7 de janeiro de 2014

O leite em pó e os visitantes em Macau


Existe uma estranha relação entre os que visitam Macau provenientes do interior da China e o leite em pó.
Depois do escândalo criminoso que vitimou vários bebés no interior da China, o consumidor chinês, compreensivelmente, deixou de confiar no leite em pó que ali se encontra à venda.
Qual é o pai que consegue criticar esta postura?
Se a mesma é mais do que compreensível, o negócio despudorado, bárbaro, que se desenvolveu em volta da venda de leite em pó em Macau na sequência destes eventos é, numa palavra, nojento.
As farmácias em Macau passaram a ser entrepostos de fornecimento de leite em pó aos visitantes provenientes do interior da China, com grandes margens de lucro, deixando para segundo plano a venda de medicamentos (procurar  uma simples embalagem de Panadol para fazer face a uma dor de cabeça é, em muitas farmácias, uma aventura) que devia ser a sua vocação principal.
Curioso é que se ouve dizer que estas margens de lucro das farmácias de Macau não impedem que o produto seja revendido no interior da China por preços ainda superiores.
Ou seja, e aqui é que está o puro nojo, a maioria das pessoas que aqui compra leite em pó não são pais desesperados.
São comerciantes sem escrúpulos nem licença.
E sem controlo.
Porque não é nada difícil encontrar no dia a dia farmácias a vender latas de leite em grande número a um mesmo consumidor.
Para, nesse mesmo dia, ou no dia seguinte, se queixarem da falta do produto a quem genuinamente precisa dele.
O Executivo de Hong Kong tomou medidas enérgicas para fazer face ao problema naquela Região Administrativa Especial.
Em Macau, por sua vez, assistimos ao mesmo dolce fare niente que vemos em tantos outros domínios da nossa vida colectiva.
Ano novo, atitude e problemas velhos. 

30 comentários:

  1. Realmente não se compreende porque não se tomam medidas como as que foram tomadas em HK. Ainda recentemente foram detidas bastantes pessoas por contrabando do leite em pó.

    Ps: Para a dor de cabeça, recomendo Saridon

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem é a questão da dor de cabeça, Hugo.
      Qualquer medicamento é quase uma tortura para ser adquirido.
      Já uma latinha de leite em pó.....
      Repito - mete nojo!
      Aquele abraço e votos de um 2014 em grande!

      Eliminar
  2. É verdade caro amigo: velhos problemas e velhas atitudes... quando um governo diz, relativamente ao que se passa no sector imobiliário, que se deve deixar prevalecer a lei do mercado (a lei da selva, na verdade), está tudo à vista! É o dinheiro que fala mais alto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, Anónimo.
      Não é a lei do mercado, é a lei da selva.
      Os mercados devem ser, têm de ser, regulados.
      Isto é mesmo a lei da selva em estado puro.

      Eliminar
  3. Costuma-se dizer que “anda meio mundo a enganar o outro meio. O“povo” sabe o que diz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina,
      Já lhe tinha passado pela cabeça uma coisa destas? Negócios, especulação, com leite em pó?
      Mas esta gente não respeita nada nem ninguém?!

      Eliminar
  4. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    É uma oura verdade, mas o foverno como bem se refere fare niente, e eu que o diga, mas o mal já vem de muito longe.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Cambeta,
      Neste caso, e noutros que bem conhecemos, a inércia é propositada.
      Mas perfeitamente incrível, terceiro-mundista.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
    2. Mas a inércia, neste caso, é terceiro-mundista, Amigo Cambeta.
      Que raio de gente é esta?!
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Numa palavra, Pedro:
    Nojo (ponto final parágrafo)!!! :((

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Ricardo.
      Aquele abraço!

      P.S. Espreite a rábula do ingresso do Eusébio no Benfica porque é muito engraçada.
      Eu não a conhecia.

