29 de outubro de 2013

Freitas do Amaral é bem capaz de ter razão


Diogo Freitas do Amaral acusa o actual governo de, com a apresentação da proposta do Orçamento de Estado, estar a forçar a sua própria demissão (ler aqui).
Homem inteligente, culto, sagaz, Freitas do Amaral poderá estar coberto de razão neste seu diagnóstico, nesta sua acusação.
Apresentando uma proposta de Orçamento de duvidosa constitucionalidade, o Executivo pode estar a preparar o terreno para um previsível chumbo do Tribunal Constitucional.
Chumbo esse que, inevitavelmente, conduziria a novo conflito institucional.
O qual, por sua vez, seria o pretexto ideal para que o actual Governo apresentasse a sua demissão, deixando ao PS (que venceria as eleições antecipadas, até com valores muito próximos da maioria absoluta) a tarefa de governar o País no cenário pós-troika.
Fria, calculista, é uma previsão perfeitamente realista.
Que permitiria a Pedro Passos Coelho, Paulo Portas, e mesmo Aníbal Cavaco Silva, uma saída airosa para o que se vai tornando um insuportável desgaste da equipa governativa.
Porque não se trataria de um abandono de funções.
Seria antes a inevitável resposta à "força de bloqueio" (a expressão volta ao léxico político em Portugal) em que se converteu o Tribunal Constitucional.
Freitas do Amaral é bem capaz de ter razão no seu diagnóstico, na sua acusação, nas suas previsões.
O problema é que, muito para além de um bando de politiqueiros irresponsáveis, verdadeiros carreiristas da política, da politiquice rasteira, há um País que sofre, que desespera pelo aparecimento de estadistas que substituam os politiqueiros e carreiraristas, que comecem a pôr fim ao sofrimento em que muitos portugueses actualmente vivem.

24 comentários:

  1. Pode ser que Freitas do Amaral tenha razão e que o cenário apontado seja uma saída para esta cambada de irresponsáveis. Parece-me porém que a equipa governativa quer apenas ter um bode expiatório.
    Como até aqui foram os funcionários públicos os culpados de todos os males que o país enfrenta, agora também são os velhos, os pensionistas, os desempregados e os doentes deste mar lusitano.
    Parece evidente que se o orçamento "passar"é culpa do TC que não chumbou as inconstitucionalidades ...mas se não "passar" a culpa e a desgraça do país também será exclusivamente do T. Constitucional...nunca da incompetência da cambada que é "mãos largas" para uns (os amigos) e desgraça para outros - o povo. .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luís,
      O que Freitas do Amaral pensa, e eu acredito que ande bem informado e bem perto da verdade, é que o bode expiatório que Passos Coelho, Portas e Cavaco procuram poderá muito bem ser o chumbo do Orçamento, mais que provável, por parte do TC.
      Ninguém se demite porque quer, são "obrigados" a demitir-se.
      E a deixar o País nas mãos do PS já sem a presença da troika.
      Se for necessário novo resgate, que seja o PS a pedi-lo.

      O PS vai fazer melhor que esta coligação?
      Este PS, não acredito.

      E apetece-me perguntar como os outros - "E o Povo, pá?!"

      Que tristeza!

      Eliminar
  2. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    O Freitas do Amaral'um dinaussaro da política portuguesa, sabe o que diz, veremos o desfeixe em breve, oxalá esteja enganado.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Freitas do Amaral é muito sabido, muito experiente, tem calo no cu.
      Ele sabe o que está a dizer.
      E faz todo o sentido.
      Mas mete nojo.
      Politiquice quando há tanta gente a ver-se privada do essencial?

      Aquele abraço!

      Eliminar
  3. Pedro, Passos e o seu bando (reformado de Boliqueime incluído) jamais se importaram com Portugal, menos ainda com @s português@s.

    Sócrates , em quem só votei na primeira vez e contrariada, cometeu erros graves, mas tentou a todo o custo evitar a entrada da troika e não houve em Democracia nenhum político alvo de ataques tão cerrados e violentos como ele, até a nível da sua vida pessoal.

    Acabei de ler"Resgatados" de David Dinis e Hugo Filipe Coelho. insuspeitos de simpatia por Sócrates (principalmente o primeiro) e vemos a maneira tortuosa como Passos se comportou, mentindo descarada e sistematicamente.

    Por essa razão e pela incompetência revelada, mas abençoada por Cavaco, creio plenamente que Amaral tem razão na análise que faz!

    Que seja bom o seu dia, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São,
      Sócrates?
      Entre ele e Passos Coelho, como já comentei antes, é pedirem-ma para escolher o lado limpo da merda.
      Precisamos de gente que não tenha feito toda a sua vida à sombra de partidos, de gente que saiba fazer algo na vida e que vá para além de mero possuidor de cartão partidário.

      Porque, os politqueiros, que é aquilo que nos tem sido oferecido todos estes anos, só sabem fazer estas jogadas sujas e estão-se nas tintas para o que devia ser uma missão.

      Percebe porque é que sou abstencionista?

      Eliminar
    2. Respeito a sua decisão de não votar.

      Mas sou incapaz de deixar em mãos alheias o destino do país e o meu, sem sequer tentar dar a volta ou pelo fazer saber que alguém se opõe.

