30 de setembro de 2013

A loira e a freira



Ia uma Freira a caminho do convento quando uma loira lhe oferece boleia. A Freira entra no carro e começa a reparar no seu luxuoso interior:

- Mas que belo carro a Senhora tem! Deve ter trabalhado muito arduamente para o conseguir comprar.

Responde a loira:
- Olhe Irmã, por acaso não foi bem assim. Foi um empresário, com quem dormi durante uns tempos, que me ofereceu esta máquina.

Entretanto, a Freira olha para o banco de trás onde estava um bom casaco de vison e exclama:
- Oh! O seu casaco de peles é lindo! Deve ter custado uma fortuna…

Responde a loira:
- Não me custou muito pois bastou-me passar umas quantas noites com um futebolista…

Após ouvir isto, a Freira manteve-se calada durante o resto da viagem. Ao chegar ao convento foi para os seus aposentos tomar um relaxante banho. Estava a Freira no banheira quando ouve alguém a bater à porta do seu quarto…
- Quem é? – Pergunta a freira.

Responde uma voz masculina:
- É o Padre Afonso.

Furiosa diz a freira:
- Ah tu! Olha, vai à merda mais os teus rebuçados de mentol!


BOA SEMANA!!
(Nos próximos dois dias não há blogue. Comemora-se a instauração da República Popular da China e há feriado e tolerância de ponto por estas bandas.
Amanhã completam-se dezoito anos da minha chegada a Macau também. Até quinta-feira!)


A loira no avião




Uma loira com bilhete para "turistica" entra no avião e vai sentar-se na classe VIP.
A hospedeira que presenciou a cena, dirigiu-se à Srª e pediu o bilhete. Depois de verificar que ela estava ma classe errada, diz.
Desculpe, mas esta classe é reservada a pessoas importantes.
A loira toda irritada respondeu. Eu comprei bilhete para ir de férias para os "Barbados" e é aqui que vou ficar.
A hospedeira vendo que não conseguia resolver o problema, foi ter falar com um colega e contou-lhe o sucedido.
O colega foi ter com a loira e passados alguns segundos a loira abandonou o lugar e foi sentar-se na classe Turística.
A hospedeira vendo a cena, pergunta ao colega. O que foi que lhe disses-te? O colega respondeu. Nada de especial, só lhe disse que aquela parte do avião não ía para os Barbados.

Duas freiras



Duas freirinhas vinham andando pela rua, à noite, quando foram atacadas por
dois assaltantes que, vendo que as duas não tinham nada que pudesse ser
roubado, resolveram, pra não perder o serviço, transar com as freirinhas.
 Elas
gritam, gritam e ninguém aparece. 
Uma delas, tomada do fervor religiosa, ora:
- Senhor, perdoai-os. Eles não sabem o que fazem
Ao que a outra responde:
- Só se for o seu, porque o meu é um artista!

27 de setembro de 2013

Cuidado com as férias!



Minha querida:
 
Muito obrigado pela tua linda e carinhosa carta. Podes ter a certeza de que eu sei tratar de mim, por isso, não te preocupes comigo. Durante a tua ausência, não se tem passado nada de especial cá em casa.
 
Tenho preparado o meu próprio almoço e todos os dias me espanto de como tudo tem saído bem. Já que estou sempre com pressa, ontem decidi fazer batatas fritas. Já agora, diz-me uma coisa: Era preciso descascar as batatas? Enquanto estavam a fritar, aproveitei para ir buscar uns brioches à padaria. Quando voltei, o esmalte da frigideira tinha derretido. Nunca pensei que o estupor da frigideira aguentasse tão pouco. E tu que me dizias que o "teflon" aguentava tudo e mais alguma coisa! Já consegui tirar toda a fuligem da cozinha, mas o nosso gato Fred é que ficou preto que nem um tição e agora tosse muito. Desde esse dia, entra em pânico e foge quando mexo nas panelas ou abro o bico do fogão. Já que pelo menos uma vez por dia preciso de uma refeição mais elaborada, quando estou a fazê-la, o Fred pira-se e só aparece passadas umas horas.
 
