19 de junho de 2013

Acordo ortográfico - mais uma acha


Magistrado alega que as "actas não são uma forma do verbo atar" e que "os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso".
"O juiz Rui Teixeira, que conduziu a instrução do processo 'Casa Pia' e que agora está colocado no Tribunal de Torres Vedras, não quer os pareceres técnicos sociais com o novo Acordo Ortográfico", revela o Correio da Manhã na edição de hoje.
O magistrado enviou uma nota à Direcção Geral de Reinserção Social (DGRS) em Abril onde se podia ler, que esta "'fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011 (...) a qual apenas vincula o Governo e não os tribunais'".

Ainda segundo o Correio da Manhã, a DGRS pediu um esclarecimento ao juiz, tendo este respondido que a "'Língua Portuguesa não é resultante de um tal «acordo ortográfico» que o Governo quis impor aos seus serviços', diz o juiz, acrescentando que 'nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário'", escreve o Correio da Manhã.

16 comentários:

  1. Mais uma palhaçada!
    Tenha um ótimo dia, Pedro! : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este juiz gosta muito de aparecer, Catarina.
      Mas qual é a palhaçada a que se refere?
      A reacção dele ou o Acordo Ortográfico?

      Eliminar
  2. E tem muita razão.
    Quem conduziu o acordo se fosse culto não o deixaria assim com estas falhas graves e dúbias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Basta ler o artigo do Pedro Mexia que também hoje publico para perceber isso, luis.

      Eliminar
  3. Mas o juiz Rui Teixeira está enganado. Um cágado continua a ser um cágado. :)

    ResponderEliminar
  4. Pedro, a este é que eu chamo 'palhaço', sem qualquer problema.
    O homem não vale um 'tostão furado'.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Gosta muito de aparecer, António.
      Grande defeito num juiz.
      Que deve ser sóbrio e low profile
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Em publicações anteriores já externei o que penso a respeito deste desnecessário Acordo Ortográfico.
    Caloroso abraço! Saudações linguísticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desnecessário e oportunista, acrescentaria eu, Caro Prof. João Paulo de Oliveira.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  6. CM a dar voz a Rui Teixeira, a quem não falta sede de protagonismo? Pois, tinha de ser qualquer coisa do género.

    Pessoalmente, já não aguento mais esta discussão inglória, que tem pilhas duracell e dura há mais de 22 anos, depois de Pedro Santana Lopes assinar o acordo, enquanto secretário de estado da cultura no cavaquistão (outra anedota). Depois a culpa é do Sócrates, que o pôs em vigor... Não há pachorra! Ainda por cima se o povo escrevesse bem e não desse erros a torto e a direito, ainda se compreendia que estivesse tão apegado à sua forma de linguajar. Mas nem isso, que o que não faltam por aí são "ilustres" a darem pontapés na língua e gramática todos os dias, e depois ainda se arvoram em grandes defensores do anti-acordo! Fariam melhor, se fossem aprender a escrever...

    Nota: não é que estivesse a favor ou contra o acordo inicialmente, que a forma como surgiu é que me parece aberrante, que essas coisas não se decidem em gabinetes de inteletuais. Mas quer dizer, algumas amigas da minha mãe recusaram-se a escrever de outra maneira para lá daquela que conheceram na primária, e ainda saem coisas espantosas como mãi e pae.... :)))

    Que todos os problemas que temos fossem apenas na forma de escrever acção ou ação e outros exemplos que tais, certamente estaríamos todos mais felizes! :)

    Beijocas!

    ps - se quiser ler uma opinião interessante sobre o tema, aqui vai o endereço internético:
    http://www.ciberduvidas.com/textos/controversias/11083

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teté,
      Esta não é uma discussão estéril.
      Este Acordo Ortográfico é uma aberração.
      Decidida por meia dúzia de cartolas, fechados em gabinetes, supostamente para unificar a língua e para que se possa vender mais livros no espaço da Lusofonia (leia-se, os autores portugueses venderem mais no Brasil)
      Curiosamente, os autores portugueses que mais vendem no Brasil são os que não aderiram ao Acordo.
      Porque será?
      Porque a diversidade da língua é que é bonita?
      Estava capaz de apostar que sim.
      Se outros já o adiaram, para as calendas, porque não nós?
      Beijocas!!

      Eliminar
  7. Eu não aderi ao Acordo, mas também não parece bem criticar quem aderiu...(a agora que horror estou a criticar quem criticou)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gábi,
      Eu critico o Acordo.
      Não quem a ele aderiu.
      E espero que Portugal venha a recuar na sua aplicação.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Conclusão, ninguém se entende! Como já disse esse é o real e pior problema! E afinal quantos países aderiram ao AO90 mesmo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa pergunta, Poppy.
      O que tenho ouvido mais é colocar reservas e adiamentos.

      Eliminar