27 de agosto de 2013

Surpreendente história!

COMO É QUE ELES PODIAM SABER  ?
ALGO NO UNIVERSO - MUITO MAIOR E MAIS PROFUNDO QUE A INTELIGÊNCIA HUMANA.
A VIAGEM DOS ELEFANTES PARA PRESTAR SUA ÚLTIMA HOMENAGEM - MAS COMO ELES PODERIAM SABER ?
Lawrence Anthony, uma lenda viva na África do Sul, autor de 3 livros, entre eles o best-seller O Encantador de Elefantes, valentemente resgatou inúmeros animais selvagens e reabilitou elefantes por todo o planeta após serem vitimados por atrocidades humanas, entre elas o corajoso resgate dos animais do Zoológico de Bagdad durante a invasão dos Estados Unidos em 2003.
.
No dia 7 de Março de 2012 Lawrence Anthony faleceu.
Deixou saudades e é sempre lembrado por sua esposa, dois filhos, dois netos e numerosos elefantes.
Dois dias após seu falecimento os elefantes selvagens apareceram em sua casa guiados por duas grandes matriarcas.
Outras manadas  selvagens apareceram em bandos para dizer adeus a seu amado amigo-homem.
Um total de 31 elefantes havia caminhado pacientemente por mais de 12 milhas para chegar à sua residência sul-africana.

Ao testemunhar este espetáculo, os humanos obviamente ficaram abismados não apenas por causa da suprema inteligência e timing perfeito com que esses elefantes pressentiram o falecimento de Lawrence, mas também devido às profundas lembranças e emoções que os amados animais relembraram numa forma tão organizada.
Caminhando lentamente - durante dias - marchando pelo caminho numa fila solene desde seu habitat até a sua casa.
Assim, como os elefantes da reserva, pastando a milhas de distância em partes distantes do parque poderiam saber da morte de Anthony ? "Um homem bom morreu de repente" diz a Rabina Leila Gal Berner, Ph.D., "e vindo de muito, muito longe duas manadas de elefantes, sentindo que eles haviam perdido um amado amigo humano, se moveram numa solene procissão fúnebre para visitar a família enlutada na residência do falecido."
"Se alguma vez houve uma ocasião em que pudemos realmente sentir a maravilhosa intercomunicação de todos os seres, foi quando refletimos sobre os elefantes de Thula Thula. O coração de um homem para de bater e os corações de centenas de elefantes se entristecem.    O coração tão generoso e dedicado  deste homem ofereceu a cura a esses elefantes e agora eles vem prestar sua carinhosa homenagem a seu amigo."
A esposa de Lawrence, Françoise, estava particularmente comovida, sabendo que os elefantes não haviam vindo a sua casa antes desta data por bem mais de três anos !  Mas sabiam perfeitamente aonde estavam indo !  Os elefantes obviamente queriam apresentar suas sentidas condolências, em honra a seu amigo que havia salvado suas vidas e tamanho era o seu respeito que ficaram por dois dias e duas noites sem comer absolutamente nada. 
E assim, uma manhã, eles partiram para a sua longa viagem de volta.

22 comentários:

  1. Comovente, Pedro, impossível não sentir aquele "nó na garganta"!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A memória de elefante não explica tudo.
      Impressionante como os animais se recordaram do amigo e o foram homenagear.
      O Ricardo, que gosta de animais, esteja atento ao que vou publicar na sexta-feira.
      Vai valer a pena.
      Grande abraço!!

      Eliminar

  2. A história é comovente!
    Há na Natureza ainda muitos mistérios por revelar... e muitos assim permanecerão.


    Beijinhos com memória
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Impressionante, não é, Afrodite?
      Já imaginou a comoção que a esposa dele terá sentido?

      Eliminar
  3. Não é por acaso que existe a expressão "memória de elefante", amigo.

    ResponderEliminar
  4. Emocionante. Os animais "sabem", "sentem"...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Nem são necessárias aspas, Catarina.
      É mesmo assim

      Eliminar
  5. Coisas da Natureza e dos animais (que dela fazem parte), muitos dos quais com um 'QI' mais elevado que alguns seres humanos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenhas duvidas disso, António.
      E, em matéria de sensibilidade, nem se fala.

      Eliminar
  6. Que bela história,Amigo!

    Obrigada!

    (emocionei-me)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo emocionante, Margoh.
      Por isso a queria partilhar aqui com os meus amigos.

      Eliminar
  7. Não devíamos desprezar tanto os animais, é a lição que eu sempre tiro de histórias como esta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Totalmente de acordo, Carlos.
      Temos mesmo muito a aprender com eles.

      Eliminar
  8. Linda e sensibilizante história que nos aporta esperança de a sabedoria possa um dia então imperar na existência dos sêres humanos. Muito obrigado por sua generosa partilha. Nino Achcar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nino Achcar,
      Esta é uma daquelas situações em que temos a obrigação de dar a conhecer estes factos a outras pessoas.
      Comovente.

      Eliminar
    2. São dádivas enriquecedoras para o espirito.

      Eliminar
    3. São dádivas enriquecedoras para o espírito.

      Eliminar
  9. Linda e sensibilizante história que nos aporta a esperança de que um dia então,a sabedoria possa imperar na vida dos sêres humanos. Muito obrigado por partilhar esta riqueza. Nino Achcar.

    ResponderEliminar
  10. Muito emocionante,prova de que os animais são sensíveis e conseguem amar de verdade. Pois só quem ama sabe como é a dor da separação. Esta é uma verdadeira lição que os animais dão a todos nós,seres humanos.

    ResponderEliminar
  11. Quanta sabedoria têm os animais! Isso prova que eles são sensíveis e que amam incondicionalmente, algo que nós humanos estamos tentando aprender há muito tempo. Os animais nos dão lições maravilhosas. Somos os únicos na natureza que precisa aprender a amar e a respeitar cada irmão,seja humano ou não.
    Lucineide Sampaio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prof. Lucineide Sampaio
      Os animais têm comportamentos que nos deixam boquiabertos.
      Absolutamente extraordinário

      Eliminar