27 de março de 2014

Resumo de "Os Maias"




20 comentários:

  1. ~ Os tecidos?
    ~ Os cretones floridos, combinados com veludo e atá as cores eram importantes para descrever os seletos e refinados ambientes dos Maias.
    ~ Que não escape nenhum pormenor ao nosso mestre!

    ~ Está engraçado ...
    ~ Não falta quem invente falta de tempo para ler.

    ~ Um dia realmente bom. ~

    ~ ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um resumo bestialmente bem conseguido, Majo :)))
      Beijinhos

      Eliminar
  2. O que seria da literatura se os escritos no chegassem dessa maneira? A Arte literária é isso mesmo. Saber descrever locais, factos e personagens... não importa o número de páginas. Eu tinha apenas 12 anos quando li os Maias por iniciativa própria. Aliás. Li praticamente toda a obra do Eça até aos 16 anos e a sua Arte marcou-me imenso. É um dos meus escritores clássicos favoritos. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo o que o Eça publicou está disponível aí em casa, em Portugal, Luciano.
      Livros que se podem reler a qualquer momento com grande prazer.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  3. Um resumo excelente que me fez soltar uma sonora gargalhada.
    Li toda a obra do Eça...mas já não consegui ler a de Júlio Diniz com as suas "Pupilas do Sr.Reitor" que nunca mais saiamos do pormenor+pormenor+pormenor que lá tinha de voltar atrás para apanhar o fio à meada.
    Outro mais recente e quase do mesmo estilo...José Saramago é que desisti de ler por exemplo o Memorial do Convento...nem pensar; apre!!!!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Consigo ler os clássicos e gosto de os ler, Fatyly
      Saramago é que nem pintado!
      Abraço!

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Há gente com muita imaginação, Ricardo! :))

      Eliminar
  5. Resumo preciso, conciso e, sobretudo, muito bem humorado!
    Bom FDS, Pedro

    ResponderEliminar
  6. Só falta a descrição do Eusébiozinho, o totó de serviço na trama.

    ResponderEliminar
  7. Que barbaridade com um dos romances da minha vida.

    Li "Os Maias" várias vezes na nossa língua; como também traduzido na língua de Goethe.

    Eça de Queirós é o meu deus da literatura portuguesa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ematejoca,
      Só se brinca com o que a gente gosta.
      O resto é indiferente, passa ao lado.

      O Eça é eterno!!

      Eliminar
    2. Também não levei tanto a mal como parece à primeira vista!!!

      Eliminar
    3. Eu sei, ematejoca.
      Estava também a brincar consigo.
      Sabe porquê?
      Porque também gosto de si

      Eliminar
  8. Está o máximo, estive aqui a rir com esta descrição :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saber brincar com o que gostamos.
      E lembrar o Vasco Santana, Gábi - Há três grandes escritores de língua portuguesa, três enormes escritores - o Eça, o Eça e o Eça! :)))

      Eliminar
  9. Com uma sinopse destas qualquer editor aceitava publicar, de caras, sem ler o romance.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um livro inesquecível com um resumo muito bem humorado, Agostinho

      Eliminar