20 de fevereiro de 2014

A senhorita Maria Luís é como o armeiro branco da anedota (Alfredo Barroso)


«Este governo não tem nada contra os funcionários públicos nem contra os pensionistas», disse a inefável ministra das Finanças, senhorita Maria Luís Albuquerque, explicando que o alargamento da famosa Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) justifica-se pela «necessidade de garantir a sustentabilidade das contas públicas». Esta extraordinária declaração da senhorita Maria Luís fez-me lembrar uma famosa anedota, que, por acaso, me foi contada pela primeira vez pelo Raul Solnado, num jantar de aniversário, há mais de 20 anos, e que reza mais ou menos assim:

Numa cidade do sul dos EUA, um preto entra numa loja de venda de armas, é recebido ao balcão pelo armeiro branco dono da loja, vai olhando para as armas expostas nas vitrinas e vai perguntando:


- O senhor tem uma pistola Beretta?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma Walther?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma Smith & Wesson?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma espingarda Remington?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma Brownning?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma Kalashnikov?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma pistola-metralhadora UZI 9MM?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma Breda M37?

- Não tenho, não senhor!

- E tem um lança granadas de espingarda Energa m/953?

- Não tenho, não senhor!

- E tem um lança granadas Battlefield 4 MGL?

- Não tenho, não senhor!

- E tem uma BaZuka by runie84?

- Não tenho, não senhor!

- Oiça lá, o senhor tem alguma coisa contra os pretos?

- Tenho, sim senhor! Uma Beretta, uma Walther, uma Smith & Wesson, uma Remington, uma Brownning, uma UZI 9MM, uma Breda M37, um Energa m/953, um Battlefield 4 MGL, uma BaZuka by runie84, e ainda, se for preciso, um Canhão Sem-Recuo de 106MM!


A senhorita Maria Luís também não tem nada contra os funcionários públicos e contra os pensionistas, a não ser a Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES), os cortes brutais nos salários e nas pensões, o aumento dos impostos e das contribuições para a ADSE, a diminuição dos subsídios de doença e de desemprego, assim como das comparticipações nos medicamentos, o aumento das taxas moderadoras no SNS, etc, etc, etc...

12 comentários:

  1. ~ E está dito o essencial, sobre essa Maria espertalhona. ~

    ~ ~ ~ Um dia plácido e bem realizado! ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A analogia é excelente, Majo.
      De fino recorte humorístico.

      Eliminar
  2. Maria espertalhona não está mal. A mim parece-me aquela menina que levava a bola para a escola mas enxotava os colegas. Só ela é que jogava.

    ResponderEliminar
  3. Parafraseando alguém diria, Pedro, que 2015 é já ali ao virar da esquina!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem que ser melhor que 2013, Ricardo.
      Pior que o que tenho observado parece-me impossível.

      Eliminar
  4. Todos eles "são fortes perante os fracos e fracos perante os fortes" e pergunto muitas vezes: em que governo é que entrou mais trabalhores para o Estado? Pois...Cavaco, versus Cavaco...e agora são os próprios a fazer o que fazem...mas espera aí...há que estar atento às nomeações que este governo tem feito e a última foi feita por Luisita.

    Isto vai passar, como diz o Ricardo 2015 está ali à vista (lá virão as promessas elitoralistas)...mas antes temos de aguardar pela pancada e mais cortes após Maio!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem mais alimentou o monstro Estado foi o actual PR enquanto foi PM.
      Os números não mentem.
      Mas o que mais me revolta, do fundo do coração, é o que está a conhecer com os reformados e os pensionistas.
      Tirar-lhes o que lhes era devido depois de uma vida de descontos?
      Inqualificável!!

      Eliminar
  5. Creio que o 2015 a que o Ricardo se refere, creio, tem a ver com eleições legislativas.

    Para comparações, temos o 2014, não precisamos de mais.
    Está a ser pior que 2013.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebi, António.
      Mas acho que também já todos percebemos, até quem afirma o contrário, que 2014 não vai ser melhor que 2013.
      O termo de comparação para uma possível e desejada mudança tem que ser 2013 (2014 ainda é uma criança)
      As próximas europeias podem dar algumas indicações.
      Vamos ver o que acontece.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  6. A senhorita Maria Luís deveria ser atada a um poste da ponte sobre o Tejo, vergastada e sodomizada. Mas atenção! Eu não tenho nada contra a loira oxigenada que gere o pote...

    ResponderEliminar