornicar Portugal à grande e à francêsa com os empréstimos da EU, como todos sabem pretendiam a 14% que era criminoso! Isto é depois de ter comprado quem nos representa na EU/CE que permitiram entre muita sacanice até mudar a cultura do vinho na região do Douro que têm demarcação centenária de Vinho do Porto....e destruír dezenas das nossas industrias, da pesca, agricultura e até artesanal, com um modelo económico inviável para um país como Portugal.

    É no futebol e em muitas outras coisas Portugal é um país infeliz e faz muita burrice, mas os alemães tão pouco são a luz no fundo do tunel!

    Hoje Portugal não é nada mais do que comprador/consumidor dos productos dos nossos "amigos" do norte da europa e fabricador para esses mesmos "amigos" a preços chorudos!

    O que é preciso é aprender dos erros do passado e apresentar soluções positivas e viávéis ao nosso povo e ao nosso País dentro do que é realístico para nós e consumir o que produzimos!

    A mentalidade pacóvia de que só o que é estrangeiro é que é bom, tem de mudar.

    No desporto e preciso dar aos nossos atletas (medecina desportiva de alto nível e não a m***a dos produtos eles usam que os poêm excitados, sem cabeça, descontrolados e irracionáis!).

    Que se f***m os alemães, na segunda guerra mundial foram-lhes perdoados trilhões e todos nós ajudamos a alemanha a saír da míséria e fome. Agora Portugal e Grécia que em grande parte foram destruídos pela "folly" que se chama EU/CE, são países considerados indesejávéis e a alemanha com a p**a comunista da Merkel pede tributo?!!??

    O imigrante Português é o mais apreciado pelas suas qualidades de bom trabalhador, punctualidade, lealdade, espirito de sacrifício, honra, abegnação e productividade.

    Para mim o povo Português em Portugal é do mesmo valor, com uma "pequena" diferença, têm o sistema político que os desmoraliza e destrói!

    Detesto comentários de "expertos" que não trazem nada de positivo para quem os defende com brio senão fazer comparações anodinas e que do desporto nada sabem ou não têm a coragem de dizer a verdade! Que é:

    O que ganhou o Mundial 2014 foi a medicina desportiva de alto nível!

    Sérgio Cruz (Moçambicano de nascimento, com sangue 100% Português nas veias!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje Portugal não é nada mais do que comprador/consumidor dos productos dos nossos "amigos" do norte da europa e fabricador para esses mesmos "amigos" a preços chorudos!

      E...com o desemprego a alemanha causou a Portugal através das "leis" da EU/EC...a alemanha "a nossa grande amiga" agora oferece trabalho aos nossos jovens universitários bem formados pagos à custa dos impostos dos Portuguêses.

      Isto não é outra coisa que o roubo da propriedade intelectual de Portugal e da nossa juventude que a alemanha não tem pois eles decidiram não ter crianças e agora roubam as nossas!...e com isso o futuro de Portugal!

      Esse Miguel de Sousa Tavares que vá viver para a Alemanha!

      Sérgio Cruz

      Eliminar