Diz-me outra coisa: Quanto tempo é que é preciso para cozer os ovos? Eu já os pus a ferver há duas horas, mas mesmo assim, continuam duros que nem uma pedra! 
 
Também queria que me dissesses se se pode aproveitar leite queimado. Queres que o guarde na despensa até tu voltares? 
 
Na semana passada tive um pequeno contratempo ao cozinhar umas ervilhas. Vou-te contar: Agarrei numa lata e decidi aquecê-la, mas infelizmente, explodiu dentro do microondas. A porta do microondas foi projectada para fora da cozinha e foi bater contra a nossa pequena estufa de inverno, que claro, ficou partida, assim como a janela. Nada de grave!... Como a janela estava fechada (agora, fecho-a sempre antes de começar a cozinhar, senão os bombeiros aparecem outra vez), a porta do microondas arrancou-a também, tal foi a força. Por sua vez, a lata de ervilhas parecia um foguete a levantar voo!... Atravessou o tecto e foi embater na filha do Freitas, o nosso vizinho de cima. Ela estava com o namorado mas penso que eles estão bem.
 
Outra coisa: já te aconteceu a louça suja ficar com mofo? Como é que isto se pode dar em tão pouco tempo? Afinal, tu foste de férias no mês passado, mas parece que foi ontem. Aliás, atrás do lava-louças há montes de bichos; daqui a pouco até vai dar para fazer um documentário e vendê-lo ao 'National Geographic". De onde é que saíram tantos bichos cheios de pernas? Puseste alguma coisa que não devias lá atrás? Bom, isto acabou por fazer com que eu tomasse uma atitude e lavasse a louça.
 
Por favor não me insultes, meu amor, mas aquele lindo serviço de jantar de porcelana da tua avó, já era. Eu realmente não contava com isso, afinal de contas parecia tão robusto e sólido! Bom, talvez eu tenha exagerado um bocadinho ao pôr a máquina no 'programa completo com centrifugação'.
 
Aliás, a máquina de lavar roupa também se escangalhou. A faca de aço temperado que eu pus lá dentro, estragou o cilindro durante a centrifugação, porque ficou presa na parede interna. Quanto ao cilindro, atravessou a parede da cozinha, fazendo um pequeno buraco, e foi aterrar no jardim.
 
Durante um dos almoços, sujei a carpete persa com molho de tomate. Sempre me disseste que as manchas do molho de tomate são impossíveis de tirar. Ficas a saber, meu amor, que com um bocadinho de aguarrás, sai tudo, mas mesmo tudo, inclusivamente, a lã e a seda da carpete.
 
O frigorífico estava a fazer muito gelo, por isso, tive que o descongelar. Tenho que te ensinar uma coisa. O gelo sai facilmente se o raspares com uma espátula de pedreiro! Só não sei é porque é que agora passou a aquecer... O iogurte, a água com gás e o champanhe, explodiram.
 
Sabes querida, na passada quinta-feira, quando saí, esqueci-me de fechar a porta de casa. Alguém deve ter entrado, porque faltam algumas coisas de valor, entre elas, aquele colar de marfim do século XIX, que o teu bisavô trouxe da expedição a África. Mas como tu costumas dizer, o dinheiro não dá felicidade e tudo o que é material é efémero. O teu guarda-vestidos também está vazio, mas penso que não devem ter levado muita coisa, já que, sempre que saímos, tu dizes que não tens nada pra vestir.
 
Bom, vou ficar por aqui, mas amanhã conto-te mais coisas. Espero que te descontraias bastante no "spa" e que aproveites bem o teu merecido descanso.
 
Beijos mil, com muito amor, do teu Afonso que muito te ama.

 
 
P.S.: A tua mãe veio cá ver como estavam as coisas e teve um enfarte. O velório foi ontem à tarde, mas eu preferi não te contar nada para não te estragar as férias e aborrecer-te desnecessariamente. Afinal de contas, quero que aproveites bem as tuas férias e voltes muito descontraída e cheia de energia.