      Quanto ao panorama político estamos sintonizados; temos um jotinha incompetente e mentiroso no Governo e temos um outro jotinha sem garra nem ideias na oposição. Pelo que estamos tramados!!

      Bons sonhos.

      Em tempo:
      Gostei de que alguém escrevesse as verdades à tonta da Judite de Sousa . De Medina não aprecio nem o estilo nem a soberba de achar que tem a exclusividade do saber. E irrita-me não dar oportunidade do contraditório!!

      Eliminar
    3. Não é deixar as decisões nas mãos dos outros, São.
      A MINHA decisão é, perante tão desolador panorama, nem me vou movimentar para votar em branco ou nulo.

      Uma tonta rodeada por dois cretinos é uma mistura explosiva, São.
      Medina Carreira, montado nos seus rendimentos, debita as maiores barbaridades com o ar mais natural e de maior sapiência deste Mundo.

      Eliminar
  4. Pedro,

    aos costumes digo que não sou muito apreciador do Prof.Dr. Freitas do Amaral, porém, foi meu professor na Faculdade e adorei.

    No entanto, diria que,subitamente, o Tribunal Constitucional (TC) transformou-se num dos principais actores políticos em Portugal. Não pelo que diz ou faz, mas pelo que dizem e fazem dele. Os juízes vão de irredutíveis "gauleses(Vítor Bento) a "comunistas" (segundo o Financial Times).
    Não porque se tenham imbuído de um "activismo político" (relatório assinado pelo representante da Comissão Europeia em Portugal), mas simplesmente porque são, neste momento, o último baluarte da soberania nacional.
    Esta diabolização do TC provoca-me náuseas, Pedro, e acho que isto tem de acabar ou, então, acabem com o TC.

    Aquele abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O TC está a ser instrumentalizado e politizado por esta cambada de carreiristas, Ricardo.
      Faz-me impressão ver atacar as decisões do TC, dentro e fora do País, com base em juízos de puro oportunismo político.
      Gentinha reles, Ricardo.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  5. Arrepia-me só de pensar que poderemos ter este "2º" Seguro a governar ! Com o "1º", ainda vá que não vá !
    Não creio, mas tenho a certeza, que o próximo governo vai ser a maior das decepções dos portugueses que querem novo governo !
    Vão pensar : "afinal o que é que mudou" ? ...

    Abraço ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não esquecer que esse novo governo já não contará com a almofada da troika, Rui.
      A menos que peça novo resgate.
      Se o fizer, ficará de pés e mãos atadas como este.
      É isso que me faz acreditar, e pelos vistos também a Freitas do Amaral, que o chumbo do Orçamento por parte do TC pode ser o pretexto para este governo sair de fininho.
      E o Presidente convocar eleições contra a sua vontade.
      Mas, como é obrigado a isso, dirá ele.....
      Depois?
      Depois o PS que se amanhe.
      E eu volto a perguntar - e as pessoas, e o Povo, pá?
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  6. Já não ligo nenhum ao que diz Freitas do Amaral, Pedro. De há uns tempos para cá diz o que mais lhe convém, consoante a ocasião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Freitas do Amaral perdeu o respeito de muita gente quando começou a ser uma espécie de cata-vento.
      Mas, nesta situação, parece-me que ele está a perceber bem a jogada que está a ser preparada.

      Eliminar
  7. Volto só para dizer que há umas semanas equacionei essa hipótese mas, como então esclareci, penso ser mais provável haver eleições depois da saída da troika e antes do programa cautelar, ou do segundo resgate, ou seja lá o que vier em 2014.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por iniciativa de quem, Carlos?
      Cavaco?
      Nem pensar.
      Cavaco só se mexerá se for obrigado a isso.
      Ou, como neste manobra macabra, "obrigado" a isso.

      Eliminar
  8. Seria uma saída possível, sim, o único problema é que PPC e PP têm os rabos colados à cadeira do poder e não saem de lá com essa facilidade ytoda. Como se viu este verão.

    Freitas do Amaral ainda deve de acreditar que eles têm a dignidade que eles não possuem nem resquício!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PPC e PP já perceberam que se estão a desgastar todos os dias.
      Mas não querem abandonar o barco.
      O que Freitas equaciona, e eu acredito, é que montem um circo para poderem sair de fininho.

      Isto é o oposto de dignidade, Teté.

      Beijocas!

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Mais uma razão para eu acreditar que é perfeitamente possível, Rosa dos Ventos.

      Eliminar
  10. Não me admirava nada! Esses fulanos são frios e calculistas e este povo cego, surdo e obtuso confia neles de formal verdadeiramente paroquial...

    Que atraso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acredito vivamente nesta possibilidade, Graça.

      Eliminar
  11. Já todos disseram o que eu pretendia dizer e acabo apenas que, embora com uma dose de razão, este Sr. foi bom...mas agora era preferível estar calado e olhar para as borradas que já fez e das quais saiu de fininho! Poupem-me!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly,
      O Diogo, aquele que apareceu numa campanha eleitoral a nadar na piscina da sua piquena vivenda na Quinta da Marinha e que, depois disso, começou a andar para a esquerda?
      Mas que hoje não sabe bem onde está, quem é, o que quer, só sabe que quer mais e já?
      Que maldade!! :))
      Beijos

      Eliminar