2 de agosto de 2013

Três casos de má Gestão (2)



Caso 2

Um réu, condenado a prisão perpétua por assassínio em primeiro grau, consegue fugir ao fim de 25 anos na prisão. Ao fugir, entra numa casa onde dorme um jovem casal. O assassino ata o homem a uma cadeira e a mulher à cama.

A seguir, encosta o seu rosto ao peito da mulher, levantando-se de seguida e saindo a seguir do quarto.

Imediatamente, arrastando a cadeira, o marido aproxima-se da esposa e diz-lhe:

- Meu amor, este homem não vê uma mulher há anos. Eu vi-o beijando-te o peito e aproveitando que ele se afastou um pouco, quero pedir-te que cooperes com ele e faças tudo o que ele te pedir. Se ele quiser fazer sexo contigo não o evites e finge que gostas.

Por favor, não o afastes. As nossas vidas dependem disso!!! Sê forte, minha linda, eu amo-te.

A jovem esposa diz ao marido:

- Querido, estou reconhecida que penses assim! Efectivamente este homem não vê uma mulher há anos, no entanto não estava a beijar-me o peito.

Estava a dizer-me ao ouvido que gostou muito de ti e perguntou-me se guardamos a vaselina na casa de banho. 
Sê forte, meu lindo; eu também te amo muito.

Conclusão:

Não estar verdadeiramente informado pode trazer sérios inconvenientes.
A informação actualizada e exacta é fundamental para sair com êxito do ataque de competência desleal e assim evitar surpresas desagradáveis.

12 comentários:

  1. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Por vezes lapsos acontecem e quando pretendemos passar a bola a outro ela se enfina em nós rsrsr
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Até me doeu só de pensar, Amigo Cambeta :))))

    ResponderEliminar
  3. Não via uma mulher há muito tempo mas também não lhe fez falta nenhuma. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos vistos não tinha saudades nenhumas......de mulheres :))))

      Eliminar
    2. Caro Amigo Pedro Coimbra!
      A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse-me que o marido apreciou tanto o desempenho fornicante do presidiário que resolveu sair do armário e fugiu com ele para as Ilhas Canárias.
      Caloroso abraço! Saudações apreciativas!
      Até breve...
      João Paulo de Oliveira
      Diadema-SP

      Eliminar
    3. As coisas que a Agrado sabe, Amigo João Paulo de Oliveira :)))

      Eliminar
  4. Um caso típico de falta de investigação jornalística

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tipo é que ganhou uns hábitos estranhos na prisão, Carlos :))))

      Eliminar
  5. :))))

    Há coisas que a princípio se estranham, mas depois se entranham, sei lá!:))
    Se calhar foi o caso! 25 anos é muito tempo...e foi muito bem feito. Olha lá que marido...!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu podia fazer uma piada fácil com a ideia do entranham, Janita.
      Mas não faço :))))

      Eliminar