BOM FIM-DE-SEMANA!!!

An Italian Honeymoon !!!


An Italian Honeymoon !!!

After returning from his honeymoon  with his bride Virgina, Luigi stopped by his old barbershop in Jersey to say hello to his friends.

Giovanni said, "Hey Luigi, how wasa da treep down to Florida?"
Luigi, "Everyting wasa perfecto except for da train ride down."
"Whata you mean, Luigi?" asked Giovanni.
"Well, we boarda da train at Grana Central Station. My beautiful Virginia , she packa big basket a food. ...
She brought da vino, some nice cigars for me, and we were lookina forward to da trip, and open upa da luncha basket. The conductore come aby, waga his finger at us anda say, 'No eat indisa car. Musta use a dining car..'     
So, me and my beautiful Virginia, we go to da dining car, eat a biga lunch and starta at open da bottle  of a nice a vino!

Conductore walka by again, waga his finger and say, 'No drinka in disa car! Musta use a cluba car.'
So, we go to cluba car.    While a drinkina da vino, I starta to lighta my biga cigar. The conductore, he waga 'is finger again  and say, 'No a smokina disa car. Musta go to a smokina car ..'
So we go to a smokina car and I smoke a my biga cigar.  Then my beautiful Virginia and I, we go to our sleeper car anda go to bed. We just about to go boombada boombada .... and the conductore, he walka through da hallway shouting at a top of his a voice..

'Nofolk Virginia ! Nofolk Virginia!'

"Nexta time, I'ma just gonna taka da bus
...."

Ela disse, ele disse

26 de setembro de 2013

A CTM descobriu o MEO


A liberalização de mercados antes explorados em regime de monopólio dá origem a fenómenos muito curiosos.
Veja-se o caso do sector das telecomunicações em Macau.
Com a liberalização do mesmo, Vandy Poon, o CEO da CTM, tornou-se numa espécie de Jorge Álvares.
Mas faz a viagem em sentido contrário.
Jorge Álvares partiu de Portugal e aportou em Macau; Vandy Poon partiu de Macau e foi descobrir o MEO a Portugal.
E, de um momento para o outro, a CTM descobre o que é um trend no mundo civilizado - os serviços integrados de telecomunicações.
Já muitas vezes se disse, e repetiu, que Macau andava, no sector das telecomunicações, dez anos à frente de Portugal nos anos 80 e boa parte dos anos 90 do século passado.
De repente, passou a estar vinte anos.....atrás.
Porque a CTM, sozinha no mercado, não sentiu necessidade de se modernizar, de oferecer serviços que eram oferecidos por esse mundo fora.
E que, agora, parece que vão chegar a Macau.
Mais vale tarde que nunca, não é?
Mas, aproveitando o exemplo que a liberalização deste sector nos oferece, que tal alargar a experiência a outros sectores?
Monopólio, só mesmo o jogo.
Também tem dinheiro, casas, hotéis.
Até tem prisão!
Mas é tudo fingido e muito divertido.
Monopólios, na economia real, e abrangendo produtos essenciais - não, obrigado!

Solidariedade à portuguesa


PUBLICO COMO RECEBI

Na Inglaterra, a cadeia de supermercados Waitrose, oferece uma moeda (uma chapa) a cada cliente que faz compras acima dum determinado valor. O cliente, à saída, tem, normalmente, três caixas, cada uma em nome duma instituição social sediada no município, para receber as referidas moedas, de acordo com a opção do cliente. Periodicamente, são contadas as moedas de cada caixa e a empresa entrega em dinheiro, à respectiva instituição, o valor correspondente, donativo esse que, diminui os seus lucros mas, também, tem o devido tratamento em termos de fiscalidade.

Em Portugal, as campanhas de solidariedade custam ao doador uma parte para a instituição, outra parte para o Estado e mais uma boa parte para a empresa que está a “operacionalizar” (?!...) a acção. Um país de espertos... até na ajuda aos mais necessitados. Mas nós ficamos quietos e calados, ou então, estupidificamos porque queremos.

