6 de novembro de 2013

Meia, Meia ou Meia? Que Bagunça!!



A língua portuguesa é uma das mais difíceis do mundo, até para nós.


O português praticado no Brasil ...

*Na recepção dum salão de convenções, em Fortaleza*

- Por favor, gostaria de fazer minha inscrição para o Congresso.
- Pelo seu sotaque vejo que o senhor não é brasileiro. O senhor é de onde?
- Sou de Maputo, Moçambique.
- Da África, né?
- Sim, sim, da África.
- Aqui está cheio de africanos, vindos de toda parte do mundo. O mundo está cheio de africanos.
- É verdade. Mas se pensar bem, veremos que todos somos africanos, pois a África é o berço antropológico da humanidade...
- Pronto, tem uma palestra agora na sala meia oito.
- Desculpe, qual sala?
- Meia oito.
- Podes escrever?
- Não sabe o que é meia oito? Sessenta e oito, assim, veja: 68.
- Ah, entendi, *meia* é *seis*.
- Isso mesmo, meia é seis. Mas não vá embora, só mais uma informação: A organização   do Congresso está cobrando uma pequena taxa para quem quiser ficar com o material: DVD, apostilas, etc., gostaria de encomendar?
- Quanto tenho que pagar?
- Dez reais. Mas estrangeiros e estudantes pagam *meia*.
- Hmmm! que bom. Ai está: *seis* reais.
- Não, o senhor paga meia. Só cinco, entende?
- Pago meia? Só cinco? *Meia* é *cinco*?
- Isso, meia é cinco.
- Tá bom, *meia* é *cinco*.
- Cuidado para não se atrasar, a palestra começa às nove e meia.
- Então já começou há quinze minutos, são nove e vinte.
- Não, ainda faltam dez minutos. Como falei, só começa às nove e meia.
- Pensei que fosse as 9:05, pois *meia* não é *cinco*? Você pode escrever aqui a hora que  começa?
- Nove e meia, assim, veja: 9:30
- Ah, entendi, *meia* é *trinta*.
- Isso, mesmo, nove e trinta. Mais uma coisa senhor, tenho aqui um folder
de um hotel que está fazendo um preço especial para os congressistas, o senhor já está  hospedado?
- Sim, já estou na casa de um amigo.
- Em que bairro?
- No Trinta Bocas.
- Trinta bocas? Não existe esse bairro em Fortaleza, não seria no Seis
Bocas?
- Isso mesmo, no bairro *Meia* Boca.
- Não é meia boca, é um bairro nobre.
- Então deve ser *cinco* bocas.
- Não, Seis Bocas, entende, Seis Bocas. Chamam assim porque há um encontro de seis ruas, por isso seis bocas. Entendeu?
- Acabou?
- Não. Senhor é proibido entrar no evento de sandálias. Coloque uma meia e um sapato...

8 comentários:

  1. Ah!Ah!Ah!
    Genial, Pedro, genial!
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa língua, nas suas cambiantes, é de uma riqueza extraordinária, Ricardo.
      Querer massificar o seu uso, as suas normas, é criminoso.
      Não me canso de o dizer.

      Aquele abraço!!

      Eliminar
  2. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Este é um dos motivos que sou radicalmente contrário a normatização das normas ortográficas, porque o fascínio da nossa amada língua portuguesa está na sua riquíssima variação linguística !
    Caloroso abraço! Saudações linguísticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos em perfeita sintonia, caro Amigo João Paulo de Oliveira.
      Não entendo como é que se insiste no disparate.
      Grande abraço!!

      Eliminar
  3. ahahah... Não há "acordo ortográfico possível" e muito menos "acordo nos termos" ! :)))
    Nem com um dicionário "lá vamos" ! rsrs

    Abraço ! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O melhor é acordar na diversidade e riqueza de uma língua que já é a sexta mais falada no Mundo, Rui
      Grande abraço!

      Eliminar
  4. Respostas
    1. A língua portuguesa, nas suas diversas cambiantes, é tão rica, Carlos.
      Para quê massificá-la?
      BFDS
      Aquele abraço!

      Eliminar