31 de julho de 2013

Casino para o povo?


Com o aproximar do período oficial de campanha eleitoral para as eleições para a Assembleia Legislativa, ouvem-se as declarações mais estapafúrdias dos diversos candidatos numa despudorada tentativa de caça ao voto.
Agora foi a vez de Chan Meng Kam, dono do casino Golden Dragon, entre muitos outros investimentos em Macau, propor que haja em Macau uma operadora de Jogo que distribua os seus lucros pela população.
Se bem percebo, seria uma operadora criada pela Administração, gerida, directa ou indirectamente, pela Administração.
A mesma Administração que, apurados os lucros da operadora, os distribuiria irmãmente pelos residentes de Macau.
Se é assim, e confesso alguma dificuldade em perceber exactamente as ideias do candidato, pergunto-me se não seria mais fácil distribuir mais criteriosamente os fabulosos lucros que as actuais operadoras auferem sem qualquer necessidade de criar uma operadora pública, ou algo de semelhante.
E não estou a pensar nos famosos cheques que ciclicamente são entregues aos residentes.
Estou a pensar em algo um pouco mais complicado.
Melhorias sensíveis nas áreas do ambiente, da saúde pública, da educação, da cultura, dos transportes públicos, das infra-estruturas para usufruto da população.
Propostas nestas diversas áreas é que se querem ouvir dos candidatos.
Mas essas, infelizmente, escasseiam.
O populismo e a demagogia são muito mais fáceis.

16 comentários:

  1. Parece aquele artigo do Tribuna de Macau, o "Gente Gira". Ainda bem que o que não falta é gente que tem sempre inúmeras ideias e sugestões para Macau. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já dei a minha, FireHead.
      Foi-me solicitada e colaborei com todo o gosto.
      E você?
      Já deu alguma sugestão para Macau?

      Eliminar
    2. Eu não. Vale a pena sugerir alguma coisa? Macau mudaria? :P

      Eliminar
    3. Muito provavelmente, não.
      Mas, pergunto eu, o que é que custa dar ideias?
      Mesmo que não sejam seguidas, "ficam as sugestões" (era assim que acabava o artigo no Tribuna de Macau)

      Eliminar
  2. No Brasil, o país do futebol, as pessoas já abriram os olhos e vieram para a rua aos mulhões exigir que se gastem em coisas úteis para a população o que se gastou em estádios para a Copa do Mundo.

    Pode ser que aí, qualquer dia aconteça o mesmo.

    Aqui em Porugal é que vai tudo de mal a pior: o Governo CDS/PSD prepara-se, depois de os insultar. para despedir milhares de funcionários públicos e os jornais (pobre jornalismo português) só referem que as pessoas podem continuar a ADSE, esquecendo os descontos feitos ao longos de toda a carreira e a ameaça já feita da extinção do sistema por Passos.

    Quanto à juventude, sorri de novo , pois já conhecia.

    Bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se pede em toda a parte, São.
      O dinheiro público, por ser público, deve ser aplicado em benefício das pessoas.
      Todas!
      Não só de uma minoria.
      Esta proposta (???) é um golpe eleitoralista perfeitamente idiota.

      Já tinha lido esses títulos de jornais no blogue do Carlos.
      Nem dá para comentar.

      Eliminar
  3. Só falta entregar a gestão dos casinos ... ao povo.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Estes gajos parece que fazem de nós parvos, António.
      Período pré eleitoral e sai cada uma que ate parecem duas!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Desconhecia dessas dos cheques distribuidos pelos residentes...mas mais uma idiota com ideias lunáticas pelas eleições.

    Pelo muito que tenho lido Macau é tão bom com Portugal...fogo pá, anda tudo louco!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Fatyly,
      Todos os anos, como o dinheiro é muito, dão massa ao povo.
      Este ano já veio a primeira leva.
      O equivalente acercada oitocentos euros para cada residente permanente (meu caso, da minha mulher e das minhas filhas)
      Vamos ver se nao haverá uma segunda leva.

      As parvoíces de campanha eleitoral, nem de perto nome longe, são um exclusivo de Portugal
      Um mal mundial

      Eliminar

    2. Essa dos cheques também não conhecia Pedro.
      A "massa" deve ser mesmo muita!


      Beijinhos sem promessas eleitorais
      (^^)

      Eliminar
    3. É muita mesmo, Afrodite.
      E esses cheques são papas e bolos.
      Para enganar tolos.
      Recebe o disparatadamente rico e o pobre.
      Exactamente a mesma quantia.
      Se o dinheiro fosse aplicado no que é necessário.....
      E há tanto coisa em que podia ser aplicado!
      Beijinhos!

      Eliminar
  5. Não estará a pedir coisas demasiado sensatas, Pedro?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou, Carlos
      Mas eu tenho este defeito (entre muitos outros) - sou exigente!

      Eliminar
  6. Calculo que não alegre, mas populismo e demagogia são distribuídos aos magotes por (quase) todos os políticos do mundo, especialmente em campanhas eleitorais. Ou seja, não é só em Macau... :P

    Mas realmente não se entende a falta de programas nessas áreas!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa inenarrável, Teté.
      É com cada proposta (???) que apetece fazer uma rima com bosta.
      Beijocas!

      Eliminar