Programa de luta contra a fome.
Nada é o que parece.
Ora veja:
Decorreu num deste fins de semana  mais uma ação, louvável, do programa da luta contra a fome mas,....façam o vosso juízo!
A recolha em hipermercados, segundo os telejornais, foi cerca de 2.644 toneladas! Ou seja 2.644.000 Kilos.
Se cada pessoa adquiriu no hipermercado 1 produto para doar e se esse produto custou, digamos, 0.50 € (cinquenta cêntimos), repare que:
2.644.000 kg x 0,50 € dá 1.322.000,00 € (1 milhão, trezentos e vinte e dois mil euros), total pago nas caixas dos hipermercados.
Quanto ganharam???:
- o Estado: 304.000,00 € (23% iva)
- o Hipermercado: 396.600,00 € (margem de lucro de cerca de 30%).
Nunca tinha reparado, tal como eu, quem mais engorda com estas campanhas...
Devo dizer que não deixo de louvar a ação da recolha e o meu respeito pelos milhares de voluntários.

MAIS

É triste, mas é bom saber...
- Porque é que os madeirenses, receberam apenas 2 milhões de euros da solidariedade nacional, quando o que foi doado eram 2 milhões e 880 mil?
Querem saber para onde foi esta "pequena" parcela de 880.000,00 € ?? !!!!!!
A campanha a favor das vítimas do temporal na Madeira, através de chamadas telefónicas é um insulto à boa-fé da gente generosa e um assalto à mão-armada.
Pelas televisões a promoção reza assim: Preço da chamada 0,60 € + IVA. São 0,72 € no total.
O que por má-fé não se diz, é que o donativo que deverá chegar (?!!) ao beneficiário madeirense é de apenas 0,50 €.

Assim oferecemos 0,50 € a quem carece, mas, cobram-nos 0,72 €, mais 0,22 € ou seja 30%.
Quem ficou com esta diferença?
1º - a PT com 0,10 € (17%), isto é, a diferença dos 50 para os 60.
2º - o Estado com 0,12 € (20%), referente ao IVA sobre 0,60 €.
Numa campanha de solidariedade, a aplicação deu uma margem de lucro pela PT e da incidência do IVA pelo Estado, são o retrato da baixa moral a que tudo isto chegou.
A RTP anunciou com imensa satisfação, que o montante doado, atingiu os 2.000.000,00 €.
Esqueceu-se de dizer, que os generosos pagaram mais 44%, ou seja, mais 880.000,00 €, divididos entre a PT (400.000,00 €, para a ajuda dos salários dos administradores) e o Estado (480.000,00 €, para auxílio do reequilíbrio das contas públicas e aos trafulhas, que por lá andam).
A PT, cobra comissão de quase 20%, num acto de solidariedade !!!
O Estado, faz incidir IVA, sobre um produto da mais pura generosidade!!!

ISTO É UMA TOTAL FALTA DE VERGONHA, SOB A CAPA DA SOLIDARIEDADE.

25 de setembro de 2013

O uso e abuso do iPhone


Esqueçam o modelo, a cor, os adereços - o iPhone começa a ser uma praga irritante.
Não propriamente a criação dessa maçã que vai sendo, cada vez mais, símbolo de pecado.
Neste caso, um pecado que mora em todo o lado, não só, como no filme de Billy Wilder, ao lado.
O problema não está na criação, está na utilização que é feita dessa tecnologia.
Não consigo perceber o que é que explica esse comportamento tão bizarro de andar constantemente a olhar para o iPhone, a necessidade obsessiva de teclar a toda a hora e em todo o lugar, a compulsão irresistível de ir espreitar as mensagens mais recentes.
Ainda que nos momentos e nas circunstâncias mais despropositadas.
Torna-se difícil manter a compostura quando se quer, por exemplo, entrar ou sair de um elevador, em hora de ponta, mas alguém nos faz esperar porque está ocupado a teclar algo que tem que ser transmitido naquele preciso momento.
Estará em linha com o Pentágono??
É visceralmente repugnante ver pessoas interromper refeições para ler as últimas novidades.
No Facebook, por exemplo.
Estará Obama a validar com um "Gosto" uma mensagem que deixaram online?
É deprimente verificar que as conversas à mesa desapareceram.
Para dar lugar a um ritual quase tribal de constante teclado.
Enoja entrar numa qualquer casa de banho e ouvir alguém a teclar, ou a falar, enquanto vai satisfazendo prementes necessidades fisiológicas.
Será uma forma subtil de mandar alguém à merda?
Quando a Apple criou esta tecnologia pretendia com a mesma auxiliar as pessoas no seu dia a dia.
Dando continuidade à lenda de Adão e Eva, o ser humano pecou.
E transformou o que era uma tecnologia extraordinária num objecto crescentemente irritante.
Ninguém culpou a maçã.
Também não estou a culpar o iPhone.
Tão só o seu uso e abuso.

