24 de julho de 2013

Apetece-me apelar a um buzinão na Ponte de Sai Van


O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa define buzinão como  "Acto de accionar um conjunto grande de buzinas, geralmente de forma concertada e como forma de protesto".
E é mesmo a um protesto que me apetece apelar.
Um protesto veemente contra o autismo de quem recusa perceber que cometeu um erro quando decidiu cortar uma faixa de cada lado da Ponte de Sai Van, faixas essas que passaram a ser reservadas ao trânsito de motociclos.
Pior que cometer um erro, algo que acontece a todos, é insistir nesse erro, não o corrigir.
Pelo contrário (questão de face?) insistir no mesmo, prejudicando todos os utentes da ponte.
A Ponte de Sai Van foi, até agora, a grande obra pública dos governos da RAEM.
O Centro de Ciência tem outra finalidade, outro público alvo, outro aproveitamento; o metro de superfície está a ser construído; as obras no campus da Universidade de Macau, e infra-estruturas complementares, idem (e são na Ilha da Montanha, não em Macau).
Procurava-se com esta ponte descongestionar o trânsito na Ponte da Amizade, reservar a ponte Nobre de Carvalho para o trânsito de transportes públicos (um desperdício, mas enfim....), dar resposta ao tráfego crescente entre as Ilhas e a Península de Macau, ter uma ponte preparada para poder responder às necessidades de circulação em dias de tufão, ter uma ponte dotada de infra-estruturas que permitissem que o metro ligeiro ali viesse a passar.
E a Ponte de Sai Van respondeu bem aos desafios (vamos ver como é que responde ao desafio metro ligeiro...).
Até ao momento em que foi tomada a decisão de a amputar de uma faixa em cada sentido.
A partir de então, a solução que a ponte representava em termos de fluidez do trânsito passou a ser um problema.
Agravado com as obras do metro ligeiro, a construção de outras infra-estruturas na Taipa.
A chegar ao limite do pesadelo, do desespero, nos dias de chuva ou quando há alguma avaria ou algum acidente.
É simultaneamente ridículo e hilariante ver toda a gente, quando chove, há avarias ou acidentes, de telemóvel na mão, violando descaradamente a Lei do Trânsito Rodoviário, procurando alertar que vai chegar atrasado ao seu local de destino.
Que, a maior parte das vezes, fica ali a dois passos.
Até quando se vai manter esta teimosia, esta postura autista, este receio de perder face?
Quando é que, de uma vez por todas, será corrigido o erro cometido?
Será necessário um buzinão?

21 comentários:

  1. Não se exalte muito com isso. Até 2049 há a garantia (que nunca se sabe se é mesmo verdadeira) de que em Macau não serão aplicados os princípios socialistas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daqui até 2049 que não me doa a cabeça, FireHead.
      Eu quero é a Ponte de Sai Van funcional que tenho que lá passar várias vezes por dia.

      Eliminar
    2. Eu também queria muita coisa, amigo... :)

      Eliminar
  2. Quando existem governos autistas não há buzinão que os incomode...
    Pode ser na ponte ou no parlamento.
    Os governos incompetentes teimam sempre pela malícia e arrogancia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas lá que apetece azucrinar os ouvidos a estes gajos, lá isso apetece, luís
      Porra que são teimosos que nem mulas!

      Eliminar
  3. Cuidado com a...bateria! :)))

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo que fique sem bateria, apetece-me fazer barulho, Ricardo.
      Estes gajos irritam, porra!
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  4. Proteste-se em nome da razão.

    Se for preciso, Pedro, arrajam-se umas vuvuzelas que sobraram dali .. pois, isso. :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já nem me lembrava das vuvuzelas, António.
      Boa ideia!! :))
      Aquele abraço!

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Aqui chamamos de buzinaço, mas também estamos cansados de perder diariamente horas enfrentando trânsito lento para nos locomovermos na região metropolitana de São Paulo, bem como constatar as medidas como se fossem similares a "enxugar gelo" das autoridades de trânsito!
    Caloroso abraço! Saudações intransitáveis!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma perfeita estupidez, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Esta ponte foi pensada, e construída, exactamente para evitar estas confusões, estes estrangulamentos.
      E estava a cumprir esse papel.
      Até aparecerem umas luminárias a amputarem-lhe uma faixa em cada sentido.
      Grande abraço!!

      Eliminar
  6. O que eu vi foi uma bela ponte!


    [e lembrei-me tb das vuvuzelas...rs]


    abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ponte é excelente, Margoh.
      Mais uma razão para não a estragar, não é?

      Eliminar
  7. Não imagino como é a funcionalidade das pontes e vias que falo, mas parei a pensar no retrato de cá, respira fundo e pergunto desde já pedindo desculpa pela minha ignorância:

    Qual a quantidade de tráfego de motocilos? Aumentou?
    Por cá aumentou e muito, pessoal que trocou o carro pela motinha motoreta ou motão e de facto é uma AVENTURA DANTESCA por não terem uma faixa só para eles, por exemplo na IC19, na 2ª. Circular, etc. etc. evitando assim danos maiores?

    Por ter na família quem vá de mota e ou de bicicleta...sei do que falo, porque diria com toda a certeza que 90% dos automobilistas não os respeitam, e talvez 1 ou 2% dos motociclos fazem das suas! Quando vejo motos, dou espaço, abrando, e se o ultrapassar tenho todo o cuidado de não o derrubar...porque já vi coisas de bradar os ceús e repito o que disse anteriormente: deveriam ter uma faixa só para eles.

    Quem tem de andar na estrada..."mais vale sair mais cedo, porque mais vale perder um minuto na vida, do que a vida num minuto e a pressa é inimiga da perfeição".

    Estarei errada amigo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fatyly,
      Há imensos motociclos.
      Mas não justificam que se ampute uma faixa em cada sentido na ponte.
      Até porque, para que isso acontecesse, deixam de sair da ponte no centro da cidade e vão sair no "onde Judas perdeu as botas".
      Mais, a Ponte Nobre de Carvalho, projectada pelo Engenheiro Edgar Cardoso, está reservada a transportes públicos e .......moscas.
      Que tal passar para lá também os motociclos?
      Ficavam transportes públicos, moscas e motociclos.

      Eliminar
    2. Assim sendo tens toda a razão e vamos lá ao buzinão: póóóóóóóóóóímmmmmm:)

      Também cá os motociclos deveriam poder usar a faixa dos "BUS", mas não!!!!

      Eliminar
    3. Vai mesmo de vuvuzela como sugere o António :)

      Eliminar
  8. Há decisões que não se compreendem, mas concordo que o pior é insistir nelas, quando toda a gente verifica que não resultam. Aí já é autismo!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo isto por causa da porra da face, da perda de face, uma coisa que algumas têm na cara e as outras não devem ter.
      Beijocas!

      Eliminar
  9. À parte essas situações mais desagradáveis, a ponte é uma obra de arte e tanto :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui ficou conhecida pela ponte Macdonald's :)))

      Eliminar