      Eliminar
  6. Bom dia Pedro
    A corrupção é um vírus resistente e está instalado ao mais alto nível.
    Faltam princípios de moralidade na formação humana das pessoas. Parece que caminhamos numa selva desenfreada onde tudo não passa de um jogo sujo e hipócrita.
    ...e traidores ...também entre nós vivem...e se governam sem grandes dificuldades...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pode valer tudo, não pode ser a selva, luis
      E é isso que se está a ver.
      Sem que ninguém faça nada para colocar alguma ordem no caos.

      Eliminar
  7. Não sei se alguém já o disse porque, desta vez, não li os comentários anteriores...
    Acho que deviam limitar o nº de latas por cliente!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos,
      Precisamente o que foi feito em Hong Kong.
      Quando se quer, é muito fácil encontrar soluções, não é?
      Quando não se tem vontade disso, salve-se quem puder.
      Abraço

      Eliminar
  8. [...é o dinheiro sempre a falar mais alto. cansada!!!]


    abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente já cansa, Margoh.
      Esta gente é capaz de vender a alma ao diabo, caramba!
      Abraço

      Eliminar
  9. Como diz a Rosa dos Ventos e o Pedro confirma , desde que haja vontade as coisas resolvem-se e neste caso até é simples : limitação de embalagens por cliente

    Gostei de ler a estória do post anterior relativa a Eusébio.

    Bom dia, com mais claridade e menos chuva do que por aqui

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que essa vontade não existe, São :(

      A rábula em torno da vinda do Eusébio para o Benfica é deliciosa.
      De romance!

      Tivemos um dia cinzentão, mas sem chuva e sem frio.
      Amanhã será igual.

      Eliminar
    2. Caro Amigo Pedro Coimbra!
      Lastimo saber que este mercantilismo nefasto é a tônica em Macau.
      Caloroso abraço! Saudações entristecidas.
      Até breve...
      João Paulo de Oliveira
      Um ser vivente em busca do conhecimento

      Eliminar
    3. Cada vez mais, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Por dinheiro faz-se tudo e vale tudo.
      Grande abraço!

      Eliminar
  10. Que nojo! É a mesma vergonha pelo mundo todo! «Don dinero» como dizia a minha avó espanhola.

    Beijinhos deste jardim à beira-mar plantado... ( e bem fustigado por esse mesmo mar! E pelo "governo" também...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um prato de lentilhas, Graça?!
      Já nem é preciso tanto.
      Vai mesmo com umas latinhas de leite em pó e ponto final.

      Tenho visto as imagens do temporal e são verdadeiramente assustadoras.
      Muito bonitas, mas assustadoras.
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Pois, meu caro, o que parece que esses farmacêuticos têm em comum é aquele espírito capitalista puro e duro, estando-se nas tintas para os valores que certamente aprenderam na universidade... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não são farmacêuticos, Teté.
      Os farmacêuticos têm uma deontologia profissional que não tem nada a ver com estes abutres.
      Podem ter o diploma, não têm o comportamento que devia acompanhar o canudo.
      Beijocas

      Eliminar
  12. Caro Pedro,
    em termos de leite infantil, 2013 até foi um ano bastante calmo pois não tem havido, que eu saiba, rupturas de stock.
    2010 foi um pesadelo, cheguei a encomendar leite de singapura pois aqui a marca que a minha filha bebia estava sempre esgotada.
    Boa quarta-feira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No domingo, ali bem ao meu lado, numa farmácia da Taipa, estavam uns visitantes a encher um caixote de papelão com latas de leite em pó.
      E os farmacêuticos (???) nem me ligaram patavina.
      Inaceitável!!

      Eliminar
  13. Devia haver um limite de venda de latas, como em HK!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era tão simples quanto isso, Anónimo.
      Se houvesse vontade.
      Mas é mais a lei do deixa andar que impera :(

      Eliminar
    2. Tão simples como isso, Anónimo.
      Por aqui impera a lei do deixa andar.

      Eliminar