Papa Francisco pode nomear uma mulher cardeal



Não se trata de uma brincadeira. É algo que passou pela cabeça do papa Francisco: nomear uma mulher cardeal. Quem o conhece, dentro e fora da Companhia, antes de chegar à cátedra de Pedro, afirma que o primeiro papa jesuíta da igreja está destinado a surpreender a cada dia, não só com suas palavras mas também, e sobretudo, com seus gestos. E ele o está fazendo nos primeiros seis meses de pontificado.

Os que pensam que Francisco, com sua simplicidade de pároco de interior, sua linguagem plana e seu sorriso sempre nos lábios, seja um simples ou um ingênuo se equivocam. Este papa, que não parece papa, chegou a Roma da periferia da igreja com um programa bem concreto: mudar não só o aparelho enferrujado da máquina eclesiástica como também ressuscitar o cristianismo das origens.

O simbolismo de seus gestos começou desde que apareceu na sacada central da Basílica de São Pedro, vestido de branco e dizendo-se "bispo", pedindo que as pessoas na praça o abençoassem. Não perdeu desde então um minuto para semear de gestos inesperados seus primeiros meses de pontificado, para espanto de muitos, dentro e fora da igreja.

E o continuará fazendo. Por exemplo, com esse plano de tornar cardeal uma mulher. Ele sabe que o tema feminino dentro da igreja não está resolvido e não pode esperar. Ele o deixou claro com duas frases lapidares em sua última entrevista a "Civiltá Católica": "A igreja não pode ser ela mesma sem a mulher". Não é só uma afirmação. É uma acusação. A frase também pode ser lida assim: "A igreja ainda não está completa porque nela falta a mulher".

Como introduzir na igreja essa peça essencial, sem a qual a igreja "não pode ser ela mesma"? Foi o que disse na mesma entrevista: "Precisamos de uma teologia profunda da mulher".
E essa teologia, o papa dá a entender, não pode ser construída no laboratório do Vaticano, apadrinhada pelo poder. Está sendo construída pelas mulheres dentro da igreja: "A mulher está formulando construções profundas que devemos enfrentar", diz.

Francisco quer resolver esse problema durante seu pontificado porque está convencido de que a igreja hoje está manca e coxa sem a mulher no lugar que lhe corresponderia, que seria nem mais nem menos o que já teve no início do cristianismo, onde exerceu um enorme protagonismo. Pelo menos até que Paulo cunhou sua teologia da cruz e hierarquizou e masculinizou a igreja.

O papa sabe que para levar a cabo a revolução que tem em mente precisa "escutar" a igreja, não só a de cima, mas também a de baixo, onde estão se realizando, por parte da mulher, "construções profundas".

Poderia, entretanto, abrir caminho ele mesmo com alguns gestos que obrigariam a colocar com urgência o tema da mulher sobre o tapete, ou, se se preferir, sobre "o altar". E um desses gestos seria nomear uma mulher cardeal. É impossível? Não. Hoje, segundo o direito canônico, pode haver cardeais que não sejam sacerdotes, basta que sejam diáconos.

Mas, alguém poderia dizer, hoje a mulher ainda não pode ser diaconisa, como o foi há 800 anos e sobretudo nas primeiras comunidades cristãs. Pois essa é também uma das reformas que Francisco tem na cabeça. Não se trata de um dogma. A mulher poderia ser admitida ao diaconato amanhã mesmo.

Como escreveu Phyllis Zagano, da Universidade de Loyola em Chicago, a maior especialista da igreja nesse tema, "o diaconato feminino não é uma ideia para o futuro. É um tema do presente, para hoje". E conta que teria abordado o tema com o cardeal Ratzinger, antes de ser papa, que lhe respondeu: "É algo em estudo". Para Bento 16 ficou na ideia, mas o papa Francisco poderia acelerar o processo. Hoje, as igrejas Apostólica Armênia e Ortodoxa Grega, ambas unidas a Roma, já contam com diaconisas.

Chegada a mulher ao diaconato, o papa já pode, sem mudar o atual direito canônico, tornar uma mulher cardeal com o título de diaconisa. Mais ainda, bastaria mudar a atual norma para permitir que um laico, e portanto uma mulher, possa ser eleita cardeal, já que houve pelo menos dois casos na igreja em que foram nomeados cardeais dois laicos: o duque de Lerma em 1618 e Teodolfo Mertel em 1858.

O cardinalato não pressupõe a consagração presbiterial nem episcopal. Os cardeais são conselheiros do papa, e sua função principal é eleger o novo sucessor de Pedro. Há algum inconveniente em que uma mulher possa dar seu voto no silêncio do conclave? Seu voto valeria menos que o de um homem?

Um jesuíta me dizia: "Conhecendo este papa, não lhe tremeria a mão tornando cardeal uma mulher, e até lhe encantaria ser o primeiro papa que permitisse que a mulher pudesse participar da eleição de um novo papa".

Quando Francisco, em sua longa entrevista, insiste em que não quer fazer as mudanças precipitadamente e que prefere "escutar" a igreja, é porque essas mudanças, algumas surpreendentes, já estão em sua mente, talvez bem enumeradas. Quer apenas apresentá-las com o aval não só da hierarquia, como do povo de Deus.

Com este papa, como dizia Federico Fellini, "la nave va". Com Francisco, os pilares da igreja começam a se mover. E muitos começam a tremer. De medo. Dentro, e não fora da igreja. Fora começam a ressoar as notas do estupor e até da incredulidade. "Com este papa quase está me dando vontade de me tornar católica", escreveu ontem uma leitora neste jornal.

Algo se move, e talvez irreversivelmente na igreja, justamente no momento em que no mundo laico e político, no campo da modernidade, os relógios parecem ter parado, todos ao mesmo tempo.

El País
Juan Arias
23/09/2013


Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
in http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/el-pais/2013/09/23/papa-francisco-pode-nomear-uma-mulher-cardeal.htm

24 de setembro de 2013

A crise (política) que se segue


Está muito próxima a data de realização das eleições autárquicas em Portugal.
O que devia, em teoria, por definição,  limitar-se a uma escolha dos representantes que estão em contacto directo com as populações, nunca foi apenas isso.
Esse facto é particularmente sentido e relevante nestas eleições.
Com o País mergulhado numa crise económica e social que teima em não dar sinais fortes de abrandamento, estas eleições vão ser, acima de tudo, um teste à coligação que governa e às oposições.
Mas, opinião muito pessoal, muito mais às oposições que à coligação parlamentar.
Porque, com um Presidente da República que constantemente manifesta total repulsa a cenários de crise política, mesmo um resultado desastroso da coligação governamental só dará lugar a uma crise política se, às eleições, se seguir uma implosão da própria coligação.
Uma implosão que, a existir,  partiria da iniciativa do CDS.
Uma possibilidade que não é de afastar.
Se o estratega Paulo Portas verificar que o CDS sai muito penalizado destas eleições, que corre o risco de se tornar uma força política menor, acredito que não hesitará em recorrer a uma fuga para a frente, em tentar demarcar-se, desta vez sem retorno, das políticas de austeridade que tem vindo a apoiar.
Mas, voltando atrás, se a solidez da coligação governamental será posta à prova, a liderança das oposições não o será menos.
No PS, António José Seguro sabe que está obrigado a um resultado que não deixe que subsistam dúvidas acerca da sua capacidade enquanto líder e da capacidade do partido enquanto alternativa de governo.
Um resultado que não seja simultaneamente altamente penalizador para a coligação governamental e moralizador para o PS, representará o fim da era António José Seguro.
A ser assim, falta saber quem sucederá ao baço líder do PS.
Nestas contas de uma crise política anunciada, mas ainda sem se saber com que protagonistas, entra também o Bloco de Esquerda.
A nova liderança bloquista vai, pela primeira vez, ser sujeita a avaliação do eleitorado.
Um resultado penalizador para o Bloco pode desencadear  uma crise de liderança dentro do partido, o emergir de um cenário de orfandade na liderança após a saída de Francisco Louçã e o desaparecimento de Miguel Portas.
Neste cenário de crise(s) eminente(s) só o PCP sai incólume.
Porque o eleitorado comunista não é volátil, está consolidado,  e ninguém estará à espera de um grande resultado ou de uma grande derrota do PCP.
Em resumo, aproxima-se a data de umas eleições autárquicas que, muito  mais que eleger representantes do poder local, poderão ser o primeiro passo para a emergência de um novo paradigma político, com novos protagonistas, em Portugal.

O “De” e o “Da” - CARLOS MATOS GOMES (Coronel)



A má disposição nacional trouxe para o discurso público palavras que viviam sem abrigo. Sigo o tomar no cu do Francisco José Viegas para expressar a minha admiração pelos que conseguem distinguir um corrupto de merda, de um corrupto da merda.
O decisivo, para esses puristas da merda, é o “De” e não o corrupto. Tudo está na preposição de e não no artigo, no caso, dois artigos: o A, da contração da, e o corrupto – ele próprio. É evidente que, bem vistas as coisas, um corrupto dE merda é diferente de um corrupto dA merda. O De Merda, quer dizer que ele é Um Merdas. O Da Merda, quer dizer que ele trafica, vende, trata de Merda, que está, simplesmente, sujo de Merda.
Enfim e resumindo: com de, ou com da, vai tudo dar à mesma Merda, excepto se se tratar de um presidente de câmara, ou da câmara. Onde não há merdas, nem meias merdas, pode fazer sentado ou de cócoras!

23 de setembro de 2013

Em África



Um dia, numa expedição, um cachorrinho começa a brincar entretido a
caçar borboletas e quando se dá conta já está muito longe do grupo do
safari.

Nisto vê bem perto uma pantera a correr na sua direcção. Ao perceber
que a pantera o vai devorar, pensa rapidamente no que fazer. Vê uns
ossos de um animal morto e põe-se a mordê-los.

Então, quando a pantera está quase a atacá-lo, o cachorrinho diz: 

"Ah, estava deliciosa esta pantera que acabo de comer!"

A pantera pára bruscamente e desaparece apavorada pensando:

"Que cachorro corajoso! Por pouco não me comia também!"

Um macaco que estava numa árvore perto e que tinha assistido à cena, 
vai a correr atrás da pantera para lhe contar como foi enganada pelo
cachorro.

Então, a pantera furiosa diz:

"Maldito cachorro! Agora vamos ver quem come quem!"

"Depressa!" - disse o macaco. - "Vamos alcançá-lo." 

O cachorrinho vê que a pantera vem de novo atrás dele com o macaco às
cavalitas ... "O que faço agora?" O cachorrinho, em vez de fugir,
senta-se de costas para a pantera como a não visse e, quando esta está
quase a atacá-lo, diz:

"Raios partam o maldito macaco! Há meia hora que eu o mandei trazer-me
outra pantera e ele ainda não voltou!"

Moral da história:

"Em momentos de crise, a imaginação é mais importante que o conhecimento.

BOA SEMANA!!